No ano de 2012 demos seguimento às oficinas de Educação Patrimonial desenvolvidas no APERS em parceria com a UFRGS, agora completando quatro anos de funcionamento. Nesse ano o projeto contemplou cerca de 1700 alunos da rede pública de ensino, através de 78 oficinas entre “Tesouros da Família Arquivo” e “Desvendando o Arquivo Público: Historiador por um dia”. Também foram capacitados 27 estudantes de graduação para atuar como oficineiros e realizadas 4 vivências com professores e estudantes de licenciatura.

   Ao iniciar 2012 uma nova experiência apresenta-se à equipe que integra o Programa de Educação Patrimonial. Inspirados na temática “outro mundo possível” proposto pelo Fórum Social Temático 2012, levamos ao Forinho – o Fórum Social Infantil – uma adaptação da oficina “Os Tesouros da Família Arquivo”. Através da oficina “A Família Arquivo vai ao Forinho” foram atendidos 31 alunos entre 8 e 13 anos de idade.

   Neste ano também foi realizada a segunda edição do Curso Educação Patrimonial e Cidadania, voltado para a formação continuada dos professores da rede pública de ensino. Além de contribuir para a formação dos mesmos, o evento estreita os laços entre o APERS, escola e comunidade. Os resultados das ações promovidas através do curso contribuem para a valorização do patrimônio cultural de toda a comunidade escolar, como no caso do projeto de educação patrimonial “O Poder da Memória” coordenado pela professora de História Carla de Moura.

   No mês de novembro realizamos o evento Aplicando a Lei 10.639: Patrimônio, Cultura e História da África e Afro-Brasileira, foram cinco tardes e noites de intensos debates acerca da escravidão, sua herança e os usos desse conhecimento no ensino de história. O evento contou com palestras de pesquisadores da área, visita ao museu Julio de Castilhos, aos territórios negros, além de atividades culturais ligadas a cultura africana. Com cerca de 80 inscritos, com público frequentador médio de 60 participantes – entre professores da rede pública, estudantes de graduação e comunidade em geral – e pelo alto nível das discussões e atividades realizadas o evento foi considerado um sucesso.

   Para além das oficinas realizadas com os estudantes, o projeto desenvolvido no Arquivo Público é hoje considerado um Programa de Educação Patrimonial, que contempla o tripé – universidade, arquivo e escola pública – através do atendimento de alunos do ensino fundamental, a formação de graduandos de História e de professores da rede pública em torno da educação patrimonial, tal como, a produção acadêmica e a divulgação de nosso trabalho em eventos da área. O trabalho desenvolvido pelo APERS contempla um regime de formação continuada, de modo que tanto o graduando como o profissional do ensino básico recebem a aparatos para trabalhar com a metodologia da história oral. O aluno contemplado pelo projeto, além de conhecer o Arquivo Público e entrar e contato com uma série de saberes, recebe do professor um apoio anterior e uma série de meios de avaliar e continuar esses aprendizados. Durante as férias escolares, estaremos trabalhando para aprimorar cada vez mais as atividades contempladas pelo programa, fiquem atentos às nossas novidades!

Este slideshow necessita de JavaScript.