Jardim do APERS

Jardim do APERS

     Através da Portaria nº 013/08 de 30 de outubro de 2007, foram criados os Espaços Culturais do Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul. Os Espaços Culturais do APERS são: o Jardim; a Sala Borges de Medeiros, localizada no Prédio II; o Espaço Joél Abílio Pinto dos Santos e o Auditório Marcos Justo Tramontini, localizados no Prédio III.

     Mas você sabe como os nomes dos Espaços Culturais foram escolhidos? A ideia era homenagear profissionais que contribuíram de forma representativa para as áreas da Arquivologia e da História.

Sala Borges de Medeiros

Sala Borges de Medeiros

     A Sala Borges de Medeiros, nossa antiga Sala de Pesquisa, recebeu este nome para homenagear o fundador do Arquivo Público. Antonio Augusto Borges de Medeiros era o Presidente da Província, o que equivale hoje ao cargo de Governador do Estado, no período em que o APERS foi instituído (1906). Neste espaço, atualmente, são realizadas as Oficinas de Educação Patrimonial que buscam despertar nos estudantes o interesse pela preservação dos documentos salvaguardados no APERS, assim como ressaltar a importância do nosso patrimônio histórico, cultural e edificado.

Espaço Joél Abílio Pinto dos Santos

Espaço Joél Abílio Pinto dos Santos

     Joél Abílio Pinto dos Santos foi professor de história da Universidade Federal de Santa Maria e também era responsável pela disciplina de Introdução à História no curso de Arquivologia. O Professor Joél demonstrou ao longo de sua carreira ser simpatizante e defensor das causas arquivísticas, mesmo tendo como formação de origem o curso de história. No prédio do Centro de Ciências Sociais e Humanas, no campus da UFSM, há uma sala batizada com seu nome. Uma retribuição aos anos de dedicação e empenho voltados à Universidade. A Associação dos Arquivistas do RS concedeu ao Professor Joél o título de sócio honorário, em respeito à sua contribuição para a arquivologia. No momento, o Espaço Joél Abílio Pinto dos Santos, no APERS, abriga a exposição “História da Política Indigenista” composta por 20 banners, que retratam o surgimento do serviço de proteção ao índio em 1961.

Auditório Marcos Justo Tramontini

Auditório Marcos Justo Tramontini

    Natural de São Leopoldo, Marcos Justo Tramontini foi Doutor em História pela Pontifícia Universidade do Rio Grande do Sul e professor da Universidade do Vale dos Sinos e da Universidade Luterana do Brasil. Sua obra tem um enfoque especial nas temáticas “Ideias e movimentos sociais na América Latina” e “Imigração e Colonização na América Latina”. Em reconhecimento à sua relevante contribuição para a história da imigração, em especial a alemã no sul do Brasil, a Associação Nacional de História (ANPUH) sugeriu à direção do APERS que batizasse o auditório com o nome de Marcos Justo Tramontini. Neste espaço são realizados ciclos de cinema, palestras, seminários e cursos.

     Os espaços culturais foram criados com a finalidade de promover a integração com as entidades educativas, sociais, artísticas e a comunidade em geral. Destinando-se a exposições, palestras, mostras, teatro, apresentações musicais e outros eventos afins, estes espaços são disponibilizados à sociedade, desde que respeitadas às normas de preservação das instalações.