Aqui estamos mais uma vez para aprender como usar os documentos do Arquivo Público do RS, digitalizados pelo FamilySearch e que se encontram disponíveis online. Lembremos que este é um processo em andamento que está em constante atualização, o documento que não encontramos hoje pode estar lá na semana que vem.

Exemplo certidão completa

Exemplo certidão completa

     Veremos hoje a Certidão de Óbito, terminando assim a trilogia do que chamamos os Registros Vitais de uma pessoa.

     As certidões de óbito disponíveis no APERS compreendem o período de 1929-1975, como os outros registros civis apresentados anteriormente, da maioria dos municípios gaúchos e seus distritos.

     Numa Certidão de Óbito vamos encontrar várias informações: o nome do falecido; a data, hora e local do óbito; a idade; o estado civil; a naturalidade; o nome dos pais, se já falecidos ou não; a naturalidade dos pais; a causa mortis, quem declarou; o dia, hora e local do sepultamento; a pessoa que declarou o óbito, o local e a data do registro.

     Algumas observações a respeito da certidão de óbito: a qualidade e fidelidade dos dados encontrados sobre o falecido nem sempre serão 100% acurados, tudo dependerá de alguns fatores, como por exemplo: quem declarou os dados, o escrivão ser meticuloso ou não.

Exemplo certidão incompleta

Exemplo certidão incompleta

     Muitas vezes o declarante do óbito não é o familiar mais chegado, pode ser um vizinho, um amigo, ou mesmo um estranho, portanto não será a pessoa que mais sabe sobre o falecido, e ao fornecer as informações ao escrivão podem acontecer coisas do tipo: pais desconhecidos ou ignorados. Isto não quer dizer exatamente que os pais do falecido eram desconhecidos ou ignorados, apenas pode ser que fossem desconhecidos ou ignorados pelo declarante.

     Já, se o declarante for um familiar ou alguém bem próximo e o escrivão for bem meticuloso, teremos a idade na data do óbito bem determinada, por exemplo: 63 anos, 2 meses e 4 dias. Também, com um pouco de sorte, podemos encontrar o nome do cônjuge, dos filhos, suas idades, se tinha bens a inventariar ou testamento.

     Espero que tenham bom proveito em suas pesquisas e na próxima oportunidade falaremos sobre as Habilitações de Casamento, um verdadeiro tesouro de informações para sua História da Família, ou genealogia, como queiram chamar!

Anúncios