PEP UFRGS/APERS abre agenda para oficinas de Educação Patrimonial em 2019!

Deixe um comentário

Imagem para post Oficinas

Você é professor(a) e gostaria de trazer suas turmas para participar das oficinas promovidas pelo Programa de Educação Patrimonial UFRGS-APERS? Então aproveite, pois está aberta a temporada de agendamentos!

Nossas oficinas fazem parte de um conjunto de ações realizadas desde 2009 na parceria entre o Arquivo Público e o Departamento de História da UFRGS, e utilizam o patrimônio documental salvaguardado pelo APERS como fonte de informações e motor para processos de ensino-aprendizagem. As três oficinas desenvolvidas são: Os Tesouros da Família Arquivo, destinada aos 6º e 7º anos do Ensino Fundamental; Desvendando o Arquivo Público: relações de gênero na história, destinada aos 8º e 9° anos do Ensino Fundamental, e Resistência em Arquivo: Patrimônio, Ditadura e Direitos Humanos, voltada para o Ensino Médio e a Educação de Jovens e Adultos (EJA).

O número de vagas é limitado. O contato para agendamentos deve ser feito pelo e-mail acaoeducativa@planejamento.rs.gov.br ou pelo telefone (51) 3288-9117. A participação é gratuita e em 2019 as oficinas ocorrerão entre 27 de agosto e 29 de novembro, sempre nas terças e quartas-feiras pela manhã, quintas e sextas-feiras à tarde. Agendamentos noturnos são possíveis, necessitando demanda e combinação específica. O número máximo de estudantes por oficina é 30. As atividades começam às 9h no turno da manhã e às 14h no turno da tarde.

Torna-se necessário informar que, devido à ausência de recursos captados externamente, não será possível oferecer transporte aos grupos.

A equipe do PEP está se preparando e aguardando as turmas escolares para mais um ano de atividades! Participe!

Anúncios

3ª Semana Nacional de Arquivos do APERS: aconteceu por aqui!

Deixe um comentário

O Arquivo Nacional (AN) e a Fundação Casa de Rui Barbosa (FCRB) promovem, desde 2007, a “Semana Nacional de Arquivos – SNA”, que se insere no calendário internacional de celebração do dia Internacional dos Arquivos (09 de junho). Essa é uma das ações previstas no Plano Setorial de Arquivos (2017-2027), elaborado pelo Colegiado Setorial de Arquivos do Conselho Nacional de Política Cultural (CNPC): uma Semana como um período dedicado a eventos de cunho acadêmico ou artístico-cultural relacionados aos arquivos de todo o país. Seu objetivo é aproximar as instituições de acervo arquivístico, ampliar a visibilidade, divulgar e inserir na sociedade os valiosos trabalhos por elas desenvolvidos.

O Arquivo Público do RS, pensando na proposta da SNA, como gestor do Sistema de Arquivos do Estado do Rio Grande do Sul – SIARQ/RS, colocou-se a missão de multiplicador desta proposta, na esfera estadual, reafirmando seu compromisso como agente arquivístico junto à comunidade gaúcha e no cenário nacional. Para concretização deste compromisso idealizado, projetou parcerias com diversas instituições detentoras de arquivos, acervos de natureza pública ou privada, para efetivação de ações e atividades que incentivassem e potencializassem a visibilidade e difusão de seus acervos documentais, na promoção de cultura, pesquisa e conhecimento à comunidade em geral.

Em 2019 o APERS inseriu-se na Semana Nacional de Arquivos com ações próprias e como articulador de inúmeras outras que ocorreram na capital e no interior, como oficinas, visitas técnicas e guiadas, sessões de cinema, palestras, mesas redondas, rota turística, júri simulado, apresentações musicais, encontros e exposições, com o propósito de agregar a participação de diversas instituições arquivísticas.

Dentro das propostas de atividades do APERS, nesse ano foram realizadas:

1- Exposições “Caminhos dos Arquivos: Nossas Histórias, Nossas Heranças”, lançada no dia 3 de junho em formatos presencial e virtual, com o objetivo de despertar no público a curiosidade de conhecer acervos arquivísticos importantes, custodiados por instituições públicas e/ou privadas, difundindo memórias, serviços, espaços de cultura e pesquisas na valorização do patrimônio documental, institucional e sociocultural. O módulo virtual conta com o site www.caminhosdosarquivos.com, composto por 43 instituições, como referencial de acervos no RS.

2- Oficina “Genealogia” – ministrada no dia 8 de junho por Caroline Acco Baseggio, historiadora do APERS, e Adriana Weber, genealogista, com o objetivo de fornecer ferramentas e metodologias necessárias ao trabalho de pesquisa, assim como o interesse no conhecimento das raízes familiares, construção de árvores genealógicas e processos para fins de obtenção de segunda cidadania;

3- “Júri Simulado: Processo Joanna Eiras realizado no dia 3 de junho em parceria entre o APERS e o Grupo de Estudos e Intervenção em matéria Penal do Serviço de Assistência Jurídica Universitária – GEIP-SAJU, do Curso de Direito da UFRGS. A iniciativa consiste na simulação de julgamento da ré Joanna Eiras, com base nos processos criminais que fazem parte de nosso acervo e do imaginário porto-alegrense e gaúcho;

4- “Rota Turística Caminhos dos Arquivos” – uma caminhada realizada em parceria com o Sindicato Estadual dos Guias de Turismo Rio Grande do Sul -SINDEGTUR/RS. A rota partiu do APERS com visita guiada, seguindo em direção à Praça Marechal Deodoro (Praça da Matriz), com explanação sobre sua história e das demais instituições arquivísticas do entorno. A caminhada seguiu em visita aos memoriais do Legislativo e do Judiciário, parceiros do APERS. Saindo da Praça, à rua Riachuelo, o próximo ponto foi o Instituto Histórico e Geográfico do RS. Descendo a rua Caldas Júnior, em direção à Praça da Alfândega, foram apresentados o Arquivo Histórico do RS e o Arquivo Municipal de Porto Alegre, finalizando em frente à Prefeitura Municipal de Porto Alegre.

Agradecemos ao Sport Club Internacional pela doação de brindes, que foram sorteados sempre ao final das atividades.

Chegamos ao final da III SNA contabilizando a participação de 43 instituições na Exposição Virtual Caminhos dos Arquivos: Nossas Histórias, Nossas Heranças, e satisfeitos pela adesão de mais de 100 pessoas que prestigiaram os eventos Júri Simulado, Rota Turística e Oficina de Genealogia. Mantêm-se para o próximo ano nosso compromisso com a preservação da memória, despertando no público o interesse pelos acervos e pela história do RS.

Acesse fotos das atividades presenciais realizadas pelo APERS dentro da III Semana Nacional de Arquivos!

Posted by Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul on Wednesday, June 12, 2019

Atividades SIARQ/RS – Maio 2019 

Deixe um comentário

SIARQ 30 Anos para Notícia Mensal

O Arquivo Público do RS, enquanto Órgão Gestor do Sistema de Arquivos do Estado do Rio Grande do Sul – SIARQ/RS, atua para efetivar a gestão documental nos órgãos do Poder Executivo. Durante o mês de maio os servidores participaram de reuniões de assessoria técnica, reuniões de comitês e grupos de trabalho, que listamos abaixo:

  • Dias 22: a Documentalista do Departamento de Estradas e Rodagens, Lívia Oliveira Job, esteve no APERS para tratar sobre orientações para implantação de políticas de gestão documental no DAER. Participantes: Cléo Belicio Lopes, Iara Gomide, Marta Helena de Araújo, Juliano Balbon e Renata de Vasconcellos (APERS).
  • Dia 22: os arquivistas Aerta Grazzioli Moscon e Cléo Belicio Lopes estiveram na Fundação de Ciência e Tecnologia – CIENTEC, para prestarem orientações sobre gestão documental do acervo da Instituição. Participantes: Marcus Vinicius Goés e Rodrigo Saraiva (CIENTEC).
  • Dia 01 a 29: Na Companhia Rio-Grandense de Artes Gráficas (CORAG), os arquivistas do APERS Juliano Balbon e Maria Cristina Fernandes participaram de dezoito (18) assessorias técnicas, para orientações e verificação das atividades de gestão documental para transferência e recolhimento de documentos.
  • Dia 30: Nas dependências do APERS foi realizada uma reunião com servidores da FEPAM com pauta da criação de Comissão Permanente de Avaliação de Documentos e outras orientações sobre o SIARQ. Estiveram presentes os arquivistas Cleo Belício e Juliano Balbon.

Em maio, o Arquivo Público analisou seis (06) Listagens de Eliminação de Documentos visando a aprovação, recebidos por processos administrativos, conforme estabelecido pelo Decreto 52.808/2015, em seu Art. 6º, parágrafo V.

E, neste mês, foram recebidos na caixa do e-mail assuntos-proa@planejamento.rs.gov.br, vinte e cinco (25) e-mails de diversos órgãos, referentes a solicitações, esclarecimentos de dúvidas com relação à atribuição de assuntos no Sistema PROA. Além desses, na caixa de correio do SIARQ/RS foram recebidos seis (06) e-mails com questões sobre gestão documental.

Para solicitar assessoria ao SIARQ/RS, visando implementar as normativas e os instrumentos de gestão documental, pode entrar em contato pelo e-mail siarq-apers@planejamento.rs.gov.br ou telefone (51) 3288-9114.

Atividades SIARQ/RS – Abril 2019

Deixe um comentário

O Arquivo Público do RS, enquanto Órgão Gestor do Sistema de Arquivos do Estado do Rio Grande do Sul – SIARQ/RS, atua para efetivar a gestão documental nos órgãos do Poder Executivo. Durante o mês de abril os servidores participaram de reuniões de assessoria técnica, reuniões de comitês e grupos de trabalho, que listamos abaixo:

  • Dias 05: o arquivista Cléo Belicio Lopes recebeu, no APERS, Evandro Rodrigues, funcionário da Seção de Protocolo e Arquivo Geral da Fundação Gaúcha do Trabalho e Ação Social – FGTAS, para prestar orientações quanto à classificação, avaliação de documentos e eliminação de documentos.
  • Dia 29: os arquivistas Maria Cristina Kneipp Fernandes e Cléo Belicio Lopes estiveram na Divisão de Outorgas do Departamento de Recursos Hídricos da Secretaria do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável – SEMA, para prestarem orientações sobre gestão documental do acervo de processos administrativos desta unidade. Participantes: Ellen Bassan Beneduzzi e Patrícia Moreira Cardoso.
  • Na Companhia Rio-Grandense de Artes Gráficas (CORAG), os arquivistas do APERS Jonas Melo, Juliano Balbon, Maria Cristina Fernandes e Silvia Soares participaram de dezesseis (16) assessorias técnicas, para orientações e verificação das atividades de gestão documental para transferência e recolhimento de documentos.

Em abril, o Arquivo Público analisou seis (06) Listagens de Eliminação de Documentos visando a aprovação, recebidos por processos administrativos, conforme estabelecido pelo Decreto 52.808/2015, em seu Art. 6º, parágrafo V.

E, neste mês, foram recebidos na caixa do e-mail assuntos-proa@planejamento.rs.gov.br, trinta (30) e-mails de diversos órgãos, referentes a solicitações, esclarecimentos de dúvidas com relação à atribuição de assuntos no Sistema PROA. Além desses, na caixa de correio do SIARQ/RS foram recebidos oito (08) e-mails com questões sobre gestão documental.

Para solicitar assessoria ao SIARQ/RS, visando implementar as normativas e os instrumentos de gestão documental, pode entrar em contato pelo e-mail siarq-apers@planejamento.rs.gov.br ou telefone (51) 3288-9114.

Conhecendo Arquivos Públicos Estaduais pelo Brasil: região Centro-Oeste

Deixe um comentário

Hoje damos sequência a nossa série de postagens a respeito dos arquivos públicos estaduais do Brasil apresentando alguns dados que ajudam a pensar sobre a realidade encontrada nos estados da região Centro-Oeste, que acolhe quatro unidades federativas, todas elas com arquivos institucionalizados em funcionamento.

Antes de partirmos diretamente ao tema, porém, gostaríamos de compartilhar uma atualização que recebemos a partir das interações com a postagem de abertura da série. Havíamos divulgado por meio de um gráfico que o estado da Paraíba estava entre aqueles que não possuem arquivo institucionalizado, mas tivemos acesso à informação de que no dia 28 de dezembro de 2018 foi publicada a Lei 11.263 que “dispõe sobre a criação do Arquivo Público do Estado da Paraíba, do Sistema Estadual de Arquivos e define as diretrizes da política estadual de arquivos públicos e arquivos privados de interesse público e social”. Sabíamos que havia uma comissão trabalhando nesse sentido e ficamos felizes pelo trabalho estar dando bons frutos. Nesse momento a nova instituição está em processo de estruturação, com a definição da sede prevista ainda para o mês de abril. Desejamos que o processo siga e que o Arquivo da Paraíba tenha uma bela trajetória!

Agora voltando nossa atenção à região que intitula nosso texto, partimos da tabela a seguir, que traz um panorama com o nome das instituições, ano de fundação, vinculação administrativa atual, endereço e contatos:

Clique na imagem para ampliar.

Um dado simples, como o ano de fundação dos órgãos, permite uma série de reflexões e a percepção da estreita relação da história das instituições arquivísticas com a história política e administrativa do país no desenvolvimento de sua ocupação territorial e transformações econômicas. Mato Grosso (MT), por exemplo, possui arquivo desde 1896, o 5º mais antigo do Brasil, enquanto Mato Grosso do Sul (MS) foi o penúltimo a ser criado, em 1987. Depois dele, apenas o novo Arquivo da Paraíba. Para entender, podemos observar que o território atual de MT é um dos mais antigos habitados no interior do país, tendo sido disputado por espanhóis e portugueses especialmente no contexto da chamada “corrida do ouro”, no início do século XVIII. Em 1719 foi fundado o Arraial de Cuiabá, elevado à condição de Vila em 1726 e de Capitania em 1748. Já o estado de MS é fruto de um desmembramento do primeiro, ocorrido somente em 1977. Logo, a estruturação administrativa, a produção documental e consequente necessidade de arquivamento podem ser percebidas como parte dessas transformações.

O caso de Goiás é interessante, provavelmente merecedor de uma pesquisa mais profunda a cerca da relação entre arquivos, memória e história: a região também participou do processo da corrida do ouro, efetivou-se enquanto capitania em 1749, teve seu território desmembrado dando origem ao estado de Tocantins em 1988, mas seu arquivo estadual é bastante recente. Ainda que a partir de um olhar breve, podemos aventar possibilidades: Goiás é um estado marcado pela história da mineração e de sua decadência, com período de estagnação econômica e populacional. Já na década de 1930 um projeto modernizador passou a ser empreendido, do qual fazia parte a chegada de uma estrada de ferro e a mudança da capital. Assim, Goiânia foi planejada e fundada em 1937, sob o signo do novo. Como podemos observar pela página do Arquivo Histórico Estadual, a partir da década de 1920 havia o Arquivo Público do Estado, que foi mantido com a criação da nova capital e vinculado à Secretaria de Justiça. Em 1961 foi renomeado para Arquivo Geral, vinculada à Administração, e na década de 1970 seu acervo considerado permanente, que data desde os tempos da capitania, deu origem ao Arquivo Histórico, ficando o Arquivo Geral identificado como arquivo intermediário, ou setorial, da Administração. Talvez o esforço de coligir acervos históricos e refundar a instituição arquivística estadual em novos moldes tenha feito parte de um anseio modernizador e identitário mais global.

Quanto ao Arquivo Público do Distrito Federal, fundado em um contexto de abertura democrática, de maior amadurecimento da arquivística no país, e em que se debatia a necessidade da gestão documental e de uma política nacional de arquivos, nasceu com uma roupagem moderna. Sua fundação recente relativiza-se quando lembramos que Brasília foi inaugurada em 1960 e a atual organização administrativa do DF foi dada apenas pela Constituição de 1988.

Também podemos observar, quanto à vinculação administrativa, que dois dos arquivos em questão estão vinculados à área da cultura (GO e MS), e dois à área da administração/gestão (DF e MT). Embora seja um tanto arriscado afirmar terminantemente – uma vez que não desenvolvemos pesquisas aprofundadas a respeito da atuação de cada arquivo em particular – parece-nos que nessa região aqueles vinculados à esfera da gestão realmente conseguem maior visibilidade no estado e apresentam-se como instituições mais fortes, sendo identificadas como centrais para implantação de políticas de gestão de documentos, enquanto os demais mantêm um perfil voltado à preservação e promoção do acesso aos documentos para pesquisa histórica.

Essa perspectiva de análise é reforçada quando pensamos a composição das equipes e as condições estruturais de trabalho. Excetuando-se o número de estagiários, que não foi possível contabilizarmos embora saibamos da importância do trabalho dos mesmos para manter ativos diversos serviços no estado, DF e MT possuem, respectivamente, 35 e 31 servidores, em sua maioria concursados, enquanto GO e MS possuem 5 e 7 servidores, em sua maioria cedidos de outros órgãos ou comissionados. Em relação à estrutura, a partir dos questionários que foi possível aplicar com historiadores lotados nesses locais, verificamos que os profissionais do DF e de MT referem boas condições gerais de trabalho (salas amplas, equipamentos, etc.), embora os prédios necessitem de intervenções físicas para tornarem-se adequados à preservação de acervos. Em Mato Grosso foi destacada a debilidade infraestrutural do prédio, construído na década de 1940 e localizado em via muito movimentada, problema que vem sendo tratado com boa gestão e esforço das equipes. Em MS a infraestrutura foi elogiada pelos entrevistados, já que recentemente o Arquivo conquistou espaço próprio em um prédio bem localizado e equipado, ainda que seja possível perceber pelos relatos que se trata de uma estrutura diminuta em termos de tamanho. Já em GO as condições de trabalho foram criticadas, já que o prédio não é adequado para ser arquivo, falta material e espaço físico.

São realidades díspares, em nenhum local a situação é ideal, mas em todos os casos encontramos profissionais atuantes, prontos a contribuir e convencidos da importância do trabalho que fazem. Evidencia-se que muito mais poderá ser feito quando o investimento na área de arquivos for compreendido pelo Estado como estratégico para a administração pública, e especialmente como um direito de toda a sociedade. Seguimos essa conversa no mês de junho. Até lá!

Notícias relacionadas:

Conhecendo Arquivos Públicos Estaduais pelo Brasil: abertura

Divulga APERS – Novidades

Oficina de leitura de documentos judiciários – Divulgação de Aceite

Deixe um comentário

Atividades SIARQ/RS – Março 2019

Deixe um comentário

O Arquivo Público do RS, enquanto Órgão Gestor do Sistema de Arquivos do Estado do Rio Grande do Sul – SIARQ/RS, atua para efetivar a gestão documental nos órgãos do Poder Executivo. Durante o mês de março os servidores participaram de reuniões de assessoria técnica, reuniões de comitês e grupos de trabalho, que listamos abaixo:

  • Dias 06 e 20: arquivistas do APERS, Jonas Ferrigolo Melo, Juliano Balbon e Renata Vasconcellos estiveram na Secretaria da Educação (SEDUC), Arquivo Central, para prestarem orientações quanto à classificação e avaliação de documentos, na organização do acervo e sobre procedimentos em relação ao PROA para a SEDUC.
  • Dia 13: servidores da Divisão de Aposentadoria Revisão de Proventos do Departamento de Administração de Recursos Humanos da Secretaria do Planejamento, Orçamento e Gestão – DIARP/DEARH/SEPLAG e do Comitê Gestor do PROA (CGPROA) estiveram no APERS, para revisão e alinhamento dos assuntos, tipos e subtipos de assuntos de classificação do sistema PROA – Processos Administrativos e-Gov. Participantes: Cléo Belicio, Denise Hogetop, Iara Gomide, Jonas Melo, Juliano Balbon, Maria Cristina Fernandes, Marta Helena de Araújo e Renata Vasconcellos (APERS); Rúbia Cristina Serrano e Leonardo Jancowski de Avila Justino (DIARP); e Flávia Rodrigues Donini Cezar (CGPROA).
  • Dia 19: a arquivista Renata Vasconcellos estive na Sede Complementar do Centro Administrativo Fernando Ferrari (SECOM/CAFF), para a realização das atividades de organização dos acervos da Companhia Intermunicipal de Estradas Alimentadoras – CINTEA, da Caixa Econômica Estadual – CEE e da Divisão de Pessoal e Desenvolvimento de Recursos Humanos do Departamento Administrativo da Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão – DIPES/DEADM/SEPLAG.
  • Dia 21: a arquivista Iara Gomide participou de reunião da Comissão Interdisciplinar de Preservação de Processos Judiciais Aptos a Descarte do Tribunal de Justiça do RS – COMINTER, onde foram definidos processos judiciais, aptos a serem eliminados, para reanálise de eliminação ou guarda permanente.
  • Dias 25 e 27: a arquivista Iara Gomide esteve no Ministério Público Estadual em reunião para tratar sobre o Plano de Salvamento do Castelo de Pedras Altas. Participantes: Rovena Zanchet, Cintia Souto, Valéria Bertotti, Eduardo Siufi, Luciane Ceretta, Evelise Neves e Estela Galmarino.
  • Dia 28: os arquivistas Iara Gomide e Cléo Belicio estiveram no 1º Batalhão de Bombeiros Militar do Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Sul para prestarem orientações sobre gestão documental. Participantes: Maj Ricardo Arrubes Tomaz.

Na Companhia Rio-Grandense de Artes Gráficas (CORAG), os arquivistas do APERS Jonas Melo, Juliano Balbon, Maria Cristina Fernandes e Silvia Soares participaram de dezoito (18) assessorias técnicas, para orientações e verificação das atividades de gestão documental para transferência e recolhimento de documentos.

Em março, o Arquivo Público analisou três (03) Listagens de Eliminação de Documentos visando a aprovação, recebidos por processos administrativos, conforme estabelecido pelo Decreto 52.808/2015, em seu Art. 6º, parágrafo V.

E, neste mês, foram recebidos na caixa do e-mail assuntos-proa@planejamento.rs.gov.br, trinta e dois (32) e-mails de diversos órgãos, referentes a solicitações, esclarecimentos de dúvidas com relação à atribuição de assuntos no Sistema PROA. Além desses, na caixa de correio do SIARQ/RS foram recebidos três (03) e-mails com questões sobre gestão documental.

Para solicitar assessoria ao SIARQ/RS, visando implementar as normativas e os instrumentos de gestão documental, pode entrar em contato pelo e-mail siarq-apers@planejamento.rs.gov.br ou telefone (51) 3288-9114.

Older Entries

%d blogueiros gostam disto: