Na semana passada, publicamos a primeira parte da entrevista com o professor Gabriel Santos Berute, na qual ele falava de sua experiência de pesquisa com fontes históricas custodiadas no Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul. Confira o restante da entrevista!

Uma coisa que chama atenção é que além de cruzar fontes diferentes, tu também cruzas metodologias diferentes dos teus trabalhos. Quer dizer, tu trabalhas com a metodologia qualitativa, com análise dos inventários, e ao mesmo tempo quantificou as escrituras, e tal. Então eu queria te pedir também pra falar sobre as diferentes possibilidades metodológicas do historiador e como é que isso se colocou pra ti.

No início, acabou sendo uma abordagem mais quantitativa mesmo. Eu percebo no meu trabalho de mestrado, por exemplo, o que eu consegui sobre o tráfico de escravos, que era algo que não tinha no Rio Grande do Sul, um ou outro trabalho de uma forma muito pontual utilizou parte da documentação que eu utilizei, então eu consegui fazer um trabalho que, digamos, apresentou a estrutura desse comércio. Mas de uma forma muito quantitativa. Talvez… Claro, eu só posso dizer isso com essa trajetória que descreveste, talvez eu fizesse de outra forma essa pesquisa se eu voltasse a 2004 para fazer. Mas enfim, eu fiz uma pesquisa bastante quantitativa, e aí com essas pequenas tentativas de uma abordagem mais qualitativa pra saber quem eram esses agentes envolvidos no tráfico de escravos, e é o que me dá o gancho pro doutorado, de ampliar a documentação. Que também seguiu uma abordagem bastante quantitativa, acho que ampliou um pouco a abordagem qualitativa. Como sempre, felizmente, acho que era estranho se não fosse, o projeto inicial era uma coisa e o que foi executado precisou ser adequado ao tempo, às circunstâncias. Eu pensava que inicialmente a abordagem qualitativa fosse bem mais ampla, já no doutorado. Que eu terminei não avançando, e isso se tornou possível com a extensão do trabalho pro pós-doc. Daí eu consegui realizar uma abordagem mais qualitativa, sem abandonar a quantitativa, mas é um exercício. Acho que tem muito a ver com a minha, essa formação tão marcada por abordagens quantitativas. Primeiro sinto uma necessidade de avançar uma pesquisa mais qualitativa, também pela confrontação com a bibliografia, com as metodologias que vem sendo utilizadas, e principalmente na área de, dos estudos sobre elites mercantis, sobre o comércio na América Portuguesa, em outras regiões: é uma necessidade que eu acabei percebendo, mas, eu também ao mesmo tempo, eu percebo quão difícil é isso. Como essa abordagem qualitativa exige outra… talvez dizer o mais difícil ou mais fácil não seja o correto. Talvez o sentido melhor seja…  exige outro tipo de abordagem, existe uma tensão maior, pra mim exige uma quantidade maior de documentação que permita uma reflexão mais aprofundada das relações qualitativas que dá pra estabelecer nessa documentação. Eu me lembro de um texto do João Fragoso, se não me engano um artigo “Pra que serve a História Econômica?”, em algum momento ele registra algo do tipo que “a gente não pode esquecer que atrás dos números existem pessoas”.[1] Então isso eu acho que é um guia importante pensar isso, mas ao mesmo tempo, é claro, pela minha trajetória de formação, eu ainda sinto que é necessário avançar mais nessa abordagem qualitativa. Mas, ao mesmo tempo, por perceber que ela permite perceber outras coisas, não só… Avançar no sentido de que aquela quantificação me dá uma informação importante, mas ela não diz tudo. A qualitativa também não, então elas precisam ser complementares. Ao mesmo tempo que eu sinto essa necessidade pro avanço da abordagem qualitativa, parece que muitas vezes eu sinto a necessidade também da segurança, de uma certa forma, que me traz uma abordagem quantitativa. Talvez por essa trajetória eu acabe conseguindo iniciar um processo de reflexão a partir de algo mais estrutural, que ela mesma pode ser abordada a partir de outras metodologias, e com a incorporação de outras fontes documentais também.

Gabriel, falando um pouquinho mais nessa questão das fontes pra pesquisa qualitativa, e o que dá pra fazer, mais recentemente eu me lembro de uma ocasião em que a gente tava conversando e tu me falaste de outras fontes judiciárias de interesse. Queria te perguntar então pra falar um pouco quais são e o que que essas fontes podem oferecer?

Aqui do Arquivo Público, durante o doutorado, principalmente, eu fiz várias tentativas de qualificar a análise desses comerciantes que eu via numa abordagem quantitativa. Então os diversos processos, eles aqui aparecem com algumas nomenclaturas diferentes, assignações de dez dias, processos de cobrança de dívidas, são documentações que me interessam pra justamente entender aquele dado quantitativo, por exemplo, o Gabriel deve pro Rodrigo, tá, mas deve por quê? Em que circunstâncias surgiu essa dívida? Deu problema por quê?  Tem outras documentações, processos de contestações de inventários, normalmente são bastante ricas, porque ajudam a entender as circunstâncias da morte, um grupo familiar, o que representa a morte da sua principal figura, as preocupações com a sucessão, cuidado da família, mas dos bens também, quais foram as estratégias acionadas, e a família do… Tem um dos trabalhos que eu fiz que eu andei pesquisando um grupo familiar que havia um grande comerciante na capitania, estabelecido em Porto Alegre, ele, o filho mais velho fez uma carreira jurídica bastante exitosa, chegou a Conselheiro do Império, Vice-Presidente da Província do Rio de Janeiro e as filhas fizeram, mantiveram conexão da família com o mundo mercantil. As filhas casaram com comerciantes também de destaque, e… mas é interessante que o inventário dessa família, ele se estende por muitos anos porque tem uma segunda esposa, tem outros filhos, são muitos herdeiros, filhos do primeiro e do segundo casamento, há diferenças grandes entre os filhos, então tem filho que administrou os bens do pai durante um tempo, e aí precisa prestar conta pro inventário da mãe, que se acumula com o inventário do pai, então mostra como as relações familiares acabavam por ser bastante complexas.[2] Que outras documentações eu me lembro daqui? Os processos-crime ficaram algo que sempre ficou assim “preciso olhar com maior atenção” e acabou ficando só na fase exploratória, assim. Não acabei avançando. Fui mais focado nesses processos que poderiam indicar mais claramente cobranças de dívidas, desses diversos formatos que aparecem aqui.

E o que tu tens pesquisado mais recentemente? Tens vindo pesquisar no Arquivo Público?

A última vez foi no meio do ano passado, porque eu tava buscando esse inventário que eu citei há pouco, foi uma das coisas que eu localizei no meio do ano, mas já é mais pra tentar trabalhar, cruzar com a documentação do Arquivo da Cúria, que é o registro de casamento, que tem sido desde 2012 a minha principal pesquisa. Contribuição no abastecimento do banco de dados supervisionado pela Ana Scott, da Unicamp, que é a construção do banco de dados com os três registros eclesiásticos, batismo, casamento e óbito, a princípio o objetivo é ter toda a Madre de Deus de Porto Alegre, desde a sua fundação até 1872, os três registros para a população livre e escrava. Uma documentação que o banco de dados tá sendo disponibilizado publicamente,[3] então tem todo um cuidado na hora do registro desses documentos, ser o mais fiel possível, evitar atribuições para que quem venha consultar possa ter segurança que aquele dado é fidedigno. E então sempre a volta, sempre muito prazerosa, ao Arquivo Público, é tentar ver meios de explorar mais essa documentação. E sigo tentando fazer o que eu não consegui fazer no doutorado, que foi abandonado no percurso do doutorado, que é avançar nessa análise mais qualitativa desses comerciantes. De entender suas relações familiares, claro, a partir de uma base que é quantificável, mas também prestando atenção que, tá, um comerciante que aparece com, num período em torno de vinte anos como padrinho de cinquenta crianças em Porto Alegre, isso significa o quê? Será que a relação que ele estabelecia com as famílias desses afilhados era igual entre os cinquenta? Que tipo de laços se estabelecia com essas pessoas? Se a criança foi batizada num ano, em dois ou três anos morreu, o laço com a família se rompe? Se constrói de outra forma? Eu percebi que em alguns casos os batismos se cruzam com os negócios vistos aqui nas escrituras. Parece que há um reforço permanente dos laços mercantis e familiares dentro desse grupo. Que parece bastante interessante, mas também sempre tentando buscar documentação diferente, nova, pra seguir com essa pesquisa.

Bom, então uma pergunta mais informal pra concluir a entrevista. O que que o Gabriel faz quando não tá nem lecionando nem pesquisando?

O Gabriel lê literatura, ouve música, vê TV, passeia com a companheira, fica de bobeira em casa também [risos]. É bom.

Então tá, Gabriel, muito obrigado!

[1]     O artigo de Fragoso pode ser acessado em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/2157
[2]    O trabalho “O Comendador Travassos: família e negócios na comunidade mercantil de Porto Alegre, primeira metade do século XIX.” foi apresentado no II Encontro Internacional Fronteiras e Identidades, ocorrido em Pelotas em 2014.
[3]     Pelo site http://www.nacaob.com.br

.

Clique aqui para ler a primeira parte da entrevista.

Anúncios