Participe da III Semana Nacional de Arquivos!

Deixe um comentário

Cartaz ASCOM III SNA 1

APERS participará da 3ª Semana Nacional de Arquivos

Deixe um comentário

Os arquivos representam espaços de memória importantes para a história de um lugar. Em seu interior residem vozes, muitas das vezes destoantes, que trazem à tona um passado complexo e multifacetado, revelando as experiências e percepções de indivíduos e/ou grupos sociais em seus vários loci de sociabilidade. Pela natureza histórica que adquirem com o passar do tempo, somado ao caráter comprobatório da documentação, os arquivos e coleções documentais constituem patrimônio cultural, sendo sua preservação e salvaguarda responsabilidade tanto do poder público quanto da população em geral. Somado a isto, os arquivos ainda podem ser articulados como instrumentos auxiliares para a promoção dos direitos sociais e fundamentais de cada cidadão e/ou de grupos específicos, servindo como munição contestatória em processos e ações que venham de alguma maneira ferir os direitos inalienáveis definidos na Declaração Universal dos Direitos Humanos, que completa 70 anos em 2019. (ANPUH, 2019)[1]

Vem aí a 3ª Semana Nacional de Arquivos, que acontecerá entre os dias 3 e 8 de junho de 2019. Este evento é promovido nacionalmente pelo Arquivo Nacional e pela Fundação Casa de Rui Barbosa, em comemoração ao Dia Internacional dos Arquivos: 9 de junho. O tema desta edição, proposto pelo Conselho Internacional de Arquivos, é: Desenhando Arquivos.

Esta iniciativa visa a dedicação de um período para realização de eventos de cunho acadêmico ou artístico-cultural relacionados aos arquivos, a fim de aproximar as instituições da sociedade, aumentar sua visibilidade e divulgar os acervos, serviços e instituições arquivísticas, centros de memória e de documentação, e demais entidades que abrigam acervos documentais. A Semana Nacional de Arquivo compreende, portanto, como um instrumento de acesso à informação, “de modo a apoiar o cidadão na defesa de seus direitos e a incentivar a produção de conhecimento científico e cultural – uma das funções dos arquivos”[2].

Neste ano, o Arquivo Público realizará nova edição da exposição Caminho dos Arquivos, em seus formatos presencial e virtual, as quais serão lançadas no dia 3 de junho. Trata-se de uma parceria entre o Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul – APERS e o maior número possível de instituições gaúchas custodiadoras ou detentoras de acervos arquivísticos, de natureza pública ou privada, em uma ação conjunta de exposições temáticas, coletivas, participativas e temporárias, de formatos presencial e virtual, denominada “Caminhos dos Arquivos: Nossas Histórias, Nossas Heranças”, traçando suas localizações como caminhos a serem percorridos para completar a observação de todos os documentos expositivos, como forma de guiar o público para conhecer os acervos e serviços de cada Instituição participante, assim como uma forma de estímulo à visitação das mesmas. São mais de 40 instituições participantes, situadas na Capital e em muitas cidades do interior do Estado. A edição virtual poderá ser conferida, a partir do dia 3 de junho, pelo site www.caminhosdosarquivos.com.

Também será realizado o júri-simulado, no dia 3 de junho, às 14h, no Auditório do Arquivo Público do Estado (na rua Riachuelo 1031, Centro Histórico, Porto Alegre/RS) do processo de Joanna Eiras, em parceria com o Serviço de Assistência Jurídica da Faculdade de Direito da UFRGS. Assim como a oficina de Genealogia, ministrada por Israel Boff e Adriana Weber, realizada no dia 8 de junho, às 9h, no auditório do Arquivo Público do Estado (rua Riachuelo 1031, Porto Alegre/RS); e a 1ª edição “Rota Turística Caminhos dos Arquivos”, a qual contará com guia de turismo, iniciando com a visita ao Arquivo Público do RS, após à Praça da Matriz, com visita ao Memorial da Assembleia Legislativa RS e Memorial do Tribunal de Justiça RS, seguindo para o Instituto Histórico Geográfico do RS, descendo em direção da Praça da Alfandega, com Arquivo Histórico RS, e ao Arquivo Municipal de Porto Alegre, finalizando em frente à Prefeitura Municipal. Para inscrever-se clique aqui.

Confira a programação completa aqui.

Atualizado 31.05.2019

APERS na mostra Exercícios de Convivência

Deixe um comentário

O Arquivo Público do RS foi cenário para uma obra da intervenção urbana “Cidade Compartilhada” do artista Marcelo Monteiro que integra a mostra “Exercícios de Convivência”, de curadoria de Bruna Fetter, que faz parte das comemorações dos 247 anos da Cidade de Porto Alegre.

A proposta do artista foi fotografar espaços públicos que considera especiais ou que foram decisivos na sua formação enquanto cidadão e artista. Em cada foto convidou um profissional do local ou que tivesse um vínculo com aquele ambiente em sua atividade.

No caso do APERS, o convidado foi o historiador Marcelo da Cruz Cortes, nosso estagiário entre 2009 e 2010, no projeto “Documentos da Escravidão no Rio Grande do Sul” o qual resultou na publicação dos catálogos seletivos: Cartas de Liberdade, Compra e Venda, Processos Crime, Inventário e Testamentos.

Também participam das obras do artista: a bibliotecária Renata Borges na Biblioteca Pública Municipal Josué Guimarães; a técnica em cultura Márcia Beatriz dos Santos Bamberg no Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo; o projecionista Adair José Severo de Souza na Cinemateca Paulo Amorim; e o jornalista Domício Grillo no Museu da Comunicação Hipólito José da Costa.

Fique atento e contemple as obras pelas ruas da cidade!

Núcleo de Ação Educativa do APERS: balanço de 2018 e perspectivas para 2019

Deixe um comentário

    O Núcleo de Ação Educativa do Arquivo Público tem se organizado a partir da consolidação na instituição de ações no âmbito da difusão em arquivos e dos usos educativos de seu patrimônio documental e arquitetônico. Vinculado à Divisão de Preservação, Acesso e Difusão (DIPAD), no último período tem contato com uma servidora formada em História e três estagiários também da História.

     Em 2018 as principais atividades desenvolvidas pelo Núcleo organizaram-se em torno do Programa de Educação Patrimonial UFRGS-APERS, que realiza oficinas para turmas escolares e formações para professores em parceria entre o Arquivo e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul, e da Jogoteca Educativa do APERS, projeto que visa a criação de jogos a partir do acervo e do patrimônio cultural em geral.

1. Construção da Jogoteca Educativa do APERS

Apostando no potencial dos jogos como ferramentas didáticas lúdicas, decidimos produzir jogos autorais que mobilizem documentos do APERS, o universo dos arquivos e do patrimônio cultural. O projeto envolve leituras, pesquisa, escrita, criatividade e produção “caseira” de tabuleiros, cartinhas e demais materiais de cada jogo.

As pesquisas para início da atividade iniciaram ainda em dezembro de 2017, envolvendo apropriação em relação ao uso de jogos em processos de ensino-aprendizagem, visita à Ludoteca da Faculdade de Educação da UFRGS, buscas pela internet a respeito de ações similares, etc. Em maio de 2018, o projeto foi lançado com o painel “Documentos e Jogos no Ensino de História”, realizado como parte da programação da 2ª Semana Nacional de Arquivos. A partir daí foram criados dois jogos: Caso X: investigando um crime da ditadura em Porto Alegre – inspirado no jogo “Detetive” da Estrela; ambienta-se no período da ditadura civil-militar e convida os jogadores a desvendar um crime ocorrido em um dos lugares de memória marcados pelo regime na cidade; trabalha a partir do acervo da Comissão Especial de Indenização, salvaguardado pelo Arquivo, e Enigmas do Patrimônio – mescla resolução de charadas com a dinâmica de jogo da memória; trabalha conceitos do campo do patrimônio cultural e das instituições de memória.

Ainda no âmbito desse novo projeto outras ações foram importantes: como pode ser acompanhado em notícias anteriores aqui no blog, nossa equipe participou de diferentes eventos divulgando a jogoteca e sua primeira criação. Também servimos como campo de estágio para dois estudantes da disciplina Estágio de Docência em História III – Educação Patrimonial, oferecida na Faculdade de Educação da UFRGS. Gustavo Ziehl e Carlos Casara, a quem agradecemos muito pela colaboração – estiveram 40 horas conosco participando de visita ao APERS e apresentação de suas atividades educativas, leitura e discussão de textos sobre educação patrimonial e jogos no ensino, realização de rodadas de teste do Caso X, contribuição na produção de seus materiais, contato com escolas para agendamento da atividades-piloto e, enfim, visita ao Instituto de Educação Flores da Cunha, à Escola Imperatriz Leopoldina e à Escola Oscar Pereira para aplicação do jogo, que teve excelente repercussão entre professores e estudantes.

A partir de maio de 2019 tanto o Caso X quanto o Enigmas do Patrimônio estarão disponíveis para locação por professores e professoras, que deverão cadastrar-se junto à Jogoteca, retirar e fazer a devolução dos materiais com a equipe de Ação Educativa. Informações pelo e-mail: acaoeducativa@planejamento.rs.gov.br.

2. Sequência às ações do Programa de Educação Patrimonial UFRGS-APERS (PEP)

Nossa parceria com o Departamento de História da UFRGS, especialmente na pessoa da prof.ª Carla Simone Rodeghero, segue firme apesar de não termos tido acesso a editais externos para captação de recursos no último período – a exemplo do PROEXT, com o qual fomos contemplados em anos anteriores, mas que desde 2016 deixou de ser aberto. Contando com nossa equipe interna e com bolsistas contratados com recursos da Pró-Reitoria de Extensão da UFRGS, cuja atuação concentramos no segundo semestre para dar conta da realização das oficinas sem alterações que desqualificariam a proposta.

Na 2ª metade do ano que passou reabrimos a agenda de oficinas para as escolas, ofertarmos nova capacitação de oficineiros, voltada aos estudantes da já referida disciplina de Estágio em Educação Patrimonial, e realizamos um evento especial de encerramento das atividades do ano.

Quanto à capacitação, organizada em 40 horas, envolveu encontros para apresentação das oficinas “Tesouros da Família Arquivo” e “Resistência em Arquivo”, encontros preparatórios para leitura, estudo e debate de seus materiais, observações das duas oficinas sendo realizadas por nossa equipe, e seis práticas de oficinas para cada um dos estudantes mencionados, de acordo com o agendamento das escolas. Agradecemos a Guilherme Pires Nunes, Ignacio Angues, Julien Mello, Mariana Silva, Paula Ribeiro e Pedro Henrique Bastistella por terem se somado ao grupo do PEP, contribuindo com o oferecimento e qualificação de nossas oficinas.

Sobre as oficinas, em junho iniciamos o agendamento para as turmas escolares, processo que seguiu ao longo de quase todo segundo semestre, já que a agenda é bastante dinâmica. As visitas ocorreram entre 21 de agosto e 06 de dezembro, em um total de 39:

  • 01 oficina com aplicação dos jogos África No Arquivo e Caso X (para turma do curso de Museologia da UFRGS, disciplina Educação em Museus);
  • 10 Tesouros da Família Arquivo, para 6º e 7º anos do Ens. Fundamental;
  • 05 Desvendando o Arquivo: relações de gênero na história, para 8º e 9º anos do Ens. Fundamental;
  • 23 Resistência em Arquivo: patrimônio, ditadura e direitos humanos, para 9º anos e Ensino Médio.

Entre as oficinas “Resistência em Arquivo” realizadas vale destacar a oferecida no dia 17 de julho, dentro da programação do X Encontro Nacional Perspectivas do Ensino de História, a convite da organização do evento.

Já a respeito do evento de final de ano, foi uma alegria fechar as atividades de 2018 recebendo no Arquivo, no Dia Internacional dos Direitos Humanos, pessoas a quem respeitamos muito: Cláudio Weyne Gutierrez, Ignez Maria Serpa e Nilce Azevedo Cardoso compuseram a mesa “Vozes que não se calam! Direitos Humanos, Democracia, Liberdade”, realizada na tarde de 10 de dezembro, momento em que compartilharam suas histórias de luta contra a ditadura com servidores do APERS, equipe do PEP, professores e estudantes que lotavam nosso auditório. Seus processos de indenização fazem parte do acervo e são utilizados durante a oficina Resistência em Arquivo.

3. Perspectivas para 2019

Nossa atuação em 2019 terá uma organização similar à dos anos anteriores, mesclando ações vinculadas ao PEP (com a UFRGS) e iniciativas educativas do APERS.

Nessa primeira metade do ano já estamos envolvidos com atividades internas, como a retomada da divulgação e distribuição da caixa pedagógica AfricaNoArquivo, e a realização de pesquisas para atualização da oficina Resistência em Arquivo, que foi criada em 2013 e desde então, além da renovação física de seus materiais, não teve inserção de novos documentos ou conceitos. Ainda no 1º semestre, pretendemos criar mais um jogo educativo, dessa vez trabalhando conceitos arquivísticos; organizar nova edição do curso de formação para professores, que será realizado ainda esse ano; e produzir o 2º volume da publicação “PEP em Revista” (clique aqui para acessar o Vol. 1).

A partir de junho retomaremos o agendamento de oficinas, em julho voltamos a rearticular a equipe recebendo bolsistas da UFRGS, em agosto iniciamos o processo de capacitação de oficineiros, e no final de agosto abrimos as portas para as turmas!

Agradecemos a todas e todos que participaram das ações educativas do APERS em 2018! Cada momento partilhado com professores e estudantes dão sentido à nossa existência enquanto instituição pública. Também agradecemos a toda a equipe que se dedicou nesse último período para manter o PEP UFRGS/APERS em funcionamento:

  • Carla Simone Rodeghero (Professora Dep. e PPG em História, coordenadora do Programa de Extensão junto à UFRGS),
  • Clarissa Sommer Alves (Téc. Assuntos Culturais/Historiadora APERS),
  • Elincoln Lucas (Bolsista UFRGS),
  • Gustavo Ziel (Estagiário APERS),
  • Jéssica Gomes de Borba (Estagiária APERS),
  • Laryssa Fontoura (Estagiária APERS),
  • Marina Alburgeri (Bolsista UFRGS),
  • Paulo Fasolo Klein (Estagiário APERS),
  • Thiago Frazzon Arend (Bolsista UFRGS).

    Que 2019 seja um ano de muita produção criativa e realizações que contribuam para valorizar a área de arquivos e a educação em nosso país. Venham conosco!

“História, Arquitetura & Arquivo”: comemoração dos 113 anos do APERS

Deixe um comentário

     Sob a temática do conjunto arquitetônico, construído no início do século passado para ser um arquivo, a tarde do último dia 12 de março foi de comemoração no Arquivo Público do Estado. Os 113 anos da Instituição foram comemorados em evento, no qual a Diretora Aerta Grazzioli fez a abertura e o lançamento do segundo módulo da Galeria de Diretores do APERS, que contempla os gestores dos anos de 1959 até 1987 (clique no link para acessar).

    Na sequência teve a Mesa Redonda “APERS: Conjunto Arquitetônico no tempo e a Utilização de seus Espaços”, onde a arquivista Carmen M. Merlo e a arquiteta Samantha Sonza Diefenbach palestraram sobre suas dissertações “O Palácio de Papel: cem anos do Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul (1906-2006)” e “Affonso Hebert: ecletismo republicano no Rio Grande do Sul”, respectivamente; e o professor Günter Weimer proferiu sobre “A Arquitetura do Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul”, para uma plateia que praticamente lotou o auditório.

    Logo após, houve a apresentação do “Coro Jovem da OSPA”, que interpretou clássicos e finalizou sua apresentação com o “Parabéns a você”, seguida de confraternização, com direito a bolo e espumante.

    Por fim, foi lançada a exposição “APERS: Conjunto Arquitetônico no tempo e a Utilização de seus Espaços” que reúne fotos e documentos que ilustram nossa história. Lembrando que a exposição pode ser conferida até o dia 29 de março aqui no APERS (Rua Riachuelo, 1031, Centro Histórico de Porto Alegre), no espaço Joél Abilio Pinto dos Santos, de segunda a sexta, das 8:30 às 17 horas.

    Estiveram presentes no evento: servidores e ex-servidores do APERS, os subsecretários Marcelo Alves (Gestão) e Barão Mello da Silva (Planejamento e Orçamento), e diretores de departamentos da Secretaria do Planejamento, Orçamento e Gestão (SEPLAG); o presidente da Associação dos Amigos do Arquivo Público (AAAP), Anderson Portella, e integrantes da diretoria, e o público geral que justifica a perpetuidade de nossa instituição.

Confira fotos do evento neste álbum em nossa página do Facebook (clique para acessar)!

Mesa-redonda “Apers 113 anos: Arquitetura e Patrimônio”

Posted by Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul on Wednesday, March 20, 2019

.
Notícias relacionadas:
113 anos Arquivo Público RS: História, Arquitetura e Arquivo
GOVERNO DO ESTADO DO RS. Arquivo Público do RS comemora 113 anos com exposição arquitetônica. 10/03/2019. 
GAÚCHA ZH. Arquivo Público do Rio Grande do Sul comemora 113 anos com exposição aberta ao público. 10/03/2019. 
SECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO. Comemoração dos 113 anos revisita a história arquitetônica do Arquivo Público. 12/03/2019.
BAND Cidade. Histórias e mistérios do Arquivo Público do Estado. 12/03/2019.

113 anos Arquivo Público RS: História, Arquitetura e Arquivo

Deixe um comentário

Older Entries

%d blogueiros gostam disto: