“Descobrindo o Acervo do Arquivo Público: Repressão à Umbanda na Cidade Baixa de 1940” agora é exposição virtual! #NovembroNegro

Deixe um comentário

Cartaz abertura Exp Virtual

Para marcar o mês da Consciência Negra no APERS trouxemos para o blog a edição de novembro do projeto Descobrindo o Acervo do Arquivo Público com a exposição “Repressão à Umbanda na Cidade Baixa de 1940“, que foi apresentada fisicamente no Espaço Cultural Joel Abílio Pinto dos Santos entre os dias 05 e 14/11, e agora transforma-se em uma exposição virtual.

Selecionamos em nosso acervo o processo criminal contra Laudelino Manoel de Souza Gomes, oficial reformado da Marinha brasileira e líder de duas casas de umbanda em Porto Alegre – nas ruas Lima e Silva e Lobo da Costa. Laudelino foi denunciado, em 28 de janeiro de 1943, por prescrever homeopatia e dar passes, diagnosticar moléstias e exercer ilegalmente a farmácia. Foi acusado de enriquecer ilicitamente a partir do ofício de curandeiro. Sua fé era indicada como “mixto de catolicismo e cultos africanos”.

Em seu depoimento o réu afirma que liderara um templo em São Luiz, no Maranhão, e que era professor de física, português, aritmética e inglês. Sustenta que o atendimento prestado era gratuito e que sua casa praticava a caridade. A peça apresentada em sua defesa apelava à liberdade religiosa e à legitimidade da umbanda como confissão, alegando a antiguidade de sua prática no Brasil.

Ele foi condenado a seis meses de detenção, mas apelou da sentença e pagou Cr$ 1.000,00 como fiança para responder em liberdade. Ao fim das contas, no dia 3 de dezembro de 1943, foi suspensa a execução de sua pena.

imagem blog laudelino

Detalhe de fotografia à folha 43: altar no Abrigo Francisco de Assis

O Estado brasileiro frequentemente perseguiu as religiões afro-brasileiras sob diversas alegações. Para refletir a respeito, trazemos um processo-crime como fonte primária para análise e discussão sobre seu conteúdo: explicita-se que o objetivo era mesmo denunciar o exercício ilegal de determinada profissão, ou verificamos que há outros olhares incidindo sobre a acusação pelo local ser uma casa onde a religião Umbanda se fazia presente? O incentivo a que se lancem novas abordagens aos documentos salvaguardados pelo APERS estende-se às relações sócio-cultural travadas em nosso cotidiano, muitas vezes amparadas em preconceitos historicamente construídos que repercutem em nossa atual sociedade.

 

A sequência de imagens a seguir é uma seleção de 23 páginas do processo:

 

Para acessar o documento digitalizado na íntegra, clique aqui.

 

2019.11.05 Laudelino - local

Localização da casa de Laudelino Manoel de Souza Gomes

 

Ficha técnica:

  • Pesquisa documental e textos: Rodrigo de Azevedo Weimer
  • Concepção e montagem: Iara Gomide e Marta Helena Araújo
  • Arte: Luís Otávio Martins
  • Colaboração à exposição virtual: Clarissa Sommer e Juliano Balbon

Exposição virtual “Caminhos dos Arquivos – Nossas Histórias, Nossas Heranças”: arquivos de Erechim, Esteio e Passo Fundo

Deixe um comentário

“[…] a construção da memória está estreitamente vinculada ao acesso à informação, que por sua vez está vinculada à organização dos seus suportes materiais.” (PEREIRA, 2011, p. 20)1.

Chegamos à quarta edição da série de postagens mensais sobre o Programa Caminhos dos Arquivos, no qual consta o projeto de exposição, em módulo virtual, denominada “Caminhos dos Arquivos: Nossas Histórias, Nossas Heranças”. Hoje destacaremos instituições de Erechim, Esteio e Passo Fundo, compartilhando seus serviços e trajetórias:

Erechim

Arquivo Histórico Municipal Juarez Miguel Illa Font (Erechim) – agrega informações desde o início da colonização do Alto Uruguai Gaúcho. É o órgão responsável pela custódia, conservação, processamento técnico e divulgação de valioso conjunto documental constituído de textos, fotografias, mapas e plantas produzidos pela administração pública municipal desde o início do século XX até a atualidade. Entre outros registros significativos para a história da cidade e demais municípios da região do Alto Uruguai, também encontra-se disponível acervo de depoimentos orais e fundos documentais particulares. Esses fundos e coleções são fruto de incorporações resultantes de doações de arquivos pessoais e de família e de extinção de órgãos ligados ao comércio, indústria, hospitais, e vários segmentos econômico-sociais. Tendo como meta ampliar o acesso público ao acervo, o Arquivo está em constante processo de catalogação, com a criação de base de dados específica para seus conjuntos documentais. O acervo do arquivo é de reconhecido valor probatório e histórico-cultural, além de constituir-se em registro da memória local e testemunho do cotidiano da cidade. Destaca-se a grandiosa contribuição acadêmica que este espaço fornece aos pesquisadores, resultando em diversas dissertações e teses apresentadas nas mais renomadas instituições de ensino superior do Brasil. Assinalamos, também outros projetos desenvolvidos pelos profissionais do Arquivo, tais como a Colonização de Erechim, História Oral, Práticas em Arquivos, Divulgando Monografias e Seminário de História Regional.

Endereço: Avenida Pedro Pinto de Souza, nº 100, Erechim/RS.

Horário de Funcionamento: das 8h às 11h30min e das 13h30min às 18h.

Contatos: (54) 3522 9284 – arquivoerechim@gmail.comFacebook – Instagram

Esteio

Arquivo Público Municipal Terezinha Laci dos Santos (Esteio) – de responsabilidade da Secretaria Municipal de Administração, possui denominação em homenagem a Terezinha Laci dos Santos. Nascida em 1949 em Viamão, Terezinha foi admitida como servidora do Município de Esteio em 3 de abril de 1984, no cargo de auxiliar de escritório. Trabalhou em diferentes setores, até ingressar no Arquivo Municipal, onde ficou lotada entre 1995 e 2009, ano de seu falecimento, exercendo, por último, a função de chefe de seção de comunicação e arquivo. A servidora dedicou-se ao trabalho de organização, guarda e conservação da documentação do Município, mesmo com a precariedade das instalações, contribuindo para que muitos documentos pudessem ser preservados até hoje. Considerado um dos setores fundamentais para o andamento da gestão pública, possui documentos com as principais informações a respeito dos recursos humanos, financeiros e de patrimônio, desde a criação do município. O Arquivo atende, principalmente, solicitações internas de documentos por servidores da Prefeitura. Os pedidos externos, que ingressam via Ouvidoria da Administração Municipal, também são respondidos, dentro do previsto pela Lei Federal nº 12.527, mais conhecida como Lei de Acesso à Informação. A partir de 2016, com a promulgação da Lei Municipal 6.403/2016 cria-se o SISMARQ – Sistema Municipal de Arquivos, onde define-se responsabilidades e procedimentos técnicos para o Arquivo. As solicitações também atendem órgãos externos como Tribunal de Contas do Estado e Ministério Público. Atualmente o espaço contempla as necessidades básicas de um arquivo, como a localização em andar térreo (devido ao peso do conjunto de documentos), acondicionamento em estantes de aço e caixas padronizadas, condições adequadas de climatização e de circulação do ar e área disponível para expansão.

Endereço: Avenida Presidente Vargas 2662, Centro, Esteio/RS.

Horário de Funcionamento: 08:00 – 11:30 / 12:30 – 17:00

Contatos: (51) 3458-1878 – arquivo.esteio@gmail.com

Histórico PF

Arquivo Histórico Regional (AHR) – iniciou suas atividades com a denominação de Museu e Arquivo Histórico Regional, no Campus I da Universidade de Passo Fundo (UPF), em 1984. Após uma reorganização física e nominativa, recebeu a designação atual e foi alocado no Campus III da UPF, no centro de Passo Fundo. O AHR está vinculado ao Programa de Pós-Graduação em História da UPF e ao curso de graduação em História, servindo de local de guarda, conservação e restauro e, sobretudo, de laboratório para pesquisadores da cidade e região, vetor para a produção do conhecimento.

Endereço: Campus III / UPF – Avenida Brasil, 743, Centro, Passo Fundo/RS

Horário de Funcionamento: de segunda à sexta-feira das 08h às 11h30min e das 13h30min às 17h30min

Contatos: (54) 3316.8516 – ahr@upf.brSite – Facebook


1 BORGES, Cila Vs; FERREIRA, Ivani Gama; VIEGAS, Solange Ribeiro. A Oficina de Conservação da Biblioteca José de Alencar em consonância com a Agenda 2030. In: Seminário de Informação em Arte, 6., 2018, Rio de Janeiro. Anais… . Rio de Janeiro: Redeart/rj, 2018. p. 1-10. Disponível em: <https://docplayer.com.br/137100034-A-oficina-de-conservacao-da-biblioteca-jose-de-alencar-em-consonancia-com-a-agenda-2030.html&gt;. Acesso em: 15 out. 2019.

Exposição virtual “Caminhos dos Arquivos – Nossas História, Nossas Heranças”: arquivos de Porto Alegre, parte II

Deixe um comentário

Hoje trazemos a terceira edição da série de postagens mensais sobre o Programa Caminhos dos Arquivos, no qual consta o projeto de exposição, em módulo virtual, denominada “Caminhos dos Arquivos: Nossas Histórias, Nossas Heranças”. Destacaremos mais três instituições de Porto Alegre, compartilhando informações e um pouco sobre suas trajetórias.

Barros e Amélia afirmam que a memória registrada “delegou ao arquivo a função de mantê-la viva, de forma a desacelerar o desaparecimento de sinais do que se deseja manter, em face da necessidade do lembrar”.1 Nesse sentido, temos satisfação em seguir difundindo instituições arquivísticas que assumem cotidianamente o papel de preservar registros que se relacionam a tantas memórias:

AHRSArquivo Histórico do Rio Grande do Sul – o embrião de sua história inicia ainda em 1906, com a criação do Arquivo Público do Estado (APERS), à época organizado em três seções. Em 1925 a 2ª seção, denominada Arquivo Histórico e Geográfico, foi desmembrada e anexada ao Museu Júlio de Castilhos, mais tarde dando origem ao AHRS. Assim, seu surgimento como instituição independente ocorreu em 29 de janeiro de 1954, quando foi criada a Divisão de Cultura da Secretaria de Educação e Cultura. A instituição tem como função primordial a guarda e a conservação da documentação histórica de origem pública e privada. Seu acervo remonta aos primeiros anos de ocupação efetiva do solo rio-grandense pela Coroa Portuguesa. Além da documentação proveniente das várias funções exercidas pelo Poder Público, o AHRS destaca-se pelos arquivos particulares recebidos através de doação ou compra, como por exemplo: Borges de Medeiros/Sinval Saldanha, João Neves da Fontoura, Francisco Brochado da Rocha, Alfredo Varela, entre outros. Além disso, existe farta documentação sobre a colonização do estado por imigrantes.

Endereço: Rua Sete de Setembro 1.020, Sala 17, Centro Histórico, Porto Alegre /RS

Horário de Funcionamento: 13h às 17h30, de terça a sexta-feira. Horário limite para acessar a sala de pesquisa: 17h.

Contatos: (51) 3227.0882 e (51) 3225.7880 – ahrs@sedactel.rs.gov.brSiteFacebook

MLRSMemorial do Legislativo do Rio Grande do Sul – foi inaugurado em 2010 e abriga a documentação histórica do Poder Legislativo, nos mais diferentes suportes de informação. Trabalha com pesquisa em prol da memória legislativa do Estado. Tem a custódia dos documentos históricos do Parlamento, dentre eles, o dossiê mais antigo que são as Atas do Conselho Geral da Província de 1828. Possui a coleção do Jornal A Federação, Anais do Parlamento desde 1862, Fundo Solar dos Câmara e a documentação de Comissões Permanentes, processos legislativos e documentos administrativos. Do acervo de multimeios tem a guarda do acervo da TVAL em BetaCam e DVCam, filmes rolo, slides e negativos de fotografias com mais de 1.500.000 imagens. Participa ativamente das atividades de gestão e preservação documental da Assembleia Legislativa, independente do suporte informacional. O prédio que sedia o Memorial do Legislativo do RS é a construção pública mais antiga da cidade de Porto Alegre, concluído em 1790, passando por diversas reformas, em 1860 ganhou o segundo pavimento com estilo neoclássico. Desde sua construção até 1828, o prédio abrigou órgãos como a Provedoria da Real Fazenda, a Casa da Junta, Câmara e Cadeia. De 1828 a 1935 sediou as atividades do Conselho Geral da Província de São Pedro do Rio Grande do Sul. E a partir de 1835, passou a ser cenário principal de atuação do Poder Legislativo gaúcho em suas diferentes fases políticas. Foi tombado pelo IPHAE em 17 de setembro de 1981.

Endereço: Rua Duque de Caxias, 1029, Centro Histórico, Porto Alegre/RS

Horário de Funcionamento: Segundas às Sextas: das 8h30min às 11h30min e das 13h30min às 18h30min.

Contatos: (51) 3210-1670; 3210-1675 – memorial@al.rs.gov.br – Site – AcervoFacebook

TRF4Arquivo do Tribunal Regional Federal – responsável pela guarda e gestão da documentação produzida e recebida no cumprimento de sua função jurisdicional, durante seus 30 anos de existência. O acervo é composto de documentos e processos administrativos e judiciais, em suporte físico e eletrônico. Em seu conteúdo, existem importantes processos que representaram marcos na história político-econômica do país. Recentemente, o acervo que já utilizou diversos e simultâneos endereços, foi todo reunido em seu prédio sede. O Arquivo tem a finalidade de preservar e manter sob guarda a documentação administrativa e judicial do TRF4, em suporte físico, promovendo seu acesso, interno e externo, através de consultas e fornecimento de íntegras de acórdãos. O acesso ao seu conteúdo pode ser realizado através de consultas locais aos processos judiciais, que se apresentam em suporte físico e meio eletrônico, e pelo Portal do TRF4 solicitado as íntegras de acórdãos.

Endereço: Rua Otávio Francisco Caruso da Rocha, nº 300, Praia de Belas, Porto Alegre/RS

Horário de Funcionamento: das 13:00 às 18:00

Contatos: (51) 3213.3430 – arquivo@trf4.jus.brSite


1BARROS, Dirlene Santos; AMÉLIA, Dulce. Arquivo e memória: uma relação indissociável. Transinformação, Campinas, v. 21, p.55-61, jan-abr. 2009. Quadrimestral, p. 57. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/tinf/v21n1/04.pdf&gt;. Acesso em: 06/092019.

Exposição virtual “Caminhos dos Arquivos – Nossas História, Nossas Heranças”: arquivos de Porto Alegre

Deixe um comentário

Dando continuidade à série de postagens mensais que tem por objetivo compartilhar experiências e conhecimentos sobre o Programa Caminhos dos Arquivos, no qual encontra-se incluído o projeto de exposição, em módulos virtual e presencial, denominada “Caminhos dos Arquivos: Nossas Histórias, Nossas Heranças”. Este Programa faz parte das ações do APERS na Semana Nacional de Arquivos (SNA), em parceria com outras instituições arquivísticas gaúchas, com o objetivo de expor acervos e informações sobre as instituições e seus serviços, promover a consciência da importância dos arquivos, como um referencial, um guia de arquivos, na preservação do passado e valorização do patrimônio histórico.

Como destaca LOMBARDI (2004), “as fontes resultam da ação histórica do homem e, mesmo que não tenham sido produzidas com a intencionalidade de registrar a sua vida e o seu mundo, acabam testemunhando o mundo dos homens em suas relações com outros homens e com o mundo circundante” (p.155). Assim, falaremos, neste mês, sobre instituições de Porto Alegre:

Colégio Farroupilha

Memorial Deutscher Hilfsverein ao Colégio Farroupilha – fundado em 05 de junho de 2002, caracteriza-se como um espaço museológico, pedagógico e de pesquisa, que possibilita uma variedade de temas e objetos para analisar a trajetória de uma instituição de mais de 150 anos, configurando-se como patrimônio cultural escolar do Colégio Farroupilha de sua fundação até os nossos dias, exemplar e emblemático da história da educação de Porto Alegre e do RS. Tem como prêmio o Certificado de Menção Honrosa no 10º Prêmio em Responsabilidade Cultural – Categoria Desenvolvimento Cultural (2015) e a publicação de dois livros (2013 e 2015) do grupo de pesquisa coordenado pela Dra. Maria Helena Camara Bastos “Do Deutscher Hilfsverein ao Colégio Farroupilha/RS: entre memórias e histórias (1858-2008)” (PUCRS, CNPq, FAPERGS), organizados por Maria Helena, Dra. Alice Rigoni Jacques e Dra. Dóris Bittencourt Almeida. A unidade de Gestão Documental tem por finalidade preservar e divulgar o patrimônio histórico escolar da instituição e de sua mantenedora – a Associação Beneficente Educacional (ABE – 1858), fundada por imigrantes alemães há 161 anos. Promove, assim, o acesso à pesquisa, além de exposições, oficinas e aulas temáticas.

Endereço: Rua Carlos Huber, 425, bairro Três Figueiras, Porto Alegre/RS

Horário de funcionamento: 8h às 12h (2ª à 6ª Feira) – 14h às 17h (2ª, 3ª e 4ª feira)

Contatos: (51) 3455-1858 e 3455.1875 memorial@colegiofarroupilha.com.brSite Facebook 

DAER

Biblioteca Eng.º Darcy Gonçalves Teixeira/Escola de Gestão Daeriana (EGD)/ DAER-RS – vinculada à Diretoria Técnica, em 1937 foi criada a Biblioteca Eng.º Darcy Gonçalves Teixeira pelo engenheiro Alfredo M. Waldeck no Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem. O Eng.º Clóvis Pestana, diretor da Diretoria Técnica, assim descreveu o feito na época: “Conquistas mais recentes da técnica moderna: Laboratório, Biblioteca e Boletim do DAER”. Inicialmente voltada às obras de engenharia, o local foi referência para servidores e estudantes na realização de pesquisas, além de formação e atualização profissional por mais de sete décadas, tendo sido fechada em 2010. Teve sua reabertura no ano de 2015, alinhada à nova estratégia de modernização da autarquia que instituiu o Programa de Educação Profissional do Departamento (Escola de Gestão Daeriana) e a disseminação da produção teórica e prática do corpo técnico. Atualmente, detém o acervo de, aproximadamente, 20 mil itens, entre eles 5 mil fotografias, no espaço que tem o nome do primeiro diretor da Divisão de Estudos e Projetos do Daer, Eng.º Darcy Gonçalves Teixeira, grande incentivador da biblioteca. Possui características de um Centro de Documentação, pois reúne seu acervo pelo assunto de Engenharia Rodoviária. O acervo é composto de livros, relatórios, periódicos, manuais, mapas e fotografias da construção e conservação de rodovias e obras de arte especiais (pontes e viadutos) no Estado do Rio Grande do Sul. Possui raridades como: Plano de Viação do Rio Grande do Sul de 1931, Tratado de Marcenaria de 1871 (obra em francês), Livros manuscritos de Hidráulica, Livros em alemão sobre Matemática/Astronomia (189-), Livros de História do RS (19-?) e possuía Projetos da Diretoria de Obras (a partir de 1865) – Doados ao Arquivo SEP. Destacamos também o Boletim do DAER (1938-1972) que continha além da construção de rodovias e pontes (com descrição das técnicas, cálculos e métodos utilizados), informações das cidades e características dos locais onde as rodovias eram construídas. Há, por exemplo, um artigo do jornalista Glênio Peres abordando o Turismo no Rio Grande do Sul com ricas descrições e fotografias dos locais. Hoje, a Biblioteca é referência como fonte de pesquisa para estudantes, engenheiros, historiadores, entre outras formações, auxiliando a diversos órgãos e universidades como o DNIT, a UFRGS, a PUC-RS, a USP, a UNB, entre outros. Serviços Prestados: Consulta local; empréstimo mediante cadastro (apenas para servidores e estagiários do Daer); orientação na utilização dos recursos de informação da biblioteca; levantamento bibliográfico e auxílio à pesquisa, e visita guiada.

Endereço: Av. Borges de Medeiros, nº 1555, 3º andar, Bairro Praia de Belas, Porto Alegre/RS

Horário de Funcionamento: das 13h30 às 18h | de segunda a sexta-feira

Contatos: (51) 3210-5090 – biblioteca@daer.rs.gov.br – Site

IPE-PREV

Arquivo do IPE-PREV – A Previdência brasileira como a concebemos hoje teve origem em 1923, com a Lei Eloy Chaves. A partir desta Lei, a proteção social no Brasil passou a contar com uma instituição que oferecia pensão, aposentadoria, assistência médica e auxílio farmacêutico. Até o ano de 1923, as instituições concediam apenas um ou outro benefício. Hoje, a pensão e a aposentadoria são benefícios indispensáveis para que se caracterize uma instituição previdenciária. Na década de 30, o sistema previdenciário reestruturou-se, mantendo as bases corporativas. A relação entre Estado e classe operária foi organizada, mediante a interligação de três sistemas: sindicatos, Justiça do Trabalho e política previdenciária. Ao final da década de 40, tínhamos dez vezes mais segurados do que em 1934. O IPERGS foi criado a oito de agosto de 1931, por meio do Decreto nº 4.842, pelo então interventor federal no estado General José Antonio Flores da Cunha. Sua primeira sede localizava-se na Praça da Alfândega, atual Edifício Imperial. O primeiro presidente do IPERGS foi o Engenheiro Egydio Hervê. O Arquivo permanente está em fase de organização para disponibilizar o acesso à fontes que contam a história da Instituição no contexto político e social do Estado e do País.

Endereço: Avenida Borges de Medeiros, 1945, bairro Praia de Belas, Porto Alegre/RS

Horário de Funcionamento: Seg. – Sex. 08:00 – 17:00

Contatos: (51) 3210-5623 – planejamento-gestao@ipe.rs.gov.brSite – Facebook

Participe da III Semana Nacional de Arquivos!

Deixe um comentário

Cartaz ASCOM III SNA 1

Exposição Virtual Revolução e Guerra Civil Espanhola em Cartaz

1 Comentário

     Há setenta e sete anos, entre os dias 17 e 18 de julho de 1936, iniciava um dos maiores conflitos do século XX: a Guerra Civil Espanhola, que se desenvolveu durante três anos sintetizando acirramentos e antecipado a Segunda Guerra Mundial. Na luta fratricida dois grandes blocos se formaram: de um lado o governo legal republicano, apoiado nos setores democrático liberais, comunistas, socialistas e anarquistas; no outro, as forças conservadoras e reacionárias sublevadas, aglutinando os interesses monarquistas, da Igreja, dos grandes proprietários rurais, da grande indústria e dos grupos fascistas espanhóis. Esta divisão se refletia no posicionamento das grandes potências da época em relação ao conflito. Enquanto eram evidentes o auxílio, a simpatia e a intervenção nazi-fascista em apoio ao general Franco, milhares de voluntários nos países ocidentais e na União Soviética organizavam-se em Brigadas Internacionais e iam lutar pela República. O medo e o imobilismo político dos governos democráticos, receosos de agravar as delicadas relações internacionais da época, e as lutas internas das forças republicanas contribuíram para o desfecho, com a vitória do setor reacionário e o início do período sombrio do Franquismo na Espanha.

     A Guerra Civil foi retratada de muitas formas, entre elas, os cartazes, que tinham uma finalidade clara: transmitir o espírito de luta através de palavras de ordem e figuras incisivas. Todos os grupos que lutavam em um bloco ou outro tinham seus departamentos de propaganda, que transmitiam as mais diversas mensagens. Os cartazes tiveram um efeito muito importante junto à população. Anônimos em sua maioria, famosos em alguns casos. De Pablo Picasso a Saénz de Tejada, passando por Gabriel Miró e Bardasano, os cartazes são registro e testemunho de pequenos detalhes e grandes fatos do que foi o processo da Revolução e Guerra Civil Espanhola. Esse material iconográfico faz parte da publicação em fascículos da obra La Guerra Civil Española, de Hugh Thomas, reeditada pela Ediciones Urbión, em 1979. Tal reedição trouxe um volume extra que reproduz as imagens nas contracapas dos fascículos.

     Em 2011 realizamos no APERS uma exposição a partir dos fascículos publicados. O material foi cedido pelo Prof Enrique Serra Padrós (Departamento e PPG em História/UFRGS) de seu acervo pessoal. A partir da digitalização de todos os 110 cartazes da coleção, hoje lançamos uma reedição dessa exposição, agora em formato virtual. Novamente agradecemos ao Prof. Enrique por viabilizar mais esta ação. Clique na imagem para visualizá-la em tamanho maior, e para conferir a legenda completa, que contextualiza cada obra. Desejamos a tod@s uma ótima visita!

Atividades APERS: DIVULGA APERS

Deixe um comentário

   As atividades realizadas pela Equipe do DIVULGA APERS consistem em centralizar as informações referentes ao Arquivo Público do RS e suas linhas de ação para publicizá-las em nosso Blogue, assim são atividades da equipe:

  • Incentivar os colegas a colaborarem com sugestões de notícias,
  • Selecionar as sugestões encaminhadas ao email do Divulga até terça-feira, de acordo com as instruções quanto ao uso das mídias sociais,
  • Realizar as adaptações necessárias e estruturar as notícias selecionadas,
  • Publicar no Blogue as notícias todas as quartas-feiras,
  • Encaminhar email para a lista de contatos do APERS informando novas postagens, e
  • Atualizar o Twitter diariamente (segunda a sexta-feira) e a Fanpage semanalmente.

   A equipe do DIVULGA APERS é composta por: Clarissa Sommer; Maria Cristina Fernandes; Silvia Soares e Viviane de Portella, além da colaboração de Vanessa Menezes no “APERS conta histórias”. Para saber mais sobre o DIVULGA APERS clique aqui.

Equipe Divulga APERS: Viviane, Maria Cristina, Silvia e Clarissa

Older Entries

%d blogueiros gostam disto: