Mundo dos Arquivos – Dicas de Séries Parte 1

Deixe um comentário

     Hoje começamos com as dicas de séries, destacando episódios que envolvem o Mundo dos Arquivos! Nesta primeira parte selecionamos episódios divertidos que apresentam cenas em bibliotecas, muito comuns em séries que tenham personagens estudantes e que envolvam universidades. Confira a lista abaixo!

APERS Mundo Arquivos FriendsFRIENDS: Série americana de muito sucesso que durou 10 temporadas. A história gira em torno de um grupo de seis amigos – Chandler (Matthew Perry), Joey (Matt LeBlanc), Mônica (Courtney Cox), Phoebe (Lisa Kudrow), Rachel (Jennifer Aniston) e Ross (David Schwimmer) – que lutam para se sobressair e progredir na competitiva cidade de Nova Iorque. Seu humor inteligente e apoio mútuo incondicional fazem com que sua amizade seja cada vez mais forte, superando assim os obstáculos que a vida lhes apresenta.

7ª Temporada Episódio 7: Aquele com o livro do Ross na biblioteca. Ross descobre que seu livro está disponível na biblioteca da universidade onde é professor, e quer mostrar sua obra a Chandler. Ao chegarem na seção de Paleontologia, Ross fica surpreso ao ver que casais usam o local para encontros amorosos, já que é uma seção pouco consultada. Após solicitar, sem sucesso, mais fiscalização aos servidores da biblioteca, decide vistoriar por conta própria a seção.

APERS Mundo Arquivos GleeGLEE: Série de televisão musical norte-americana de comédia. O enredo da série foca-se na vida de um grupo de estudantes e professores da Escola Secundária McKinley High, membros do Glee Club da escola, um clube musical largado às traças, e por causa disso, são desprezados e negligenciados. À medida que o seriado vai de desenvolvendo, observa-se que os estudantes começam a ganhar reconhecimento entre os seus colegas e eles vão também perseguindo os seus sonhos.

1ª Temporada Episódio 17: Má reputação. Depois que uma “Glist” começa a circular na escola, relacionando os estudantes mais atraentes do Glee Club, alguns buscam criar uma má reputação, na esperança de melhorarem sua classificação na lista. Assim o quinteto formado por Kurt (Chris Colfer), Mercedes (Amber Riley), Tina (Jenna Ushkowitz), Artie (Kevin McHale) e Britt (Heather Morris) tem uma ideia para conquistar notoriedade, fazer uma apresentação na sala onde se preza pelo silêncio, a biblioteca. Com a música “U Can’t Touch This” o grupo adentra a biblioteca e faz sua performance, que no final surte efeito contrário ao esperado!

APERS Mundo Arquivos Big Bang TheoryTHE BIG BANG THEORY: A série enfoca a dinâmica entre os colegas de apartamento, os físicos da CalTech, Leonard (Johnny Galecki) e Sheldon (Jim Parsons), e a vizinha Penny (Kaley Cuoco), uma atraente garçonete com aspirações para atriz. Leonard e Sheldon recebem frequentemente a visita de seus amigos e colegas de trabalho, Howard (Simon Helberg) e Rajesh (Kunal Nayyar), e juntos usam o tempo livre para todo tipo de divertimento nerd. A “nerdeza” e o intelecto puro de Leonard e Sheldon são comicamente contrastados com as habilidades sociais e o bom-senso de Penny.

6ª Temporada Episódio 18: A implementação da obrigação contratual. No episódio Raj, tímido que só consegue conversar com mulheres se estiver alcoolizado, terá o primeiro encontro com Lucy (Kate Micucci), uma garota com sérios problemas de fobia social. Não poderia ser um encontro em um lugar público normal, assim Raj organiza um piquenique na biblioteca da CalTech e, quando Lucy chega, ele inicia a conversa por meio de troca de mensagens no celular.

APERS Mundo Arquivos The MiddleTHE MIDDLE.: É uma comédia familiar leve e divertida; retrata uma típica família de classe média que mora na cidade fictícia de Orson, Indiana (no meio dos EUA). Formada pela mãe Frankie Heck (Patricia Heaton), pelo pai Mike Heck (Neil Flynn) e seus 3 filhos: o desleixado Axl (Charlie McDermott), a fracassada Sue (Eden Sher) e o estranho minigênio Brick (Atticus Shaffer). Frankie é a personagem principal e também a narradora da série; esposa e mãe devotada, ela vê a família como a coisa mais importante que possui na vida.

1ª Temporada Episódio 24: Regras medianas. Fim de ano na escola, Frankie e Mike participam das reuniões de pais e professores de seus filhos e descobrem que Brick pode ser reprovado por causa de 31 livros que não foram devolvidos para a biblioteca. Brick vai até a biblioteca e a sra. Nethercott (Betty White) o questiona se ele realmente ama os livros como diz, pois não tem cuidado com os mesmos e dá um prazo para a entrega dos exemplares. O garoto faz uma busca por toda sua casa pelos livros e os devolve na biblioteca, mas ainda falta um livro, um Atlas… Com mais um prazo, Brick dá um jeito de devolver o Atlas!

Fontes de pesquisa: Banco de SériesCaldeirão de SériesEpisódios ComentadosMinha SérieSéries ChannelVejo SériesWarner ChannelWikipedia

    Gostaram das dicas?! Já assistiu alguma dessas séries e visualizou o Mundo dos Arquivos?! Comente, compartilhe!!

      Lembramos que você pode votar para escolha da melhor frase do Concurso Cultural “Mundo dos Arquivos”! Participe!

Gerenciamento de Acervos – Relatório 2013

Deixe um comentário

   A equipe de Gerenciamento de Acervos tem atuado no encaixamento e no reacondicionamento dos documentos que estão em maços, do acervo do Poder Judiciário, de acordo com o art. 5° da Instrução Normativa SARH 004/2009. Procede com a elaboração e revisão de tabelas de equivalência, definição da localização dos acervos, visando otimizar o espaço físico, e atualização dos instrumentos de pesquisa.

    Durante o ano de 2013, do acervo do Poder Judiciário, foram encaixados e revisados os seguintes Fundos: Comarca de Bagé (PJ010), Comarca de Dom Pedrito (PJ042-PJ043), Comarca de Rosário (PJ024), Comarca de Santana do Livramento (PJ071) e Comarca de Porto Alegre PJ(004- 1º Feitos da Fazenda). Sendo que a próxima etapa a ser concluída é a organização do Sub-Fundo 1º e 2º Feitos da Fazenda Pública.

     O Gerenciamento de Acervos desenvolve atividades que requerem muita pesquisa e conhecimento sobre os acervos custodiados pelo APERS, pois consiste em manter o arranjo do acervo de forma que a disposição física corresponda à estrutura dos órgãos de origem e com a localização indicada nos instrumentos de descrição.

Acervo Poder Judiciário -  Predio II do APERS

Acervo do Poder Judiciário (Prédio II): documentos encaixados e maços a serem reorganizados.

 

Ações da DIDOC em 2013: Exposições e Eventos

Deixe um comentário

     Durante o ano de 2013 a DIDOC fez uso dos espaços culturais do APERS, organizando algumas exposições na sala Joél Abílio Pinto dos Santos, ocasião em que pode contar com parcerias de outras instituições. Além disso, disponibilizou documentos do acervo do APERS para ilustrar os temas tratados em eventos no Auditório Marcos Justo Tramontini e programa de televisão. Confira abaixo um relato cronológico (clique nos links para verificar as notícias postadas no Blog):

– Janeiro: como parte das comemorações aos 100 anos do Monumento a Júlio de Castilhos, foi elaborada uma miniexposição com alguns documentos de Júlio de Castilhos existentes no acervo do APERS, entre os quais, seu inventário.

– Maio: realização do evento V Encontro de Olho no Futuro, coordenado pela ESPRO – Ensino Social Profissionalizante, no Auditório Marcos Justo Tramontini. O evento foi destinado a jovens e aprendizes com idade de 14 a 24 anos e oportunizou a troca de experiências entre jovens e profissionais de diferentes áreas com vistas à inclusão social. Teve a participação, como uma das palestrantes, da arquivista e chefe da DIDOC Elizabeth Lima, a qual discorreu sobre o tema “O Arquivista”, ilustrando seu cotidiano profissional com a documentação custodiada pelo APERS e com uma visita guiada ao conjunto arquitetônico.

– Maio: foram selecionados e colocados a disposição de emissora pública TVE, alguns documentos relacionados à escravidão, como uma Carta de Liberdade de 1877 para ilustrar o Programa NAÇÃO. Tratou-se de uma matéria focada no tema A Influência do Negro na História e na Cultura Gaúcha.

– Maio a Julho: disponibilizada a exposição Temporânea, em parceria com Companhia Carris Porto-Alegrense. Composta por um conjunto de 07 totens, a exposição apresentou uma narrativa hipertextual composta por vídeos, textos, recortes de jornais, crônicas e depoimentos que apresentam o centro da Capital em suas diferentes temporalidades (Cidade Antiga, Cidade Contemporânea e Cidade do Futuro).

– Julho a Outubro: ocorreu a exposição Releituras, em parceria com a comissão de cultura do TRT da 4° Região. Composta por nove cartões-postais antigos de Porto Alegre, acompanhados de nove fotografias que reproduzem os mesmos cenários dos postais, na sua perspectiva atual.

– Novembro a dezembro: disponibilizada a exposição VIDHAS: histórias de lutas e conquistas dos negros pelos Direitos Humanos, idealizada pela Companhia Carris Porto-Alegrense. Composta por banners que abarcam a constituição dos Direitos Humanos sobre o ponto de vista de um grupo étnico específico: os negros.

– Dezembro: o APERS sediou a palestra A luta dos negros em relação aos Direitos Humanos e as desigualdades, promovida pela Unidade de Documentação e Memória da Companhia Carris Porto-Alegrense. A exposição teve a interlocução da historiadora Lorecinda Ferreira Abrão acerca da luta dos negros em relação aos Direitos Humanos e as desigualdades, possibilitando aos participantes do evento fazer uma conexão com a exposição VIDHAS: história de lutas e conquistas dos negros pelos Direitos Humanos, a qual ainda estava em cartaz no APERS.

     Na próxima postagem será apresentada a última parte da série Ações da DIDOC em 2013, a qual se refere ao Atendimento ao Público. Até breve!

Concurso Cultural “Mundo dos Arquivos”: vote na melhor frase!

Deixe um comentário

Proposta Clarissa 3     Após a divulgação e período de envio de frases ao Concurso Cultural “Mundo dos Arquivos”, é com entusiasmo que iniciamos hoje a fase de votação na melhor frase.

      Lembrando que os prêmios para a mais votada serão: um exemplar do livro “A Ordem dos Arquivistas: Centésimo”, de autoria de Ricardo Sodré Andrade, e outro de “A Pequena Arquivista e o curioso caso do menino que nunca nasceu” de Juliana Kirchhof.

     O prazo para votação irá até o dia 25/02, escolha a melhor frase que utilizou a expressão “Mundo dos Arquivos” e vote!

     Boa sorte a todos!

Professora e professor: nossa agenda de oficinas de Educação Patrimonial já está aberta!

1 Comentário

     2014 certamente será um ano especial e de muito trabalho para o nosso Programa de Educação Patrimonial! Não apenas porque cada ano que chega nos traz inúmeras ideias e muita vontade de compartilhar com professores e estudantes todo o conhecimento salvaguardado no APERS, mas também porque em 2014 voltamos a ter recursos para o transporte das turmas no trajeto entre o Arquivo e as escolas – o que garantirá um número maior de agendamentos – e porque, pela primeira vez, ofereceremos a oficina “Resistência em Arquivo: Patrimônio, Ditadura e Direitos Humanos” ao longo de todo o ano letivo, justamente quando o Brasil todo refletirá a respeito dos 50 anos do golpe civil militar em nosso país.

2014.02.12 Agendamento de Oficinas

     A oficina Os Tesouros da Família Arquivo, construída a partir de documentos que versam a cerca da escravidão no Rio Grande do Sul, aguarda estudantes dos 6º e 7º anos. A oficina Desvendando o Arquivo Público: Historiador por um dia, que aborda o processo de pesquisa e construção do conhecimento histórico, está disponível para estudantes dos 8º e 9º anos. Já a oficina Resistência em Arquivo aguarda estudantes do Ensino Médio e da Educação de Jovens e Adultos.

     Por tudo isso convidamos vocês, professores: entrem em contato conosco e agendem oficinas para suas turmas! A agenda já está aberta, com horários disponíveis a partir do dia 25/03. O agendamento deve ser realizado pelos professores responsáveis pelas turmas, através do fone (51)3288-9117 ou do e-mail acaoeducativa@sarh.rs.gov.br

     Confira mais informações aqui, no ofício de divulgação das oficinas encaminhado hoje pela direção do APERS às escolas da rede pública de ensino do RS.

Arquivos & Diversidade Étnica: descobrindo histórias entre acervos e catálogos

Deixe um comentário

Buscando efetivar a proposta de, através da série “Arquivos & Diversidade Étnica”, lançar luz sobre documentos que auxiliem na discussão a respeito de nossa constituição étnica, evidenciando as múltiplas potencialidades das instituições arquivísticas e de seus acervos para os processos de ensino e aprendizagem em torno da temática, hoje gostaríamos de difundir instrumentos de pesquisa que são uma porta de entrada de fácil acesso aos Arquivos para todos os seus usuários, e que com certeza podem ser utilizados por educadores nos mais diversos contextos educacionais para aproximar estudantes do patrimônio documental.

Estamos falando dos catálogos seletivos, produzidos a partir da pesquisa, seleção e descrição de acervos que tratam de determinada temática. São instrumentos de pesquisa construídos com a intencionalidade de ampliar o acesso e a difusão de terminados acervos, e elaborados a partir de um minucioso trabalho em que cada documento é apresentado em sua essência informacional a partir de um verbete.

Há anos o APERS vem trabalhando com o tema da escravidão e da luta por liberdade no Rio Grande do Sul, lançando 10 volumes de catálogos seletivos que evidenciam o peso da escravidão em nosso estado, e a presença dos africanos e afrodescendentes em nossa constituição societária. Todos esses catálogos podem ser baixados de nosso site em formato pdf, e estão referenciados de forma organizada em nossa aba “Publicações”. Partindo de exemplos extraídos de um desses volumes, gostaríamos de instigar visitas virtuais e reflexões coletivas a partir dos próprios catálogos, que podem gerar o desejo de realizar visitas presenciais e pesquisas no Arquivo!

Capa Processos CrimeComo o nome já diz, no volume intitulado “Processos Crimes: o escravo como vítima ou réu”, lançado em 2010, você poderá encontrar relacionados e descritos todos os processos crimes envolvendo escravos ou libertos mapeados em nosso acervo do Poder Judiciário, em cada Comarca. Os verbetes trazem informações a respeito dos escravizados, como nome, estado civil, cor, idade, origem, profissão, filiação e nome do proprietário, além de informações sobre o crime e a conclusão do processo. A introdução do instrumento explica de maneira detalhada a forma como foi construída a descrição dos cerca de 2 mil processos, auxiliando em sua compreensão. Veja exemplos:

Exemplo verbete crime 1

Exemplo verbete crime 2

Exemplo verbete crime 3

No primeiro caso encontramos três escravos, sendo dois “de nação”, ou seja, nascidos na África, e um crioulo, nascido no Brasil. São acusados de ferir com arma de fogo e ofender o proprietário de dois deles. No segundo caso encontramos relacionados uma série de escravos, de diversas idades e origens, acusados de organizar uma insurreição, formando um quilombo. Em ambos, os escravizados aparecem como réus. São apenas dois exemplos, entre tantos outros crimes semelhantes, que expressam a revolta e a organização de indivíduos que foram escravizados. São escravos congos, nagôs, moçambiques, angolas, crioulos da província e de outras localidades do país, com diferentes profissões e idades, de diferentes senhores, que, ligados pelos laços da opressão escravista, se encontram, se identificam e se rebelam.

Já no terceiro exemplo, a menina escravizada aparece como vítima de um crime que provavelmente foi muito mais comum do que os processos recolhidos ao APERS puderam registrar, já que o abuso de mulheres escravas por parte de seus senhores e outros homens brancos era muitas vezes percebido como natural. Fato que nos faz questionar até que pontos esses crimes chegavam a juízo.

O que esses processos demonstram? Que discussões a simples problematização de seus verbetes pode gerar em sala de aula? Que dados podem ser ressaltados? Acreditamos que os crimes e a violência, em si, devem ser o foco da análise quando o objetivo é questionar as bases da sociedade escravista, da qual somos legatários. Porém, também é possível realizar cruzamentos de dados entre processos para problematizar as origens dos escravos trazidos ao RS; analisar as funções por eles desempenhadas, expressas através de suas profissões, que muitas vezes eram bastante especializadas e complexas; relacionar suas idades e o envolvimento com determinados crimes; buscar processos de crimes ocorridos na localidade em que está situada a escola, para refletir sobre possíveis marcas na memória local… Enfim, as possibilidades são muitas, e isso apenas com o “resumo” dos documentos, que podem ser facilmente acessados e lidos através da internet.

Em relação ao método de trabalho, também há diversas possibilidades, adaptáveis à realidade da sua escola e ao tempo disponível para planejamento e construção da atividade. Sugerimos que você inicie o trabalho realizando uma pesquisa prévia, “viajando” pelas páginas dos catálogos a procura de casos que se relacionem com os objetivos traçados em seu plano de aula. Em seguida, anote as páginas que pretendes trabalhar com os alunos no laboratório de informática, onde eles mesmos poderão entrar em nosso blog e baixar o arquivo com o catálogo escolhido, primeiro explorando-o de maneira geral e em seguida se direcionando às páginas indicadas por você. Caso não seja possível utilizar o laboratório de informática, é possível preparar uma apresentação com os verbetes selecionados, que pode ser projetada em sala de aula com equipamento multimídia, ou até mesmo impressa para distribuir entre todos os alunos, ou por grupos. Com certeza em qualquer desses formatos a atividade renderá debates excelentes!

Mas, se com os verbetes a aula já será ótima, imagine o que você pode propor a partir de uma visita com sua turma à sala de pesquisa do APERS, ou a partir de imagens dos documentos que podes captar em pouco tempo e levar até a escola?! Neste caso, realize a pesquisa prévia no catálogo, anote as referências dos documentos que gostarias de analisar com seus alunos, entre em contato conosco fazendo o pedido dos mesmos, para que sejam separados e fiquem a sua espera na sala de pesquisa, e em seguida opte pelo que mais se encaixar na sua dinâmica: agende a visita para o grupo, ou se organize para vir ao Arquivo e tirar suas fotos, que depois poderão ser trabalhadas com os estudantes. Visualizando os processos certamente a aula poderá se tornar ainda mais interessante.

Programa de Educação Patrimonial terá recursos externos em 2014!

Deixe um comentário

     A partir de um esforço intenso empreendido em 2013 pela equipe de nosso Programa de Educação Patrimonial, desenvolvido pelo APERS em parceria com a UFRGS, este ano poderemos contar com recursos para realizar com mais qualidade e em maior quantidade uma série de ações.

Proext  Graças ao convênio estabelecido entre APERS e UFRGS, ao reconhecimento – em especial por parte de nossos parceiros no Departamento de História – do potencial do Arquivo Público enquanto lugar de memória, de produção de conhecimento e de educação, e graças ao empenho desses que, na UFRGS, lutam para afirmar a Extensão como um dos pilares da universidade pública, gratuita e de qualidade, o Programa de Educação Patrimonial conseguiu concorrer como um Programa de Extensão junto ao Edital Proext 2014, do Ministério da Educação. Captamos R$150.000,00, que serão utilizados ao longo desse ano para publicações, aquisição de materiais, contratação de bolsistas, qualificação do curso de formação de professores e pagamento de transporte para as turmas, viabilizando o deslocamento entre as escolas e o Arquivo Público. Essa é, com certeza, uma grande conquista, já que a ausência de recursos para o transporte é uma das principais dificuldades relatadas pelos professores que desejam participar de nossas atividades. Confira nossa classificação aqui, diretamente no site do MEC.

IBRAM

   Além disso, através da Associação dos Amigos do APERS captamos recursos para expandir o Programa em um outro sentido: enviando um pedacinho do Arquivo para dentro das escolas! É o projeto AfricaNoArquivo: fontes de pesquisa & debates para a igualdade étnico-racial no Brasil, submetido ao Edital Pontos de Memória 2012, do Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM). O objetivo central da proposta é ampliar as discussões hoje suscitadas no APERS a partir da oficina Os Tesouros da Família Arquivo, distribuindo nas escolas caixas pedagógicas contendo reproduções de documentos do acervo do APERS relativos à escravidão no RS, com propostas de jogos e leituras que ajudem a problematizar as marcas da escravidão em nossa sociedade, assim como evidenciar as contribuições do povo negro. Confira aqui nossa classificação junto ao IBRAM!

     Desejamos que o reconhecimento ao nosso trabalho, expresso através da captação desses recursos, possa efetivamente ser revertido em mais benefícios e oportunidades para nossos usuários, cidadãos que a cada dia poderão tomar mais consciência da existência e do papel de instituições como o Arquivo Público do Estado.

Older Entries Newer Entries

%d blogueiros gostam disto: