Entrevista com Paulo Roberto Staudt Moreira – parte 2 de 4

Deixe um comentário

Na semana anterior, primeira parte da entrevista, Paulo Moreira vinha nos falando do prazer intelectual ocasionado pela pesquisa em arquivo, prosseguindo falando sobre espaços de sociabilidade entre pesquisadores que estão se perdendo e, em seguida, sobre o impacto dos processos criminais como fonte sobre sua geração de historiadores.

logo apers entrevista

Também uma outra coisa que deve ser destacada, que é geracional, é de que nesse momento na década de 1980, existe, talvez, um documento que esteja sendo salientado como foco principal, onde a gente pode encontrar essa experiência humana na história, que são os processos criminais, os documentos judiciários. O Arquivo Público conservou aqui para a gente. Então, esses pesquisadores todos, é interessante que cada um deles, com a temática diferente, eles estavam indo para uma mesma fonte e estavam encontrando nessa fonte não uma fonte monolítica, porque o documento judiciário não é isso, o documento judiciário ele é quase um dossiê, ele é um dossiê, ele é um conjunto de várias fontes que estão ali juntos, vários documentos que são costurados juntos e no final se coloca uma capinha. Então, essa coisa de acessar essa realidade histórica e essa experiência humana através dos processos crimes, eu acho que marcou muito essa minha geração, o que eu acho que é muito uma geração marcada pela UNICAMP; de novo Sílvia Lara, Chalhoub ou mesmo o João José Reis e outros caras que estavam pesquisando por aí e estavam tentando entender um pouco essa experiência humana através dos processos judiciários. E eu continuo, é uma coisa que eu não perdi ainda, o prazer de frequentar arquivo, por mim eu continuo com o maior prazer de frequentar arquivo, adoro sentar e vasculhar. Tenho encontrado experiência humana em outras fontes, obviamente, né? Tu pode pesquisar um inventário post-mortem, um testamento, uma fonte policial ou alguma coisa nesse sentido que é muito do olhar que tu vai dar para essa fonte, mas, o prazer eu continuo sentindo do mesmo jeito. Isso para mim é muito bom, acho que isso mantém o tesão que tenho ainda pela pesquisa, porque eu estou sempre inventando coisa nova para pesquisar e eu acho que se tem uma coisa que eu transmito bem é essa paixão pela pesquisa. Quando eu começo a falar as pessoas sentem e veem assim, que para mim é profissão, é político, mas é lúdico também. Para mim, isso tudo está lincado e é indissociável.

Rodrigo:

– Uma coisa que me chama atenção no teu trabalho, justamente é isso, a variedade de temas que despertam teu interesse, é saúde, é infância, é escravidão em áreas de colonização alemã… Então, queria te pedir para falar um pouco sobre qual é a fonte de tanta curiosidade intelectual.

Paulo:

– Eu acho que é uma crítica… Acho que tudo isso navega um pouco numa certa crítica política bem contemporânea, né? Acho que as minhas insatisfações políticas contemporâneas acabam condicionando também a minha visão do passado. E nesse sentido, eu acho que sou um grande privilegiado, num certo sentido. Quando eu trabalhava em arquivo – eu trabalhei 22 anos em arquivo – isso também me dava contato com gerações sempre novas de historiadores, e eu estou ligado há 17 anos a um programa de pós-graduação, durante um período político em que os programas de pós graduação cresceram, então, eu vi esse crescimento e essa estruturação dos programas de pós-graduação. Eu sou, eu fui cria disso como aluno, fiz mestrado e doutorado na Universidade Federal do Rio Grande do Sul e depois retornei professor de um programa de pós-graduação, durante 17 anos. Então, essa questão da orientação, ela também te mantém atualizado e te rejuvenesce, porque são gerações que vão chegando e que vão, e digo isso com maior a tranquilidade, mais do que você chegar e bancar o orientador e ter resposta para tudo, mas, na verdade, tu se atualiza com as orientações. 2019.07.24 PauloPorque os caras trazem novas demandas. Agora, por exemplo, eu tenho orientado muitas historiadoras ligadas a gênero, historiadoras feministas e tal, e isso tem me obrigado a atualizar, me obrigado a ler historiografias que não estava… eu sou obrigado a sair da minha zona de conforto. É um “problema” porque tu tem que estar toda hora se sentindo um pouco desconfortável, mas, por outro lado, tu se atualiza e tu te sente sempre provocado. Então, eu acho que nunca me senti num certo fim de carreira historiográfico, porque parece que sempre novas temáticas têm me provocado e eu acho que muito por essas duas coisas, uma questão de orientação, que eu tenho que me atualizar e outra por questões contemporâneas. Por exemplo, os trabalhos que fiz com a presença negra em São Leopoldo, isso para mim foi, como professor de universidade localizada no Vale dos Sinos, em São Leopoldo, eu percebia isso, ou seja, é uma região marcada pela imigração alemã, pela imigração europeia, um local que tu tem um clube negro, tu tem o clube negro em São Leopoldo, tem o Cruzeirinho em Novo Hamburgo que pertencia a São Leopoldo, tu tem uma presença negra muito grande, desde os tempos da própria instalação da colônia alemã, tem a Feitoria do Linho Cânhamo, tem uma presença escravizada, tu tem uma presença negra escravizada, mas também livre e forra, muito grande durante todo esse período, os trabalhadores dos curtumes daquela região que vão dar origem a indústria calçadista mais contemporânea, eram basicamente trabalhadores negros e essa população era praticamente invisibilizada. Então, se a gente tem uma invisibilidade da população, se a gente tinha uma invisibilidade da população negra muito extensa, em alguns locais essa invisibilidade era ainda maior. Então, trabalhar população negra nessa região com um passado escravista, para mim, politicamente, foi muito interessante. Porque esse livro que eu lancei com o Miqueias, que é sobre a presença negra escravizada em São Leopoldo, talvez tenha sido o livro que eu mais apresentei por aí, porque a editora Óikos fez questão de entrar em contato com as prefeituras municipais do Vale dos Sinos, então a gente saiu dando curso para os professores, palestras e tal, falando disso, falando para os professores que sentiam necessidade disso, eles não tinham muito material para a sala de aula. E eu acho que esses temas todos vão se desdobrando, essa questão da presença escravizada em zonas de imigração foi um pouco essa questão. No início quando eu fui para o mestrado, eu entrei para trabalhar com escravidão, meu projeto de entrada na UFRGS foi sobre escravidão, mas quando comecei a trabalhar com processos crimes eu comecei a me encantar muito pelos processos crimes, com as experiências populares e eu estava muito thompsoniano, eu nunca deixei de ser thompsoniano, eu sou muito conservador, assim, (risos) e aí eu comecei a me encantar muito por essas coisas das experiências populares. Então, o processo-crime me levou muito para isso, porque eu sou muito influenciável, as fontes me levam… É muito aquela coisa da dialética do conhecimento histórico do Thompson, eu não tenho essa de entrar com a caixinha pronta em arquivo, a minha própria dialética do conhecimento, as próprias fontes, elas vão bagunçando o meu esquema e aí, no mestrado, eu acabei trabalhando uma questão mais de populares, que é um troço que eu gostei muito de fazer. Eu mesmo tenho várias críticas ao meu trabalho de mestrado, mas eu gostei de fazer, me deu muito prazer em trabalhar com isso, de pensar Porto Alegre através de uma perspectiva “de baixo”, pensar essas questões. E aí depois que eu terminei o mestrado, em 1992 o Arquivo teve um concurso público, isso modificou muito as instituições também, porque o último grupo que entrou nas instituições tinha sido na década de 1970 e aí em 1992 nós temos o ingresso de um monte de gente. O Arquivo Público muda muito, né? E a partir de 1992 que eu entrei no Arquivo Histórico e aqui nós tivemos vários arquivistas no Arquivo Público, nesse hiato entre mestrado e doutorado eu percebi que a historiografia começou a bombar uma certa fonte que eu não tinha nunca olhado, que eram as cartas de alforria. Eu fiquei muito curioso de pesquisar essas cartas de alforria e aí, sem ter entrado ainda no doutorado e já comprando um computador, eu vinha aqui para o Arquivo quando tinha tempo livre e comecei a fichar as cartas de alforria cartoriais, foi quando eu comecei a preparar o material para aquilo que eu achava que ia ser o meu doutorado. Aquele era um momento que o Arquivo Público estava começando a mudar, porque quando eu pesquisava aqui no Arquivo Público lá atrás, tinha uma senhora que se aposentou e eu não lembro o nome dela, me lembro que era assim: a gente era atendido por essa senhora, pelo Jorge e pelo Zé Carlos, que eram os caras que nos atendiam ali. E não tinha instrumento de pesquisa, então a gente chegava aqui e tinha uns fichários antigos, mas eram uns fichários que remetiam para os documentos individuais, não para conjuntos documentais. Então me lembro quando eu cheguei aqui e dizia “Eu quero os processos criminais de Porto Alegre de 1850” e a senhora essa que trabalhou aqui, ela dizia para os guris “Subam aqui, estante tal, eles estão ali” e aí eles traziam um maço e a gente ia… “Bom, então esse aqui é o maço 58 que é de tal ano”, “então eu terminei, me dá o 59”… A gente ia pesquisando desse jeito, então a gente ia pesquisando esse tipo de coisa. Hoje em dia tu vê, o Arquivo Público tem os instrumentos de pesquisa, o grosso do acervo ele está organizado e catalogado, o Arquivo não é um arquivo morto, então a todo momento estão entrando fontes novas e refinando, hoje a gente tem um site onde tu pode fazer a pesquisa individual, a gente tem os catálogos maravilhosos. Quando eu comecei então a pesquisar, quando eu saí do mestrado, comecei a pesquisar as cartas de alforria que era algo que começou a me atiçar muito a curiosidade. Aí eu tive outras experiências, não eram só aquelas experiências dos processos judiciários, mas eram outras experiências que remetiam a outras coisas que estavam presentes também nos processos judiciários, mas que nas cartas de alforria eu acho que estavam mais, que eu via mais, que era, por exemplo, a questão familiar, a questão de um escravizado ser alforriado por grana da madrinha, ou por grana da mãe, ou por grana do pai. Então, tu percebia um certo esforço coletivo por trás daquilo, um esforço coletivo e político ainda dentro do período da escravidão, então isso me remetia a coisas muito legais. Aí então, as cartas de alforria acabaram me ajudando nesse sentido, assim, que foi quando eu fui para o doutorado e fiz um trabalho sobre a questão das alforrias em Porto Alegre nesse período. E esse trabalho das alforrias acabou crescendo depois, que é o livro que vem depois. Porque eu terminei meu doutorado, defendi meu doutorado, orientado pela Pesavento, meu mestrado foi pela Helga, aí eu fui para a Pesavento porque a Sandra estava passando de fase, assim, ela estava saindo do marxismo gramsciano dela, ela estava numa fase que estava namorando os neomarxistas ingleses e ela estava indo para uma nova história cultural, e aí eu meio que fiquei no meio termo do caminho dela; eu fiquei nos neomarxistas, nessa coisa da experiência social, namorei um pouquinho com história cultural, tem gente que fala que eu faço uma história muito sociocultural, que a história cultural acabou me dando uma sensibilidade nesse sentido; o Rodrigo [Weimer] tem a mesma sensibilidade, mas pela via da antropologia, eu acho, então, para mim, foi um pouco da via da história cultural. E depois de eu ter defendido a tese, eu fui convidado pelo Frei Rovílio, Frei Rovílio Costa, que é meu conhecido já do Arquivo Histórico, o Frei Rovílio me convidou para fazer uma palestra na feira do livro em São Leopoldo, que era justamente para dar uma mexida nessa questão da escravidão e tal. E eu fiz essa palestra e o Frei Rovílio depois me perguntou duas coisas. Ele perguntou: “Vamos publicar tua tese? Eu publico ela em livro pela EST” e eu digo “Tá, tudo bem”. A gente não tem canais de financiamento de livro, então quando a gente tem condições de colocar na rua… e aí ele disse assim: “E outra coisa, será que a gente não podia ampliar essa tua pesquisa? Será que tu não podia pensar essa pesquisa das alforrias de uma forma maior, pensando Porto Alegre, mas pegando um período meio completo das cartas de alforria cartoriais?” Daí foi que a gente começou a fazer esse trabalho. A gente conversou com o pessoal aqui do Arquivo Público que estava interessado em começar a fazer isso, em pensar essas ideias. Era um projeto que unia EST e Arquivo Público num primeiro momento e foi legal, porque o pessoal do Arquivo Público inclusive nos liberou documentos que estavam fora de acesso, alguns livros de cartório que estavam fora de acesso e tal, para mim e para a Tatiane Tassoni. A gente conseguiu pegar esses livros para fazer o levantamento das cartas de alforria, então a gente pegou do século XVIII até 1888. Isso nos possibilitou fazer, pelo menos de Porto Alegre, depois o Arquivo Público completou esse projeto fazendo as cartas de alforria do interior e por isso agente tem os catálogos aqui no Arquivo Público, que são as cartas de alforria do interior, mas não tem catálogo de Porto Alegre, porque esse projeto que a gente fez era para fazer parte desse projeto.

Clarissa Alves:

– Era, mas não foi?

Paulo:

– Eu não sei. Não sei direito como é que foi. Eu sei que deu algum desentendimento e acabou não rolando, assim, acabou a EST lançando o livro das alforrias, meu e da Tati [Tatiane Tassoni], e não ficou fazendo parte dos catálogos, mas no final das contas acho que… Quer dizer, foi uma experiência genial, foi uma experiência muito boa, sei lá, foi uma experiência muito legal de trabalhar com essa fonte que eu não conhecia.

Aguarde a terceira parte da entrevista com Paulo Moreira, na próxima semana!

APERS participa da “Oficina Memória do Mundo”

Deixe um comentário

   No último dia 30 a arquivista Maria Cristina Fernandes e a historiadora Vanessa Menezes participaram da Oficina Memória do Mundo de Santa Catarina, realizada na capital Florianópolis, no Cinema do Centro Integrado de Cultura. Esta oficina foi promovida pela Fundação Catarinense de Cultura e tinha como objetivo reunir instituições de acervo documental da região sul do país e assim orientar os possíveis proponentes a esta nominação, esclarecendo a metodologia correta de preenchimento do formulário de candidatura. A atividade foi orientada pelo historiador Carlos Augusto Didati (Coordenação Geral de Gestão de Documentos do Arquivo Nacional – Rio de Janeiro) que esclareceu as dúvidas dos participantes.

   Em 1992 a UNESCO, preocupada com conservação destes patrimônios, criou o Programa Memória do Mundo – MOW com dois objetivos específicos: o de assegurar a preservação do patrimônio documental com significação mundial e o de estimular a preservação do patrimônio documental com significação nacional e regional.

  O Programa Memória do Mundo reconhece e certifica patrimônios documentais de relevância internacional, regional e nacional.  O Comitê Nacional do Brasil, que comemora cinco anos em 2012, indica ao Diretor-Geral da UNESCO as propostas que atendem aos critérios de seleção elaborados pelo Comitê Internacional. O acervo que possuir esta certificação poderá expor em sua web site o selo do programa. Esta certificação não inclui qualquer premiação financeira, porém qualifica este acervo facilitando assim, a captação de recursos financeiros, a preservação e o acesso a este patrimônio.

  Neste encontro visualizamos as intenções de nominações de outras instituições e constatamos a presença de patrimônios de relevância nos demais estados que certamente merecem esta certificação. A oficina proporcionou-nos uma troca de experiências muito enriquecedora e serviu de estímulo para a equipe do APERS buscar, futuramente, esta valiosa certificação.

Este slideshow necessita de JavaScript.

APERS Entrevista: Joana Peregrina Hernandes

1 Comentário

 Joana Peregrina

Joana Peregrina Hernandes é arquivista formada pela UFRGS em 2011/2. Trabalha no arquivo de um escritório de advocacia há três anos. Pesquisou sobre os “Sistemas de arquivos públicos: implantação dos instrumentos arquivísticos pelo Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul”, em seu Trabalho de Conclusão de Curso. Confira a entrevista de Joana:

Blog do APERS: Joana, você poderia comentar um pouco sobre como surgiu a ideia de pesquisar sobre a implementação dos instrumentos arquivísticas o elaborados pela equipe do APERS?

Joana: no começo do sétimo semestre, quando tive de elaborar o meu projeto, ainda tinha muitas dúvidas. Queria pesquisar sobre documentação açoriana, mas é muito limitada a pesquisa. Aqui no APERS não tinha muitas fontes, e no Arquivo Histórico também não. Então esta ideia foi se fechando e eu comecei a pensar sobre o que eu poderia fazer. E a professora Marlise, da Universidade, começou a me dar dicas, e disse para eu trabalhar com o Arquivo Público. Depois de muito pensar no que eu faria, pensei em trabalhar com os dois lados profissionais: do arquivista e do não arquivista. Então, desenvolvi todo o meu trabalho tendo por base os questionamentos que envolvem o papel do arquivista, e como o não arquivista vê este profissional. Achei importante, porque praticamente não achei bibliografia que falasse. Foi bem difícil para mim. Eu tive que ler até livros de Biblioteconomia, de marketing, porque na Arquivologia as publicações sobre esta temática são poucas. Além de referenciais sobre como podemos abordar para as pessoas que não são do meio da Arquivologia, como devemos pensar em elaborar perguntas, não pensando só na parte técnica, mas pensando nos usuários. Foi pensando nisto que comecei a elaborar este projeto. Entrevistei três pessoas que não são arquivistas, e foi ótimo, porque são pessoas abertas, que me deram todo o apoio para a entrevista. E ainda consegui identificar que tem pessoas que são interessadas e que não são da Arquivologia. Foi bem interessante e bem importante para mim, que vou trabalhar como profissional da Arquivologia.

Blog do APERS: como se deu a sua aproximação com este tema?

Joana: trabalhei com o Plano de Classificação e a Tabela de Temporalidade da UFRGS, então já tinha contato com os instrumentos. Só que, claro, cada instituição funciona diferente. Então na época pensei que era importante mostrar esta visão do Arquivo Público, porque é uma instituição sobre a qual sabia pouco. Depois que pesquisei sobre a parte do histórico, comecei a entender como tudo isto começou. E esta questão dos instrumentos arquivísticos, aprendemos de uma maneira muito superficial na Universidade. Quando comecei a conversar com as pessoas, inclusive os não arquivistas, eles disseram que para eles o processo foi demorado, até que pudessem entender.

Blog do APERS: qual a importância desta vivência para tua atuação enquanto profissional?

Joana: eu queria analisar o entendimento dos não arquivistas sobre o nosso trabalho. Queria aprender a melhor forma de trabalhar com as pessoas que não são da área, os nossos clientes. Fiquei impressionada com o interesse e comprometimento dos servidores não arquivistas que entrevistei. Mesmo não sendo da área, eles têm interesse em aprender e implementar as políticas de gestão documental. Este trabalho me ensinou que eles têm dificuldade, mas que existem pessoas que gostam, que entendem a importância de preservar a documentação, que não é apenas separar por cinco anos e descartar, que não é só rasgar os papéis. Esse trabalho foi além daquilo que eu esperava.

Blog do APERS: qual a sua dica para os pesquisadores que estão começando agora a lidar com fontes primárias?

Joana: A primeira coisa é “tenha persistência”, porque às vezes temos que ter uma dose de paciência. Tu não podes desistir! Porque acaba ficando um trabalho tão legal! E a outra dica é tentar interagir com os profissionais da tua área. Não querer competir com eles, ser amigo deles, agregar. Se eu quisesse ficar competindo com alguém talvez ninguém quisesse me dar a entrevista. Ser amistoso com as pessoas, porque no final o que sobra é a tua relação profissional com aquela pessoa. Eu tive dificuldade em achar literatura, mas as pessoas com quem falei sempre me davam uma dica. Até pessoas que não estavam fazendo parte do meu trabalho me ajudaram. Então é isto: tem que ser persistente, perseverante, e tem que ter paciência, ainda mais com as pessoas que já estão há muitos anos trabalhando. Para elas muitas vezes aquele trabalho já virou uma rotina, e queremos que elas se aprofundem mais, mas elas têm medo de fazer isso, porque não te conhecem, não sabem quanto do teu trabalho aquilo vai afetar, ou vai parecer que “estou falando mal da instituição em que eu trabalho”, e não é isso. Todos os lugares têm defeitos.

Blog do APERS: nas suas horas vagas, quando não estás pesquisando, quais são os teus hobbies ou tuas atividades preferidas de lazer?

Joana: Eu gosto muito de ler, de ir ao cinema, de escutar música, coisas variadas. Não gosto de ficar muito parada dentro de casa. Acho que temos que desopilar um pouco, porque ficar só em casa ou pensando no trabalho não dá! A leitura é algo que sempre foi bom pra mim, gosto de romance policial. Sou fã da Agatha Christie, leio todos que eu posso. Sempre tive dificuldade para escrever, mas a leitura me ajudou. Até na questão do vocabulário, que vamos aperfeiçoando com a leitura. Aprender a ler é importante, porque aprendemos a interpretar.

%d blogueiros gostam disto: