Conservação do documento mais antigo do APERS: a Carta de Liberdade da negra Inácia Maria preservada há 256 anos #NovembroNegro

Deixe um comentário

Inácia Maria do Espírito Santo, de cor parda, escrava do Senhor Antônio Gonçalves Padilha, teve sua liberdade concedida na Freguesia da Capela de Viamão em 17 de junho de 1763 pelo Senhor Antônio Gonçalves Padilha, de quem foi propriedade, por conta dos bons serviços prestados e pela fidelidade. Essas são as informações registradas no documento mais antigo salvaguardado no APERS, um registro do ano de 1763 da Câmara da Capitania do Rio Grande de São Pedro (livro 1, 1763-1766, p.2).

Imagem 1

As cartas de liberdade que compõem o acervo da Câmara da Capitania do Rio Grande de São Pedro e dos Tabelionatos de Porto Alegre foram arroladas pelos historiadores Paulo Roberto Staudt Moreira e Tatiana de Souza Tassonie em um trabalho minucioso de pesquisa e de descrição documental. O resultado dele foi a publicação de Quem com seu trabalho nos sustenta – As Cartas de Alforria de Porto Alegre (1748-1888), livro lançado pela editora EST Edições em 2007. Desde lá, a obra se transformou em um dos instrumentos para pesquisa das 10.055 alforrias registradas em 361 livros cartoriais de Porto Alegre, entre os anos de 1763 e 1888 – cabe lembrar que ao mesmo tempo em que o levantamento documental das cartas de liberdade dos tabelionatos de Porto Alegre era realizado pelos autores, também estava em curso a construção, pelo APERS, do Projeto Documentos da Escravidão, que lançou dois catálogos com a descrição de alforrias registradas nos tabelionatos de cidades do interior do estado do RS, assunto tratado na entrevista com Jovani Scherer, que está sendo publicada nesse novembro e pode ser lida aqui.

Agora te convidamos a observar as imagens que fizemos da carta de alforria e também do livro ao qual ela pertence. Percebe que parte da folha da alforria e de outras páginas foram atacadas por agentes biológicos? Consegue identificar a presença de material estranho ao documento? Sim!

Então, o papel no qual foi inscrito uma passagem importante da vida da negra Inácia Maria, a conquista de sua liberdade, da condição de propriedade de si mesma como cabia ao contexto histórico de um Brasil escravista, após avaliação quanto ao estado de conservação, passou por dois procedimentos. O primeiro deles foi a recuperação do suporte, que ocorreu antes mesmo do conteúdo das cartas ser descrito nos projetos acima mencionados. Para tanto, o livro 1 do 1° Tabelionato foi todo desmontado e reconstruído parte por parte. Cada uma das 148 folhas foi recuperada por meio de velatura, técnica que utiliza papel japonês por toda a extensão do documento, a fim de estabilizar o processo de deterioração, nesse caso causada por agentes químicos, físicos e também biológicos, e reforçar o suporte. Para cada uma das folhas também foi construída uma lombada para que os documentos fossem costurados na etapa de montagem do livro, que também recebeu uma nova capa confeccionada pela equipe de encadernação com a qual a instituição contou durante muitos anos. E apesar da perda de conteúdo em muitas páginas, desde a intervenção no material, podemos considerar que hoje o livro encontra-se em estado de conservação bastante estável. O que para nós é o mais importante: preservar o suporte e as informações dos documentos para que possam ser consultados por muitas décadas, diríamos séculos – lembremos, já se passaram 256 anos desde a transação cartorial entre Inácia e Antônio.

Outra medida adotada pelo APERS para a preservação dos registros de alforria foi a digitalização e a disponibilização de suas imagens. Com apoio da Associação de Amigos do Arquivo Público e com o patrocínio do Ministério da Cultura|Petrobrás, o Projeto Documentos da Escravidão – Preservação das Cartas de Liberdade permitiu a disponibilização da imagem de 30 mil alforrias (1763-1888) pelo site do Arquivo.

Preservação cartas de liberdade

Como resultado do projeto, o pesquisador já pode acessar ao conteúdo dos documentos sem que seja obrigatório seu manuseio e à imagem sem que sejam necessários registros fotográficos individuais e sucessivos. Veja aqui como realizar a pesquisa online.

E em mais um 20 de novembro, data de comemorar as consciências, as resistências, as lutas históricas e as lutas cotidianas – as coletivas e as individuais – dos negros africanos, afro-brasileiros e brasileiros, temos a certeza de que preservar a Carta de Liberdade de Inácia não é somente uma obrigação do APERS, é sim um privilégio. Viva Zumbi dos Palmares! Viva Inácia Maria do Espírito Santo!

* Os Catálogos que serviram de referência para este texto são hoje abordados nessa outra notícia: Especial Projeto Documentos da Escravidão – Alforrias e Registros de Compra e Venda #NovembroNegro

** Atualizado em: 26/11/2019

Especial Projeto Documentos da Escravidão – Alforrias e Registros de Compra e Venda #NovembroNegro

Deixe um comentário

2019.11.20 cartas e compra e venda imagem 2 Foto Joana Berwanger Sul21

Detalhe do acervo de Tabelionatos. Prédio 1 do APERS. Foto: Joana Berwanger / Sul21

Damos sequência ao nosso especial de divulgação do Projeto Documentos da Escravidão, hoje direcionando o olhar às alforrias e registros de compra e venda. Ambos são tipos documentais que fazem parte do acervo de Cartórios e Tabelionatos do Arquivo Público do RS e que foram descritos, item a item, em verbetes que compõem catálogos publicados no âmbito desse projeto.

Como forma de descobrir as tensões entre estruturas sociais e ações subjetivas, os estudos históricos têm explorado cada vez mais as trajetórias individuais e coletivas. As escrituras de compra e venda de cativos, assim como as cartas de liberdade registradas nos cartórios de Porto Alegre e do interior do Rio Grande do Sul permitem acompanhar as pessoas escravizadas, percebendo seu trânsito entre diversos senhores ou a aquisição da alforria por meio de diversos dispositivos de negociação e resistência cotidiana que explicitam sua agência como sujeitos. Isso pode ser muito significativo, porque, como frequentemente se assumia o sobrenome senhorial na vida em liberdade, identificar de quem se havia sido escravizado pode ser de importância fundamental para descobrir os rumos tomados na vida em liberdade, por meio do acompanhamento do nome e sobrenome adquiridos.

Por outro lado, ainda há a possibilidade de estudar, a partir desses documentos, as flutuações do mercado de escravizados, especialmente em função da legislação antiescravista, trabalho que está por ser realizado, e de obter, por meio de metodologia serial e quantitativa, um panorama das modalidades de libertações ao longo das décadas, como, por exemplo, procede o historiador Paulo Staudt Moreira em seus trabalhos , discutindo a presença de alforrias gratuitas, compradas ou condicionadas à prestação de serviços, essas últimas em número crescente durante os últimos anos da escravidão.

Importante também é destacar a dimensão afirmativa de reconhecimento da humanidade, para além e nas entrelinhas da dureza documental que os reduzia a “mercadorias”, e das lutas dessas mulheres e homens por meio do acesso aos registros sobre suas vidas. Isso tem nos motivado a incentivar os usos desses documentos em processos de ensino-aprendizagem e de sensibilização que vão além da pesquisa acadêmica nas ciências humanas de modo geral. Emociona-nos, por exemplo, ver estudantes da Educação Básica manuseando-os em oficina, assim como líderes de quilombos urbanos e de pontos de cultura negra frequentando nossa Sala de Pesquisa para acessá-los em busca de vestígios sobre suas origens.

Acesse os catálogos que descrevem os tipos documentais em questão:

Importante: As alforrias de Porto Alegre encontram-se resumidas em MOREIRA, Paulo Roberto Staudt & TASSONI, Tatiani. Que com seu trabalho nos sustenta: as cartas de alforria de Porto Alegre (1748 – 1888). Porto Alegre: EST Edições, 2007.

APERS? Presente, professor! – A Experiência do Cativeiro, a Resistência e a Liberdade

Deixe um comentário

2014.11.26 Resistencia e Liberdade_BlogNesta quarta, estamos disponibilizando a décima quarta proposta pedagógica do Projeto APERS? Presente, professor! Ela está inserida dentro do eixo temático Cativeiro e Resistência – a escravidão negra no Rio Grande do Sul a partir de fontes arquivísticas e recebeu o nome de A Experiência do Cativeiro, a Resistência e a Liberdade. Tem como proposta abrir possibilidades de reflexões acerca da concessão de alforrias como uma conquista, resultante do empenho pessoal do negro cativo em lutar por ela, seja por meio do pagamento em pecúlio ou com prestação de serviços. Acesse aqui o arquivo da proposta.

Caso o professor tenha interesse em acessar uma cópia das fontes utilizadas na construção da proposta, disponibilizamos aqui um arquivo com a cartas de liberdade em separado. Para acessar as propostas anteriores, clique aqui.

Desejamos um bom trabalho.

Arquivos & Diversidade Étnica: AfricaNoArquivo II

Deixe um comentário

No dia 01 de agosto de 1835 Rita recebeu sua carta de alforria. Para muitos poderia ser apenas mais um pedaço de papel, mais uma de milhares de páginas registradas em livros de tabelionatos. Para Rita, um documento transformador, fundamental, conquistado através de muito trabalho, suor e luta. Para historiadores, estudantes, professores, pesquisadores em geral, é o registro de uma história de vida marcada pela escravização e repleta de informações e possíveis questionamentos que nos ajudam a compreender aquele período e seus desdobramentos na sociedade atual.

Rita, que vivia em Pelotas, fora ama de leite da filha de seu senhor, e era uma escrava “de ganho”, que vendia suas quitandas com a “licença” do dono. Assim conseguiu acumular pecúlio e comprar sua liberdade, por cento e tantos mil réis. A alforria foi entregue com a única “condição de nunca me faltar ao respeito devido, e a meus dessendentes”.

Pelo documento não temos como saber quantos anos ela tinha, se nasceu no Brasil ou foi trazida da África, se seguiu trabalhando para o ex-proprietário após a conquista da liberdade… Mas podemos nos aproximar um pouco mais desse passado, problematizando as relações sociais que se estabeleciam, os arranjos construídos entre senhores e escravizados, os primeiros no intuito de manter a escravidão por tantos séculos, os últimos para derrotá-la ou por amenizar sua condição de sofrimento diante do cativeiro.

A história de Rita já está registrada nesse documento, no verbete do catálogo de cartas de liberdade produzido pelo APERS, e também será compartilhada com milhares de estudantes e seus professores nas escolas públicas a partir da distribuição de caixas pedagógicas através do Projeto AfricaNoArquivo! Para aproximar-se mais dessa história, baixe as imagens da carta digitalizada e acompanhe as partes centrais de sua transcrição. Boa leitura e boa reflexão!

“Lançamento de huma carta de liberdade passada por Manoel José de Barros, a sua escrava preta, de nome Rita de Nação como abaixo se declara

Eu Manoel José de Barros attendendo ao serviço que me prestou a minha escrava Rita, de servir de ama de leite a minha primeira filha Anna Bernardina de Barros, e juntamente de me ter dado cento e tantos mil reis em dinheiro, que ganhou em quitandas com minha licença e por que a dita minha filha se interessa na liberdade da dita minha escrava. Hey por bem e de muito minha livre vontade, desde já dar-lhe a sua liberdade para todo o sempre unicamente com a condição de nunca me faltar ao respeito devido, e a meus dessendentes, e para clareza e sigurança de sua liberdade lhe passou o presente na minha residencia em Nossa Senhora da Luz aos vinte e hum de julho de mil oito centos trinta e cinco annos. Manoel José de Barros Reconheço verdadeiro a firma e letra supra por ser do próprio de que dou fé. Cidade de Pelotas primeiro de agosto de mil oito centos trinta e cinco.”

Rita p.1

Rita p.2

APERS? Presente, professor! Novo Projeto de Ação Educativa do Arquivo

1 Comentário

2014.04.30 Banner Face_Projeto APERS (1)

     O Arquivo Público do Rio Grande do Sul (APERS), além das atribuições que lhe compete na área de gestão documental, possui uma significativa trajetória na área de Difusão Cultural. Dentre as ações desenvolvidas no sentido de divulgar os acervos custodiados pela instituição, as ações educativas e pedagógicas ocupam lugar privilegiado. Em parceria com o Departamento de História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, possui um Programa de Educação Patrimonial que aproxima a educação básica e superior do mundo dos arquivos, das fontes arquivísticas e da discussão a respeito de patrimônio. De modo geral, todas as ações são desenvolvidas dentro da própria instituição, sejam elas as Oficinas de Educação Patrimonial com alunos da educação básica, sejam os diversos cursos destinados aos professores e aos estudantes de licenciaturas.

    Na intenção de darmos continuidade e de estendermos essa aproximação, elaboramos o Projeto APERS? Presente, professor! – Propostas Pedagógicas a partir de Fontes Arquivísticas. O resultado das ações previstas nele, levará um pouco do Arquivo Público até a escola e até o professor, a partir da construção de propostas pedagógicas que tenham como ponto de partida os documentos custodiados por essa instituição. Elas serão disponibilizadas em formato PDF no Blog Institucional do Arquivo nas segundas e nas quartas quartas-feiras de cada mês, de maio até dezembro desse ano.

      As propostas serão organizadas em três grandes eixos temáticos: (1) Ditadura Civil-militar no Brasil; (2) Escravidão no Brasil; e (3) Temas Transversais. O conjunto de publicações do primeiro eixo denomina-se A Resistência à Ditadura Civil-militar – das fontes arquivísticas para a sala de aula, 50 anos depois. Para a construção das propostas pedagógicas desse eixo, a equipe do projeto utilizará como fontes o Acervo da Comissão Especial de Indenização composto por processos de indenização de ex-presos políticos do período da Ditadura. Elas estarão disponíveis mensalmente no Blog, sempre nas segundas quartas-feiras de cada mês a partir de maio.

      Já o conjunto de publicações do segundo eixo, chama-se Cativeiro e Resistência – a escravidão negra no Rio Grande do Sul a partir de fontes arquivísticas. Construiremos as propostas desse eixo a partir de testamentos, inventários, documentos de compra e venda, processos crimes e cartas de liberdade, documentos sobre a escravidão que compõem diferentes acervos salvaguardado pelo Arquivo. Estarão disponíveis bimensalmente no Blog, sempre nas quartas quartas-feiras de cada mês a partir de junho.

    Para o conjunto de publicações do terceiro eixo, que recebeu o nome de A Transversalidade nas Fontes – diversificadas fontes arquivísticas para diferentes trabalhos pedagógicos, elaboraremos propostas a partir de documentos diversos de diferentes secretarias do Poder Executivo. Composto de temáticas variadas, planejaremos as propostas desse eixo, de modo que se adéquem aos temas transversais apontados nas legislações sobre a Educação Básica. Também estarão disponíveis bimensalmente no Blog, sempre nas quartas quartas-feiras de cada mês a partir de maio próximo (clique aqui para visualizar o calendário de postagens das propostas dos três eixos temáticos).

     Cada proposta pedagógica contará com texto de suporte temático para professor, texto didático-pedagógico para o aluno, fonte arquivística digitalizada, propostas de atividades a partir do texto e da fonte e sugestões metodológicas para a condução dos trabalhos em sala de aula. Ressaltamos, no entanto, que entendemos essa produção exatamente como uma proposta, cabendo ao professor o uso de sua total autonomia para avaliá-la, modificá-la e trabalhá-la em aula conforme seus princípios político-pedagógicos e seus métodos didáticos.

     É com grande satisfação que convidamos a todos, desde já, a acessar o Blog do Arquivo e a baixar as propostas que aqui serão disponibilizadas, incorporando-as ao planejamento de suas aulas, conforme seu objetivo e conforme os interesses específicos dos contextos nos quais se desenvolve o processo de ensino-aprendizagem de suas turmas.

    Professora e professor, a mochila do APERS está cheia de ideias e estamos ansiosos pelo momento de compartilhamento e de construção de conhecimentos!

APERS Entrevista: Estagiários do projeto “Documentos da escravidão no RS”

Deixe um comentário

   Hoje publicamos o último APERS Entrevista especial em homenagem aos estudantes, estagiários e historiadores! Encerramos com nossos estagiários do projeto “Documentos da escravidão no RS: preservação das cartas de liberdade” o qual visa à digitalização das Cartas de Liberdade referentes ao período da escravidão no RS, 1763 a 1888, que se encontram arquivados no APERS.

Lucas Porto Azevedo, 23 anos, estudante do 6° na UFRGS, nosso estagiário desde julho de 2012.

Marcelo dos Santos Bahlis, 21 anos, estudante do 6° na UFRGS, nosso estagiário desde julho de 2012.

Moisés Nunes Sayão, 23 anos, estudante do 7º semestre na UFRGS, estagiário no APERS desde junho de 2012.

2013.08.23 Estagiarios Cartas Liberdade Moises_Marcelo_Lucas

Moisés Sayão, Marcelo Bahlis, Lucas Azevedo

Blog do APERS: Como e porque você decidiu cursar História?

Lucas: Na verdade, inicialmente, quando eu ainda cursava o ensino médio sempre tive interesse em cursar direito. Entretanto, com o decorrer do último ano de preparação para o vestibular da UFRGS uma professora me motivou a me aventurar no campo da história e tenho como exemplo para minha formação. Além disso, o papel do professor numa sala de aula não se restringe apenas a passar conteúdo, mas também servir de exemplo e referência para o aluno, e da mesma forma que os professores que tive no decorrer da minha formação me servem ou serviram de exemplo, espero poder contribuir de alguma forma positiva na vida dos meus futuros alunos.

Marcelo: Fruto das aulas ministradas por meus professores no tempo de colégio, me despertou o interesse por estudar as relações sociais do presente e como estas se davam em tempos passados.

Moisés: A história não é nada romântica. Inicialmente, pretendia cursar Teatro ou Artes Cênicas, mas a falta de mercado me levou a repensar e escolher algo que abrisse mais possibilidades. Cheguei a considerar a alternativa de prestar vestibular para Jornalismo, mas a minha então falta de apego aos estudos me fez optar por um curso de ingresso mais fácil na Universidade. As opções passaram a ser Letras e História, mas a obrigatoriedade de estudar língua portuguesa na primeira me fez optar pela segunda.

Blog do APERS: Quais atividades você desenvolve no APERS?

Lucas: Conjuntamente com meus colegas de trabalho eu realizo a leitura, digitalização e anexação das imagens das cartas de alforria que se encontram disponíveis no acervo do APERS. Com o intuito de proporcionar aqueles que tenham interesse em utilizar esse rico material como fonte de pesquisa, ou por curiosidade quiserem observar como eram feito os registros de alforria dos escravos nos municípios do RS, disponibilizando-os digitalmente.

Marcelo: Indexação das cartas de liberdade. Com este objetivo cumprido, todos que se interessarem pelas cartas de alforria do Rio Grande do Sul, poderão acessá-las a partir do site do APERS.

Moisés: Leitura de documentos originais (cartas de alforria), digitação de dados dos documentos e anexação de cópias digitais dos documentos no sistema de Administração de Acervos Públicos.

Blog do APERS: Como avalias a importância dessa experiência de estágio no APERS para tua futura atuação profissional?

Lucas: O estágio no Arquivo Público está sendo uma experiência profissional muito enriquecedora, pois até então, nunca tinha realizado um estágio na minha área de formação. Além de me permitir lidar com fontes primárias e me fornecer experiência em minha jornada de formação como futuro historiador.

Marcelo: Além de poder estar em contato com fontes primárias da história que são as cartas de alforria, sinto que contribuo para uma maior distribuição de fontes para os historiadores. Assim, com uma ampla divulgação destes recursos, mais pessoas terão acesso ao material que antes só se encontrava no APERS.

Moisés: A experiência é importante por diversos motivos. Primeiramente, é um meio de entrar em contato constante com documentos originais referentes a um período e tema pelos quais me interesso muito, bem como de conhecer o funcionamento da instituição e as atividades por ela desenvolvidas, o que me permitiu ampliar noções como a de arquivo enquanto lugar de educação e a das áreas de atuação profissional do historiador.

Blog do APERS: Nas horas vagas quais são tuas atividades preferidas de lazer?

Lucas: Nas minhas horas de lazer sempre procuro ficar com minha família ou me reunir com meus amigos. Também, pelo fato de ser muito caseiro, geralmente costumo ficar em casa assistindo um bom filme ou seriado na TV. Ultimamente tenho procurado ler livros de ficção ou de temática histórica.

Marcelo: Esportes, filmes e músicas.

Moisés: Ler clássicos das literaturas nacional e estrangeira, ouvir músicas, assistir filmes, bater papo e ler notícias na internet, beber uma cerveja ou chimarrão entre amigos e, claro, jogar o santo futebol de domingo.

Artigos relacionados:

Especial “Projetos de historiadores”!

APERS Entrevista: Arianne Miron Chiogna

APERS Entrevista: Estagiárias do projeto “Resistência em Arquivo”

APERS Entrevista: Alexandre da Silva Avila

Mês do Arquivista: Aerta Grazzioli Moscon

10 Comentários

Aerta Grazzioli Moscon, 47 anos, natural de Santa Maria/RS, é formada no Curso de Arquivologia da UFSM em 1987 e integra o quadro de arquivistas do APERS desde 1992. Agora ela nos contará um pouco de sua experiência, confira!

     Quando estava no 3° ano de Ensino Médio fiz um teste vocacional e o resultado foi direcionado para a área de Ciências Humanas, então prestei vestibular para Arquivologia na UFSM e História em uma universidade privada de Santa Maria. Fui aprovada nos dois e optei por Arquivologia. Minha primeira aula foi com a professora Eneida (Eneida Izabel Schirmer Richter), ela era bem empolgada, eu adorei! Deslumbrei-me pelo Curso, identifiquei-me, nunca pensei em desistir! Sempre participava das viagens para congressos, visitas… A primeira vez que vim ao Arquivo Público lembro que fiquei fascinada pelas escadarias, pelo piso, pela quantidade de documentos, tirei fotos… e pensei: “Eu quero trabalhar aqui!”.

    Minha formatura foi em 1987 e no ano seguinte fiz especialização em arquivos médicos, também pela UFSM. Enquanto acadêmica fiz estágios em arquivos médicos e meu estágio curricular foi no Hospital Regional de Chapecó. Foi bem legal porque o Hospital era novo, fomos eu e minha colega que estruturamos o arquivo! Fiz alguns concursos, mas não cheguei a ser chamada… Trabalhei em um censo do IBGE, ia às casas aplicar os questionários, eu gostava! Em 1991 prestei o concurso para o Estado, meu único concurso na área de arquivo, fui nomeada em maio de 1992, logo entrei em licença gestante, retornando em setembro.

     A forma como os arquivistas do concurso de 1991 e os do concurso de 2010 entraram foi bem semelhante. Em ambos foram vários nomeados para o Arquivo e quando entramos em exercício não tinha muito direcionamento do que fazer, não havia preparação para receber tantos servidores novos. O decreto do SIARQ/RS é de 1989 e foi em função disso que os arquivistas ingressaram no Estado através de concurso. Anterior ao concurso tinha algumas arquivistas nomeadas como Cargo em Comissão na gestão do Rossato (Carlos Aléssio Rossato). Foi essa equipe a responsável pela elaboração das bases do SIARQ/RS e dentro da conjuntura da época fizeram um bom trabalho.

     Quando entrei em exercício já estavam fazendo o levantamento documental nas Secretarias, a partir deste levantamento seria feito a tabela de temporalidade do Estado. Ao retornar da licença maternidade o levantamento documental já estava em fase final, fui designada para montar a tabela de temporalidade. Naquela época o Arquivo tinha dois computadores, dois! Então eu ficava na sala de informática montando a tabela. Hoje refletindo sobre isso penso: “Uma pessoa que de experiência profissional só tinha estágios em arquivos médicos, ficou responsável por montar a tabela de temporalidade do Estado. Que insanidade!” A ideia de criar uma tabela única foi concretizada em 2008.

     Depois disso os técnicos científicos, que não estavam em função de chefia, foram divididos em três equipes: uma responsável por pesquisar a história administrativa do Estado, outra responsável pela preservação do acervo e outra por elaborar um instrumento para o acervo do Poder Judiciário, eu fiquei nessa. Para isso nós líamos os processos e elaborávamos um resumo. Esse trabalho resultou num catálogo, Cadastro de Processos, que é consultado até hoje. Eu penso que estes trabalhos foram válidos, são úteis até hoje.

     Concluídos esses trabalhos as equipes foram novamente divididas, mas agora em consonância com algumas funções arquivísticas: avaliação, descrição e preservação. Eu compunha a equipe de descrição, a qual produziu o Mapeamento do Judiciário por Município (conhecido como “Mapeamento Azul”). Para isto realizamos um levantamento no acervo, olhávamos nas estantes as Varas e o que tinha nos maços, as tipologias. Não olhamos o que tinha documento a documento porque na época optamos por proceder dessa forma para termos um instrumento em menos tempo, assim esse mapeamento apresenta algumas falhas. Depois disso fiquei afastada por dois anos em licença interesse.

     Ao retornar passei a integrar a equipe de avaliação por quatro anos. Participei da elaboração de alguns planos de classificação e tabela de temporalidade de algumas Secretarias, mas tudo demanda. Nesse período também participei da organização do acervo dos Tabelionatos, que foi um trabalho bastante exaustivo que se estendeu por alguns anos. Esse trabalho foi demandado em decorrência da reforma dos prédios I e II. Para a elaboração do índice dos tabelionatos foi realizado o levantamento por unidade documental, foi um trabalho interessante, um desafio. Tivemos que estudar toda a estrutura dos Tabelionatos, seu funcionamento, para organizá-los respeitando o princípio da proveniência. Isso foi bom, pois da forma como estava antes, classificado por municípios, os Tabelionatos foram emancipados junto com os municípios, um exemplo disso é que em determinadas ocasiões tínhamos um documento do município de Agudo, mas que na verdade ele era de Cachoeira do Sul, antes da emancipação.

   Para execução deste trabalho, pela primeira vez arquivistas e historiadores desenvolveram um projeto em conjunto no APERS. O estudo administrativo dos municípios resultou no índice e na ISAD(G) dos Tabelionatos. Outro acervo que eu gostei de trabalhar, que ficou de acordo com a teoria arquivística, foi o da Supervisão de Ordem Política e Social – SOPS/RS, que infelizmente depois de organizado, por meio do Decreto 39.680/99, foi transferido para o Memorial do RS.

     Depois disso, em 2003, assumi a chefia da DIDOC. Foi um desafio! Eu já estava aqui há 12 anos, tinha ficado afastada por dois, e pouco conhecia do Arquivo. Quando fui convidada eu disse que iria tentar, mas não sabia se ia conseguir. A diretora disse que eu podia contar com ela sempre “Tudo que tu precisares venha falar comigo porque eu conheço o acervo, o Arquivo”. E realmente conhecia. Ela fazia busca, guardava a documentação no acervo…, trabalhou em todas as estâncias do Arquivo, tem uma bagagem. Hoje eu posso dizer que conheço também, mas no momento que assumi não tinha muita noção. O meu maior medo era que um servidor ou pesquisador me solicitasse algo e eu não soubesse… Eu penso que para ser um coordenador tu tens que conhecer, ter domínio para saber orientar tua equipe e os usuários. Tive dificuldade, mas consegui, acho que me sai bem!

   Durante o período que fiquei na DIDOC tivemos conquistas: implantamos o teleatendimento, iniciamos a informatização do acervo e mudamos a forma de atendimento ao pesquisador. Nessa época estávamos reorganizando o acervo então eu procurava entrevistar os pesquisadores para ajudá-los a filtrar suas demandas. Assim auxiliava a identificar quais documentos deveria pesquisar e eu já tinha um levantamento do que ele iria pedir, antevendo as suas solicitações e os possíveis problemas de localização.

     O teleatendimento foi entre 2004 e 2005… Necessitávamos normatizar, qualificar e padronizar o nosso atendimento, e reduzir o prazo para entrega dos documentos. Para isso contamos com o apoio da equipe do DEORG para estruturar o fluxo das atividades da Divisão de Documentação. Também fizemos uma ampla campanha de divulgação nos ônibus de Porto Alegre e região metropolitana, TRENSURB, Tudo Fácil, SINE, e outros órgãos que faziam solicitações de documentos do Registro Civil. A aceitação foi boa. Teve um ano que participamos do “Ação Global” na Restinga. Foi muito gratificante, pois das solicitações de certidões mil foram localizadas e atendidas.

     Começamos a planejar a informatização do acervo em 2003, sendo a implantação do Sistema AAP em 2005. Diria que foi o projeto com o qual mais me identifiquei. Sempre falo que o pesquisador não tem que chegar aqui e dizer a localização do documento, e sim nós darmos o documento para ele. E com a informatização eu acredito que estamos conseguindo isso; hoje pela internet é possível realizar uma consulta e ver que documentos têm, para então solicitá-lo. O sistema AAP é um grande banco de dados onde é possível descrever a documentação e também anexá-la. Penso que esse foi um dos grandes projetos desenvolvidos pela equipe do Arquivo, foi um grande ganho. Até pensamos em colocar as referências de acordo com as fichas para ser mais rápidos, porém percebemos que isso seria impraticável, que era necessário checar os itens documentais antes. Elaboramos o sistema com base na ISAD(G), que era referência na época, em conjunto com a PROCERGS. O sistema foi pensado para servir aos usuários, então quando fomos decidir que acervos inserir primeiro, optamos pelos que eram mais consultados e que ainda não tinham instrumento de busca. Começamos pelos processos de habilitação para casamento.

   Claro que a mudança para o sistema causou alguns problemas, pois alguns pesquisadores possuem índices próprios e tem por costume solicitar o documento já com suas referências. Mas tem que ficar claro que o pesquisador tem que solicitar a informação e nós temos que localizar o documento que a contem, é nossa obrigação. Além disso, tínhamos problemas com os processos de habilitação para casamento, eles estavam organizados por municípios, emancipados e não por proveniência. E os pesquisadores são pessoas esclarecidas, então eles questionavam “como tem um documento de Agudo, se nesse período ela pertencia a Cachoeira do Sul?”. Tudo isso foi reorganizado no processo de informatização.

     Atualmente desenvolvo um trabalho muito legal! Coordeno o projeto “Documentos da escravidão: preservação das cartas de liberdade”, patrocinado pela Petrobrás através da Associação dos Amigos – AAAP. Eu acompanho esse projeto desde o início e é gratificante quando participamos de algo desde o início! O projeto tem duração de um ano, e a contra partida do Estado é a disponibilização dos documentos para o trabalho, infraestrutura, coordenação do projeto, acesso ao sistema AAP e a disponibilização no portal do Arquivo após a conclusão. Estamos com um bom andamento, o trabalho é executado por uma equipe de estagiários.

     Eu me sinto realizada enquanto arquivista, gosto da Instituição em que trabalho, apesar de discordar de algumas atitudes. Questiono-me bastante sobre o andamento das coisas, se poderia ter feito mais… A estrutura do serviço público é complicada, muitas vezes dependemos de outras pessoas, é preciso ser persistente, questionar… O difícil me fascina, mas nem todos pensam assim, por isso que na esfera pública tudo é lento ou estagnado.

     Enquanto servidora do Arquivo muitos acontecimentos me marcaram: a reforma do Arquivo, participei das comemorações aos 100 anos, organização da SOPS e Tabelionatos… Sinto orgulho de trabalhar aqui, foi um sonho realizado. Quando não estou no Arquivo, gosto de ler bons livros, assistir filmes, fazer tricô, compras… adoro sapatos, bolsas e relógios! Curto cuidar da minha casa, sou super família!

Older Entries

%d blogueiros gostam disto: