APERS sedia evento “haCkAFFthon”

Deixe um comentário

Entre os dias 19 a 21 de julho o APERS sediou o haCkAFFthon, concurso criado pela SEPLAG que promove uma iniciativa pioneira na gestão estadual. Teve como principal objetivo, desenvolver um aplicativo com todos os serviços para quem trabalha ou frequenta o Centro Administrativo Fernando Ferrari (Caff). Após palestras de inspiração e sobre a concepção do prédio do Caff, que reúne boa parte das secretarias de Estado, houve a contextualização de todo o processo de criação e a organização dos times.2019.07.24 hackaffthon

Os participantes tiveram a oportunidade de conhecer o conjunto arquitetônico do APERS e o acervo documental preservado pela instituição. O local de trabalho dos mesmos foram as dependências do prédio III, como a sala de pesquisa, Auditório Marcos Justo Tramontini e o Espaço Cultural Joel Abílio Pinto dos Santos.

Após dois dias de atividades, duas equipes superaram a pontuação mínima fixada em edital e irão para a próxima etapa de concepção do aplicativo que reunirá todos os serviços do Centro Administrativo Fernando Ferrari (Caff). Os times selecionados terão mais uma semana para concepção final do projeto e testes de funcionalidade da ferramenta. Estes precisarão ter suas soluções aprovadas em quesitos como abrangência funcional, design, grau de inovação e acessibilidade e automação.

Nossos servidores estiverem presentes todos os dias para o recepção e acolhimento dos participantes e equipe organizadora.

Assista o vídeo feito pela Assessoria de Comunicação do Estado: haCkAFFthon busca soluções digitais para o CAFF

Referências:

https://planejamento.rs.gov.br/final-de-semana-sera-de-maratona-digital-pioneira-na-gestao-estadual

https://planejamento.rs.gov.br/comeca-maratona-digital-no-arquivo-publico-para-desenvolver-aplicativo-do-caff

https://planejamento.rs.gov.br/maratona-digital-para-aplicativo-do-caff-tera-dois-times-na-etapa-final

Capacitação Interna: conservação preventiva em acervos

Deixe um comentário

Desde o início do ano, servidores do Arquivo Público estão trabalhando na reorganização do Núcleo de Preservação, que tem por objetivo planejar e implementar ações na área de preservação dos documentos, do conjunto arquitetônico e da segurança das pessoas que circulam pela instituição. Para isso, duas linhas serão observadas dentro da Política de Preservação do APERS: a de conservação preventiva e a de ações reparadoras.

Como atividade de conservação preventiva foram oferecidas nos dias 05 e 15 de julho uma capacitação para os funcionários responsáveis pelas atividades de serviços gerais e para os funcionários da equipe de busca e rearquivamento de documentos, e outra para os estagiários que trabalham em diversas atividades tais como classificação, avaliação, descrição, conservação, difusão documental e ação educativa.

Imagem

No total foram 41 pessoas, entre funcionários e estagiários, que receberam orientações sobre conservação preventiva. Fez parte do programa da capacitação uma apresentação institucional que pretendeu localizar os participantes quantos as atribuições e as atividades desenvolvidas no APERS; compartilhamento dos objetivos e da importância da conservação preventiva cujo propósito é retardar ou prevenir a deteriorização dos acervos; apresentação dos agentes de deteriorização (biológicos, ambientais e físicos) e discussão sobre posturas que devem ser seguidas e medidas que devem ser adotadas para evitá-los e para combatê-los.

Temos certeza de que a atividade contribui para que funcionários e estagiários do APERS se reconheçam como importantes agentes da conservação documental, que garantem o acesso futuro aos registros públicos salvaguardados pelo Arquivo.

Notícia relacionada:

Núcleo de Conservação Arquivo Público do Estado de SP – Capacitação de Servidora do APERS

Servidora do APERS participa de Curso de Conservação e Restauro de Documentos

Deixe um comentário

             Entre os dias dois de julho e três de setembro, a historiadora e servidora do APERS Nôva Brando, participou do Curso de Conservação e Restauração de Documentos Arquivísticos – Módulo Intermediário, oferecido pelo Centro Histórico Cultural Santa Casa e ministrado pela professora Maria Luisa Damiani.

foto

            Durante dez manhãs de sábado, foram trabalhados os seguintes conteúdos: 1) desenvolvimento dos procedimentos de conservação, prevenção e restauração de pasceis; 2) análise dos fatores de degradação dos documentos; 3) tratamento químico: higienização, alcalinização e noções de tratamento de documentos contaminados por fungos; 4) reestruturação de documentos em suporte papel: técnicas de velatura, enxerto, obturações, consertos; 5) noções de conservação de jornais; 6) noções de conservação de fotografias; e 7) materiais adequados para acondicionamento de acervos documentais. Além disso, foi disponibilizada ampla bibliografia para consulta, além de lista com locais onde são encontrados produtos e materiais necessários a atividade de conservação e restauro de documentos.

            Durante a capacitação, foi possível ainda, estabelecer um diálogo entre algumas necessidades do Arquivo, por meio da servidora, e os procedimentos e métodos adequados para o desenvolvimento de atividades de conservação e restauro sugeridos por Maria Luisa. Com essa notícia, o APERS segue manifestando o apoio, sempre que possível, à capacitação dos servidores públicos que nessa instituição atuam.

Notícias relacionadas:

APERS participa da Oficina de Conservação e Restauração de Documentos
Capacitação de servidora do APERS em Conservação e Restauração de Documentos

Capacitação de servidora do APERS em Conservação e Restauração de Documentos

Deixe um comentário

Imagem Blog

    No primeiro semestre deste ano, Nôva Brando, historiadora|TAC do APERS, realizou o módulo I do Curso de Conservação e Restauração de Bens Culturais com suporte em papel, couro e pergaminho na Oficina de Restauro Livro e Arte. Foram 120 horas, entre os dias 15 de março e 07 de julho, de capacitação sob a supervisão da professora Sílvia Jansson Breitsameter, conservadora-restauradora desde 1977.

    Durante o curso foi abordado a história, fatores de degradação do papel, Acidez e pH dos papéis e pigmentos da escrita. Também foram apresentados os principais papéis, materiais e utensílios empregados na restauração de documentos. Conceitos como conservação preventiva e conservação curativa, bem como a restauração foram problematizados. Também foi observado o código de ética do conservador-restaurador.

    Como exercício teórico e práticos foram trabalhados procedimentos de higienização de acervo documental, soluções adequadas para as manchas mais frequentes em documentos em formato de papel, técnicas de enxerto, obturação, reestruturação e planificação de documentos. Também foram realizados exercícios de restauração de documentos craquelados (isolamento de pigmento, velatura e laminação). Para os documentos devidamente recuperados e restaurados, suporte para armazenamento foram elaborados.

Professora Silvia e Nova     Em um segundo momento do curso, a conservação-restauração de livros foi abordada, a partir de procedimentos para higienização de livros e cuidados necessários a uma biblioteca. Na sequência, uma breve história da encadernação, fatores de degradação do livro, principais papéis e revestimentos empregados na restauração de livros e reconhecimento das partes do livro. As propostas para exercício foram a restauração de diferentes livros, atentando para capas soltas, lombadas danificadas, cantos de livros amassados ou rotos, perdas de revestimentos de lombadas e pastas, costuras danificadas, folhas soltas.

    Depois de quatro meses de curso, a capacitação da servidora para o desempenho qualificado de funções da instituição, tais como “realizar diagnósticos, planejar e desenvolver projetos de conservação preventiva e de preservação do acervo”, é indício da responsabilidade que o APERS tem com a preservação e a garantia das condições de acesso ao patrimônio documental do Estado.

Para saber mais do Curso:
Livro e Arte – Oficina de Restauro: http://restaurolivroearte.blogspot.com.br/

Após confraternização e pré-estreia entre servidores, vídeo institucional do APERS é lançado!

Deixe um comentário

     Na manhã de ontem, 15 de março, as servidoras e os servidores do APERS tiveram um momento de confraternização em comemoração ao aniversário do APERS: café coletivo seguido pela pré-estreia do vídeo institucional. Foi um momento de descontração e reconhecimento pelo trabalho de cada um para que a instituição se mantenha viva e atuante.

Este slideshow necessita de JavaScript.

     Logo após, no turno da tarde, foi a vez de lançar o vídeo para o público. Assista você também, embarque nessa visita pelo APERS e compartilhe!

 

Nova Estrutura Básica e Regimento Interno da SMARH

Deixe um comentário

     Foram publicados no Diário Oficial do Estado de hoje, novos decretos que tratam sobre a estrutura básica da Secretaria da Modernização Administrativa e dos Recursos Humanos (SMARH). São eles:

     Em relação ao Departamento de Arquivo Público (APERS) houve alterações quanto às competências do departamento, divisões e seção; descritas nos Artigos 34 ao 37 do Regimento Interno da SMARH.

     A partir desta publicação, o APERS ficou constituído da seguinte forma:

  • Divisão de Gestão Documental;
  • Divisão de Preservação, Acesso e Difusão;
  • Seção de Apoio Administrativo.

O 20 de Novembro e o APERS

Deixe um comentário

A sexta-feira da semana passada foi marcada por mais um Dia da Consciência Negra, data escolhida pela comunidade para celebrar as lutas, as conquistas, a cultura do povo negro, para discutir e denunciar a permanência de relações racializadas e racistas entre as diferentes etnias que formam a população e para reivindicar mais direitos àqueles que contribuíram decisivamente para a construção do Brasil.

Embora o APERS não tenha conseguido realizar na semana da Consciência Negra um evento sobre as diversas temáticas possíveis e desejáveis de discussão para essa data, há tempos temos problematizado a história da escravidão, da luta por liberdade e das relações étnico-raciais, no decorrer de todo o ano. Nesse, especialmente, realizamos um trabalho de fôlego que, em paralelo à realização de um curso de formação para professores e para nossa equipe sobre tais temas, reformulou a oficina de educação patrimonial Os Tesouros da Família Arquivo, que os aborda a partir de documentos aqui salvaguardados e permite entrar em contato com vestígios do passado que registram a história de pessoas que foram escravizadas no Rio Grande do Sul.

A oficina foi a primeira criada na parceria entre o Arquivo Público e a UFRGS, sendo oferecida desde 2009 no âmbito do Programa de Educação Patrimonial (PEP). Em 2015 dedicamos a ela o primeiro semestre, aprofundando a pesquisa histórica em nosso acervo para escolher novos documentos que deem conta de ressaltar a diversidade de experiências e a resistência cotidiana de sujeitos históricos muitas vezes generalizados pela categoria “escravo” ou “escravizado”.

Hoje, como forma de valorizar e difundir o trabalho realizado, e de celebrar a Consciência Negra, compartilhamos um produto especial desse percurso: as gravuras que representam os personagens presentes na documentação analisada na oficina, que foram produzidas por Bruno Ortiz, professor de história e desenhista contratado pelo PEP. Até 2014 os estudantes recebiam uma silhueta com o perfil de uma mulher ou um homem escravizados, que deveriam caracterizar desenhando e escrevendo informações coletadas na pesquisa documental, buscando dar identidade aos indivíduos, como nestas fotos:

Entretanto, ainda que os estudantes fossem incentivados a personalizar as silhuetas, e a discussão fosse canalizada para a recuperação de histórias que foram conectadas pela experiência do cativeiro, mas que tinham suas singularidades, como utilizar o mesmo perfil para retratar a Maria, identificada como tendo vindo da região do Congo, que recebia sua alforria em 1883, quando tinha “noventa anos, mais ou menos”, e a Jacinta, nascida no Brasil, que estava sendo vendida com seu marido, Vicente, e com seu filho, Fortunato, de 1 aninho? Foi na tentativa de dar identidade a estas pessoas que as novas gravuras foram produzidas, e hoje são parte do material pedagógico utilizado pelas turmas que vivenciam a oficina Tesouros. Aqui estão:

As gravuras foram produzidas a partir da caracterização feita com base na pesquisa documental, transmitida ao artista pela equipe do PEP, e também em pesquisas bibliográficas e iconográficas realizadas por ele. Documentos e imagens possibilitam debates sobre a origem de cada escravizado, condições de vida, formas de resistência e de trabalho, especialização, cultura trazida do continente africano, reorganizada desde o tráfico transatlântico e produzida no Brasil, casamento e formação de famílias, luta pela liberdade e formas de alforria, entre diversos outros temas, que contribuem para que possamos conhecer trajetórias e relações sociais, entender sua complexidade, e nos apropriar de histórias que nos constituem.

Com esta postagem não apenas celebramos o Dia da Consciência Negra, mas especialmente reafirmamos o compromisso do APERS com a difusão de acervos, temáticas e pesquisas relacionadas ao conhecimento e valorização da história de negras e negros em nossa sociedade. Nesse sentido, é oportuno destacar uma recente conquista: a partir do próximo ano 20 de novembro será feriado municipal em Porto Alegre, decisão aprovada recentemente pela Câmara Municipal de Vereadores como resposta a uma reivindicação histórica da comunidade negra dessa cidade.

De nossa parte, assumindo nossa responsabilidade enquanto instituição pública de memória, continuaremos, por meio do desenvolvimento de diversas atividades, valorizando as lutas e o legado do povo negro, e multiplicando os 20 de novembro no APERS.

Older Entries

%d blogueiros gostam disto: