Servidora do APERS participa de Curso de Conservação e Restauro de Documentos

Deixe um comentário

             Entre os dias dois de julho e três de setembro, a historiadora e servidora do APERS Nôva Brando, participou do Curso de Conservação e Restauração de Documentos Arquivísticos – Módulo Intermediário, oferecido pelo Centro Histórico Cultural Santa Casa e ministrado pela professora Maria Luisa Damiani.

foto

            Durante dez manhãs de sábado, foram trabalhados os seguintes conteúdos: 1) desenvolvimento dos procedimentos de conservação, prevenção e restauração de pasceis; 2) análise dos fatores de degradação dos documentos; 3) tratamento químico: higienização, alcalinização e noções de tratamento de documentos contaminados por fungos; 4) reestruturação de documentos em suporte papel: técnicas de velatura, enxerto, obturações, consertos; 5) noções de conservação de jornais; 6) noções de conservação de fotografias; e 7) materiais adequados para acondicionamento de acervos documentais. Além disso, foi disponibilizada ampla bibliografia para consulta, além de lista com locais onde são encontrados produtos e materiais necessários a atividade de conservação e restauro de documentos.

            Durante a capacitação, foi possível ainda, estabelecer um diálogo entre algumas necessidades do Arquivo, por meio da servidora, e os procedimentos e métodos adequados para o desenvolvimento de atividades de conservação e restauro sugeridos por Maria Luisa. Com essa notícia, o APERS segue manifestando o apoio, sempre que possível, à capacitação dos servidores públicos que nessa instituição atuam.

Notícias relacionadas:

APERS participa da Oficina de Conservação e Restauração de Documentos
Capacitação de servidora do APERS em Conservação e Restauração de Documentos

Capacitação de servidora do APERS em Conservação e Restauração de Documentos

Deixe um comentário

Imagem Blog

    No primeiro semestre deste ano, Nôva Brando, historiadora|TAC do APERS, realizou o módulo I do Curso de Conservação e Restauração de Bens Culturais com suporte em papel, couro e pergaminho na Oficina de Restauro Livro e Arte. Foram 120 horas, entre os dias 15 de março e 07 de julho, de capacitação sob a supervisão da professora Sílvia Jansson Breitsameter, conservadora-restauradora desde 1977.

    Durante o curso foi abordado a história, fatores de degradação do papel, Acidez e pH dos papéis e pigmentos da escrita. Também foram apresentados os principais papéis, materiais e utensílios empregados na restauração de documentos. Conceitos como conservação preventiva e conservação curativa, bem como a restauração foram problematizados. Também foi observado o código de ética do conservador-restaurador.

    Como exercício teórico e práticos foram trabalhados procedimentos de higienização de acervo documental, soluções adequadas para as manchas mais frequentes em documentos em formato de papel, técnicas de enxerto, obturação, reestruturação e planificação de documentos. Também foram realizados exercícios de restauração de documentos craquelados (isolamento de pigmento, velatura e laminação). Para os documentos devidamente recuperados e restaurados, suporte para armazenamento foram elaborados.

Professora Silvia e Nova     Em um segundo momento do curso, a conservação-restauração de livros foi abordada, a partir de procedimentos para higienização de livros e cuidados necessários a uma biblioteca. Na sequência, uma breve história da encadernação, fatores de degradação do livro, principais papéis e revestimentos empregados na restauração de livros e reconhecimento das partes do livro. As propostas para exercício foram a restauração de diferentes livros, atentando para capas soltas, lombadas danificadas, cantos de livros amassados ou rotos, perdas de revestimentos de lombadas e pastas, costuras danificadas, folhas soltas.

    Depois de quatro meses de curso, a capacitação da servidora para o desempenho qualificado de funções da instituição, tais como “realizar diagnósticos, planejar e desenvolver projetos de conservação preventiva e de preservação do acervo”, é indício da responsabilidade que o APERS tem com a preservação e a garantia das condições de acesso ao patrimônio documental do Estado.

Para saber mais do Curso:
Livro e Arte – Oficina de Restauro: http://restaurolivroearte.blogspot.com.br/

APERS participa da Oficina de Conservação e Restauração de Documentos

1 Comentário

Nos dias 26 de agosto, 02, 09, 16 e 23 de setembro de 2015, no Laboratório de Restauração do Centro Histórico-Cultural da Santa Casa, aconteceu a Oficina de Conservação e Restauração de Documentos, ministrada pela professora Maria Luisa Damiani. E o Arquivo esteve por lá. Com o apoio da Associação de Amigos do APERS (AAAP), as servidoras Marta Sica e Nôva Brando realizaram o curso, que teve como objetivo, desenvolver noções básicas em conservação e técnicas de restauração de documentos arquivísticos.

Nova, Maria Luisa, MartaEm meio a aulas teóricas, foram abordadas concepções a respeito da diferença entre preservação, conservação e restauração, além de princípios éticos e estéticos tais como, descartabilidade, legibilidade, o respeito a integridade dos documentos, a documentação da análise e do diagnóstico e a utilização de materiais e técnicas de conhecimento público. Também foram trabalhadas as causas de degradação dos papéis, tanto internas (acidez, tintas) quanto externas (iluminação, temperatura, poluição atmosférica, acondicionamento, manuseio incorreto, micro-organismo e insetos).

Na segunda aula, o curso focou-se em elementos mais práticos e as historiadoras do APERS puseram a mão no papel e no CMC (um tipo de cola utilizada nos procedimentos de restauração) de fato. De início, foram ensinadas algumas técnicas usadas tanto para a restauração de documentos avulsos quanto para a restauração de livros. Dentre essas técnicas, a preparação da cola CMC e da cola mista, o teste de pH (potencial Hidrogeniônico), e de resistência em pigmentos e manchas para fins de limpeza e desacidificação.

MartaDepois disso, passou-se a noções básicas de restauração de documentos que foram conduzidas conforme as etapas que seguem: (1) fotografia do documento; (2) início do preenchimento da ficha de identificação; (3) limpeza mecânica com trincha e pó de borracha; (4) testes de pH, pigmentos e manchas; (5) análise e identificação de problemas (acidez, presença de fungos, tintas); (6) tratamento químico (desacidificação); (7) consertos de acordo com as características apresentadas pelo documento que vão desde enxertos, obturação até velatura; (8) planificação e secagem; e (9) construção de embalagens em papel apropriado para guarda. As etapas não são estanques e, dependendo do estado do documento, a ordem das etapas pode ser alterada e algumas suprimidas.

NovaNa sequência, trabalhou-se noções básicas de conservação e restauração de livros. Antes disso foram apresentadas a composição dos livros, suas partes, e procedimentos inadequados para sua preservação e formas adequadas de conservação. Após, noções de restauro propriamente ditas conforme as etapas que seguem: (1) fotografias do livro; (2) início do preenchimento da ficha de identificação; (3) numeração; (4) desmonte; (5) limpeza mecânica com trincha; (6) testes de pH, pigmentos e manchas; (7) análise e identificação de problemas (acidez, presença de fungos, tintas); (8) tratamento químico (desacidificação); (9) consertos; e (10) reestruturação do suporte, remontagem dos cadernos, costura, encadernação.

Por fim, foi fornecido aos cursistas uma lista de materiais utilizados na restauração e de fornecedores especializados na comercialização de produtos e de maquinário para laboratórios de restauro que deverá ser muito útil ao APERS. O arquivo agradece a AAAP pelo apoio que possibilitou que duas das servidoras da instituição se qualificassem para o desempenho dessa que é uma das funções centrais de um arquivo de guarda permanente, a conservação e restauração dos documentos que estão sobre sua responsabilidade.

Arquivos & conceitos: Conservação e restauração de documentos

1 Comentário

2014.11.26 Arquivos e conceitos

Para encerrar nossa série de posts sobre os conceitos básicos de arquivologia, abordaremos os conceitos de conservação e restauração. Afinal de contas, de nada adianta termos um acervo classificado, avaliado e descrito se não provermos os recursos mínimos que viabilizem sua manutenção física. Os arquivos são depósitos de documentos que, por sua vez, estão expostos à degradação, então “cabe-nos, portanto, encontrar soluções que permitam oferecer o melhor conforto e estabilidade ao suporte da maioria dos documentos, que é o papel” (CASSARES, 2000, p. 13).

Para desacelerar o processo de degradação documental, a conservação preventiva promove um conjunto de procedimentos através da preservação e da restauração. A preservação “é um conjunto de medidas e estratégias de ordem administrativa, política e operacional que contribuem direta ou indiretamente para a preservação da integridade dos materiais” (CASSARES, 2000, p.12), ou seja, previne a deterioração. A conservação preocupa-se em recuperar os documentos já deteriorados ou estabilizar o processo já iniciado; intervindo através de procedimentos específicos, assegurando a proteção física dos documentos (CASSARES, 2000).

Há dois fatores de degradação do papel, segundo Schellenberg (2006), os intrínsecos e os extrínsecos. Os primeiros são inerentes à natureza do papel, pois são provenientes do processo industrial, como a acidez, a alcalinidade e as tintas. Os fatores extrínsecos encontram-se no ambiente físico do acervo; podendo ser ambientais, como temperatura e umidade relativa, radiação da luz, qualidade do ar e biológicos, como insetos, micro-organismos, e roedores.

As condições de conservação dos documentos e da área do acervo podem ser controladas através de políticas de higienização, atualização e treinamento dos funcionários e monitoramento do ambiente. Toda a equipe de funcionários deve estar ciente e conhecer a importância da adoção de políticas de preservação do acervo, assim como, os usuários, pois muitas vezes os danos a documentação são causados pelo desconhecimento destes quanto aos cuidados básicos com o mesmo (THE BRITISH LIBRARY, 2003). Cabe a equipe técnica, responsável pelo acervo, promover, junto às esferas competentes, as condições adequadas de manutenção do conjunto documental para que o usuário tenha pleno acesso a documentação sob sua custódia.

Para ler outras notícias desta série, clique aqui.

Participação do APERS no I SINGPAD

Deixe um comentário

2013.04.07 Banner_SINGPAD_CONARQ2013     Nos dias 09 a 12 de abril realizou-se o I Simpósio Nacional sobre Gestão, Preservação e Acesso aos Documentos Arquivísticos – I SINGPAD nas dependências do Arquivo Nacional no Rio de Janeiro.

    O evento foi promovido pelo Conselho Nacional de Arquivos – CONARQ com o objetivo de integrar, difundir, atualizar os profissionais da área e de instituições de todo o Brasil, sobre assuntos que envolvem políticas públicas, legislação vigente, gestão documental, tecnologia, capacitação de pessoas e acesso à informação.

      Representando o Arquivo Público do RS participaram do Simpósio as arquivistas: Iara Gomide Machado, Maria Cristina Fernandes Kneipp, Rosemeri Franzin Iensen e Silvia de Freitas Soares. As servidoras se inscreveram em diferentes painéis e oficinas, que ocorreram simultaneamente, e puderam acompanhar apresentações sobre as atividades desenvolvidas, experiências, pesquisas e atuação de diferentes entidades que servirão para estabelecer comparações, idealizações e diretrizes para atividades no APERS.

      Além de participarem do I SINGPAD, as arquivistas Iara e Rosemeri aproveitaram a ocasião e realizaram uma visita técnica à Coordenação Geral de Processamento e Preservação de Acervo – COPRA. Na visita foi possível conhecer os procedimentos realizados no Arquivo Nacional sobre: tratamento arquivístico de documentos; monitoramento ambiental nos depósitos de guarda; higienização e conservação preventiva; restauração e encadernação; produção de negativos e ampliações fotográficas; a reprodução, digitalização e microfilmagem do acervo; guarda e preservação de matrizes e de microfilmes de segurança; bem como produção de papéis especiais aplicáveis à conservação de documentos.

2013.04.17 Participacao APERS no I SINGPAD

No Arquivo Nacional: Silvia, Maria Cristina, Rosemeri e Iara

APERS na Oficina Educação Patrimonial em Museus e Arquivos: teoria e prática

Deixe um comentário

     Entre os dias 24 e 26 de outubro as historiadoras Clarissa Sommer Alves e Natália Souza Silva, membros do núcleo de Ação Educativa do APERS, estiveram em São Paulo para participar da Oficina Educação Patrimonial em Museu e Arquivos: teoria e prática, realizada pela Associação de Arquivista de São Paulo e ministrada pela Profª Dra. Maria de Lourdes Parreiras Horta, pioneira na introdução da Educação Patrimonial no Brasil. O curso ocorreu nos dias 25 e 26 de outubro, na USP.

    Nesta oficina puderam reforçar os conhecimentos já aplicados no Programa de Educação Patrimonial do APERS, tendo contato com outras instituições brasileiras que atuam na área, trazendo novos referenciais teóricos e ideias de metodologias e práticas.

     Aproveitando a viagem até aquele estado, na tarde de 24 de outubro Clarissa e Natália participaram de visita técnica ao Arquivo Público do Estado de São Paulo (APESP), realizada pelas servidoras Haike Roselane Kleber da Silva e Andresa Cristina Oliver Barbosa, a quem agradecemos muito pela receptividade e parabenizamos pela dedicação e carinho com que desempenham suas funções no APESP. Este arquivo inaugurou recentemente sua nova sede, que possui estrutura e organização exemplar para guarda, tratamento, difusão e acesso à documentação. Lá nossa equipe teve contato com diversos setores do APESP, como difusão e ação educativa, conservação, restauro, informática, iconografia, entre outros, aprendendo muito com as colegas paulistas. Conheça um pouco mais a partir das fotos na galeria abaixo.

     Também visitaram a Pinacoteca de São Paulo, na noite de 25 de outubro, com olhar atento às ações educativas lá realizadas. Destacam-se os jogos pedagógicos elaborados para apropriação das exposições por parte das crianças, e a forte preocupação daquela instituição com a acessibilidade, que se expressa na realização de exposições receptivas a cidadãos com as mais diversas deficiências.

     Acreditamos que a ida a São Paulo foi de suma importância para a qualificação de nossas ações na área de difusão, especialmente no campo das ações educativas. Pretendemos em breve estar divulgando no blog novas atividades e oficinas que sejam frutos desta rica experiência!

Este slideshow necessita de JavaScript.

II Encontro sobre o Ensino de Preservação

Deixe um comentário

     O Arquivo Público do Estado do RS participou do II Encontro sobre o Ensino de Preservação, através da conservadora-restauradora Maria Lúcia Ricardo Souto. O evento ocorreu nos dias 09 a 11 de julho, na cidade do Rio de Janeiro, sendo promovido pela Faculdade de Biblioteconomia da UNIRIO, em comemoração aos 100 anos da criação do curso no país.

     Participaram do evento estudantes dos cursos de Biblioteconomia e Arquivologia, professores e profissionais de importantes instituições voltadas para a preservação de acervos de memória, como o Arquivo Nacional, Fundação Oswaldo Cruz, Museu de Astronomia e Ciências Afins – MAST, Associação Brasileira de Encadernação e Restauro – ABER, Biblioteca Nacional e Fundação Casa de Rui Barbosa, entre outros.

     Foi debatido o ensino da preservação na formação de gestores de preservação de acervos de memória; o diálogo, ética e responsabilidades entre o bibliotecário, o restaurador e a preservação de acervos; a preservação como disciplina do ensino técnico, de graduação e pós-graduação; o tráfico ilícito e a segurança de tesouros bibliográficos e documentais e o futuro do ensino de preservação nos cursos de Biblioteconomia e Arquivologia na cidade do Rio de Janeiro.

     Entre as recomendações votadas no II Encontro e que podem ser aplicadas em outras instituições estão: a obrigatoriedade do ensino de preservação no curso de Biblioteconomia da UNIRIO que hoje é opcional, a criação de uma matriz curricular comum a todas as instituições de ensino; o enfoque na conservação preventiva para a preservação dos acervos ao invés da restauração; a interdisciplinaridade entre o conservador-restaurador e outros profissionais para determinar as necessidades e intervenções a serem realizadas no acervo, e a importância da elaboração de uma política de segurança institucional visando inibir o tráfico ilícito de obras.

Older Entries

%d blogueiros gostam disto: