Exposição virtual “Caminhos dos Arquivos – Nossas História, Nossas Heranças”: arquivos de Porto Alegre

Deixe um comentário

Dando continuidade à série de postagens mensais que tem por objetivo compartilhar experiências e conhecimentos sobre o Programa Caminhos dos Arquivos, no qual encontra-se incluído o projeto de exposição, em módulos virtual e presencial, denominada “Caminhos dos Arquivos: Nossas Histórias, Nossas Heranças”. Este Programa faz parte das ações do APERS na Semana Nacional de Arquivos (SNA), em parceria com outras instituições arquivísticas gaúchas, com o objetivo de expor acervos e informações sobre as instituições e seus serviços, promover a consciência da importância dos arquivos, como um referencial, um guia de arquivos, na preservação do passado e valorização do patrimônio histórico.

Como destaca LOMBARDI (2004), “as fontes resultam da ação histórica do homem e, mesmo que não tenham sido produzidas com a intencionalidade de registrar a sua vida e o seu mundo, acabam testemunhando o mundo dos homens em suas relações com outros homens e com o mundo circundante” (p.155). Assim, falaremos, neste mês, sobre instituições de Porto Alegre:

Colégio Farroupilha

Memorial Deutscher Hilfsverein ao Colégio Farroupilha – fundado em 05 de junho de 2002, caracteriza-se como um espaço museológico, pedagógico e de pesquisa, que possibilita uma variedade de temas e objetos para analisar a trajetória de uma instituição de mais de 150 anos, configurando-se como patrimônio cultural escolar do Colégio Farroupilha de sua fundação até os nossos dias, exemplar e emblemático da história da educação de Porto Alegre e do RS. Tem como prêmio o Certificado de Menção Honrosa no 10º Prêmio em Responsabilidade Cultural – Categoria Desenvolvimento Cultural (2015) e a publicação de dois livros (2013 e 2015) do grupo de pesquisa coordenado pela Dra. Maria Helena Camara Bastos “Do Deutscher Hilfsverein ao Colégio Farroupilha/RS: entre memórias e histórias (1858-2008)” (PUCRS, CNPq, FAPERGS), organizados por Maria Helena, Dra. Alice Rigoni Jacques e Dra. Dóris Bittencourt Almeida. A unidade de Gestão Documental tem por finalidade preservar e divulgar o patrimônio histórico escolar da instituição e de sua mantenedora – a Associação Beneficente Educacional (ABE – 1858), fundada por imigrantes alemães há 161 anos. Promove, assim, o acesso à pesquisa, além de exposições, oficinas e aulas temáticas.

Endereço: Rua Carlos Huber, 425, bairro Três Figueiras, Porto Alegre/RS

Horário de funcionamento: 8h às 12h (2ª à 6ª Feira) – 14h às 17h (2ª, 3ª e 4ª feira)

Contatos: (51) 3455-1858 e 3455.1875 memorial@colegiofarroupilha.com.brSite Facebook 

DAER

Biblioteca Eng.º Darcy Gonçalves Teixeira/Escola de Gestão Daeriana (EGD)/ DAER-RS – vinculada à Diretoria Técnica, em 1937 foi criada a Biblioteca Eng.º Darcy Gonçalves Teixeira pelo engenheiro Alfredo M. Waldeck no Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem. O Eng.º Clóvis Pestana, diretor da Diretoria Técnica, assim descreveu o feito na época: “Conquistas mais recentes da técnica moderna: Laboratório, Biblioteca e Boletim do DAER”. Inicialmente voltada às obras de engenharia, o local foi referência para servidores e estudantes na realização de pesquisas, além de formação e atualização profissional por mais de sete décadas, tendo sido fechada em 2010. Teve sua reabertura no ano de 2015, alinhada à nova estratégia de modernização da autarquia que instituiu o Programa de Educação Profissional do Departamento (Escola de Gestão Daeriana) e a disseminação da produção teórica e prática do corpo técnico. Atualmente, detém o acervo de, aproximadamente, 20 mil itens, entre eles 5 mil fotografias, no espaço que tem o nome do primeiro diretor da Divisão de Estudos e Projetos do Daer, Eng.º Darcy Gonçalves Teixeira, grande incentivador da biblioteca. Possui características de um Centro de Documentação, pois reúne seu acervo pelo assunto de Engenharia Rodoviária. O acervo é composto de livros, relatórios, periódicos, manuais, mapas e fotografias da construção e conservação de rodovias e obras de arte especiais (pontes e viadutos) no Estado do Rio Grande do Sul. Possui raridades como: Plano de Viação do Rio Grande do Sul de 1931, Tratado de Marcenaria de 1871 (obra em francês), Livros manuscritos de Hidráulica, Livros em alemão sobre Matemática/Astronomia (189-), Livros de História do RS (19-?) e possuía Projetos da Diretoria de Obras (a partir de 1865) – Doados ao Arquivo SEP. Destacamos também o Boletim do DAER (1938-1972) que continha além da construção de rodovias e pontes (com descrição das técnicas, cálculos e métodos utilizados), informações das cidades e características dos locais onde as rodovias eram construídas. Há, por exemplo, um artigo do jornalista Glênio Peres abordando o Turismo no Rio Grande do Sul com ricas descrições e fotografias dos locais. Hoje, a Biblioteca é referência como fonte de pesquisa para estudantes, engenheiros, historiadores, entre outras formações, auxiliando a diversos órgãos e universidades como o DNIT, a UFRGS, a PUC-RS, a USP, a UNB, entre outros. Serviços Prestados: Consulta local; empréstimo mediante cadastro (apenas para servidores e estagiários do Daer); orientação na utilização dos recursos de informação da biblioteca; levantamento bibliográfico e auxílio à pesquisa, e visita guiada.

Endereço: Av. Borges de Medeiros, nº 1555, 3º andar, Bairro Praia de Belas, Porto Alegre/RS

Horário de Funcionamento: das 13h30 às 18h | de segunda a sexta-feira

Contatos: (51) 3210-5090 – biblioteca@daer.rs.gov.br – Site

IPE-PREV

Arquivo do IPE-PREV – A Previdência brasileira como a concebemos hoje teve origem em 1923, com a Lei Eloy Chaves. A partir desta Lei, a proteção social no Brasil passou a contar com uma instituição que oferecia pensão, aposentadoria, assistência médica e auxílio farmacêutico. Até o ano de 1923, as instituições concediam apenas um ou outro benefício. Hoje, a pensão e a aposentadoria são benefícios indispensáveis para que se caracterize uma instituição previdenciária. Na década de 30, o sistema previdenciário reestruturou-se, mantendo as bases corporativas. A relação entre Estado e classe operária foi organizada, mediante a interligação de três sistemas: sindicatos, Justiça do Trabalho e política previdenciária. Ao final da década de 40, tínhamos dez vezes mais segurados do que em 1934. O IPERGS foi criado a oito de agosto de 1931, por meio do Decreto nº 4.842, pelo então interventor federal no estado General José Antonio Flores da Cunha. Sua primeira sede localizava-se na Praça da Alfândega, atual Edifício Imperial. O primeiro presidente do IPERGS foi o Engenheiro Egydio Hervê. O Arquivo permanente está em fase de organização para disponibilizar o acesso à fontes que contam a história da Instituição no contexto político e social do Estado e do País.

Endereço: Avenida Borges de Medeiros, 1945, bairro Praia de Belas, Porto Alegre/RS

Horário de Funcionamento: Seg. – Sex. 08:00 – 17:00

Contatos: (51) 3210-5623 – planejamento-gestao@ipe.rs.gov.brSite – Facebook

Exposição virtual “Caminhos dos Arquivos – Nossas História, Nossas Heranças”: arquivos da região da Serra

Deixe um comentário

Hoje, iniciamos uma série de postagens mensais que tem por objetivo compartilhar experiências e conhecimentos sobre o Programa Caminhos dos Arquivos, no qual encontra-se incluído o projeto de exposição, em módulos virtual e presencial, denominada “Caminhos dos Arquivos: Nossas Histórias, Nossas Heranças”. Este Programa faz parte das ações do Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul – APERS na Semana Nacional de Arquivos – SNA, juntamente com outras instituições gaúchas parceiras.

“Preservar a memória não é somente resgatar o passado, mas também é compreender diferenças e reconhecer limites de cada período, para construir o presente e planejar o futuro” (FUNDACENTRO). Assim, destacamos o Projeto da Exposição em seu módulo virtual, acessível pelo site www.caminhosdosarquivos.com, na qual o tema é “os lugares que preservam a memória de todos os gaúchos”.

Com o objetivo expor acervos e informações sobre as Instituições e seus serviços arquivísticos, além de reunir o maior número de entidades que custodiam documentos arquivísticos no RS, estimular parcerias com o APERS e promover a consciência da importância dos arquivos, como um referencial, um guia de arquivos, na preservação do passado e valorização do patrimônio histórico; assim como também a fim de valorizar seus parceiros nas vivências em grupo, despertar o sentimento de pertencimento, destacar as instituições como locais privilegiados, e seus colaboradores como agentes responsáveis pela difusão junto à sua comunidade.

Assim, falaremos sobre esta experiência de parceria do APERS com as 42 instituições que compuseram esta exposição coletiva, no ano de 2019. Ao fim da 3ª SNA, foi feita a reunião de feedback e o questionário de pesquisa de satisfação, com comentários, sugestões e criticas, dentro das quais destacamos: o bom acolhimento das instituições com intenção de permanência no projeto e no site; o reconhecimento da importância da divulgação e de um lugar de referência dos acervos; a permanência do site no ar, assim como os arquivos das edições anteriores; a divulgação para a próxima edição deverá ser feita a partir de inicio de maio com a indexação dos novos documentos; inserção do mapa de localização das instituições no site; continuação do uso das ferramentas e-mail e WhatsApp para comunicação; os novos e antigos parceiros devem mandar seus arquivos para Exposição virtual até o final do mês de abril; para maior facilidade de navegação aos leigos, evitar atraso na trocas de fotos no site das edições anteriores.

Para continuação de nosso compromisso de divulgação passaremos a publicar, com periodicidade mensal, textos sobre as instituições parceiras, o acesso aos seus acervos documentais, história e serviços prestados. Iniciaremos pela região da serra:

– Museu e Arquivo Histórico Pedro Rossi: fundado no ano de 1976, no Município de Flores da Cunha (RS), com a intenção de valorizar e preservar a memória, a história e a cultura dos imigrantes italianos no município, denominando-se, na época, Museu da Imigração. Pela Lei Municipal 2.322 de 16 de junho de 2003, passou a denominado Museu e Arquivo Histórico Pedro Rossi, em homenagem ao primeiro Prefeito municipal eleito após a abertura democrática de 1946. Seu acervo é composto por centenas de objetos que resguardam a história da imigração italiana, bem como, das vivências e dos saberes que permeiam o período de 1876-1960, no Município. Além dos objetos expostos no museu, o prédio abriga o Arquivo Histórico Municipal, que acondiciona inúmeros documentos e fotografias, tanto produzidos pela Administração Pública quanto pelos munícipes. Situado na Av. 25 de Julho, 1608, bairro Centro; pode ser contatado pelo e-mail neusa.museu@floresdacunha.rs.gov.br; site www.floresdacunha.rs.gov.br. O horário de atendimento é de segunda à sexta-feira, das 8:00 às 17:30.

– Arquivo Histórico Municipal de Nova Petrópolis: idealizado pelo Professor Renato Urbano Seibt e junto com seus colaboradores, seu início ocorreu graças à doação de itens pela comunidade e também pelas histórias orais do Município, que foram gravadas. O arquivo já teve sua sede no Parque Aldeia do Imigrante, no prédio da atual Prefeitura e hoje se encontra no terceiro andar do prédio da Biblioteca Pública. No dia 04 de abril de 1989, sob a Lei Municipal Nº 1.080, de criação do Arquivo Histórico Municipal. Tem como objetivos restaurar, conservar, guardar e preservar a história do município. Seu acervo é composto de, além dos registros orais, documentos, fotografias, livros, mapas, jornais e revistas especializadas. Situado na Rua Tiradentes nº 256, bairro Centro; pode ser contatado pelo e-mail arquivohistorico@novapetropolis.rs.gov.br. Conta com visita agendada. O horário de funcionamento é de segunda-feira à sexta-feira, das 7: 30 às 12h:00 e das 13:15 às 17:30.

– Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami: foi criado em 5 de agosto de 1976, pelo Decreto nº 4047. Em 1997, foi acrescentada à denominação oficial em homenagem ao historiador caxiense João Spadari Adami, por sua importante contribuição para o resgate e preservação da história local. Tem como finalidade receber, guardar, preservar e dar acesso ao patrimônio documental do Município de Caxias do Sul. Composto por três unidades: Arquivo Público, Arquivos Privados e Banco de Memória Oral, a instituição também desenvolve pesquisas e publicações, divulgando seu acervo e contribuindo para o conhecimento da história do Município. Instalado em um prédio do início do século XX, tombado em níveis estadual e municipal, o Arquivo é vinculado à Secretaria Municipal da Cultura. Situado na Av. Júlio de Castilhos, 318, bairro Lourdes; pode ser contatado pelo e-mail: arquivohistorico@caxias.rs.gov.br; site: www.arquivomunicipal.caxias.rs.gov.br. O horário de funcionamento é de segunda a sexta-feira, das 10:00 às 16:00.

– Instituto Federal Farroupilha – Campus São Vicente do Sul – Unidade de Gestão de Documentos: o Campus do Instituto Federal Farroupilha – IFFar, com sede no município de São Vicente do Sul, RS, foi criado em 17 de novembro de 1954, através de Termo de Acordo firmado entre a União e o então município de General Vargas, sob a denominação de Escola de Iniciação Agrícola, em conformidade com os Artigos 2º e 4º do Decreto Federal nº 22.470, de 20 e janeiro de 1947, que instalou o Ensino Agrícola no Brasil, e os dispositivos do Decreto Lei 9.613, de 20 de agosto de 1946; onde são oferecidos cursos técnicos e tecnológicos em três níveis: Médio, Superior e Pós-Graduação. A Unidade de Gestão Documental tem como finalidade dar acesso livre e gratuito dos documentos a todos os cidadãos mediante cadastro. Situado na rua 20 de Setembro, nº 2616, pode ser contatado pelo e-mail ugd.svs@iffarroupilha.edu.br, no horário de funcionamento: de segunda a sexta-feira, das 8:00 às 11:45 e das 13h15 às 17h00, exceto feriados nacionais, estaduais e municipais.

Visitem a Exposição virtual, apropriem-se das instituições. Esse é um patrimônio de todas e todos nós! Até o próximo mês.

Exposição Virtual “Caminhos dos Arquivos: Nossas Histórias, Nossas Heranças”

Deixe um comentário

2019.06.26 3ª SNA Site Caminhos Arquivos

Uma das atividades que integraram a programação promovida pelo APERS dentro da Semana Nacional dos Arquivos é a Exposição virtual Caminhos dos Arquivos: Nossas Histórias, Nossas Heranças, uma proposta de parcerias entre o Arquivo Público e o maior número possível de instituições gaúchas custodiadoras e/ou detentoras de acervos arquivísticos, de natureza pública ou privada.

De onde surgiu a ideia de uma exposição virtual? Da compreensão de que esse formato (virtual) é apropriado às instituições que não possuem espaço físico ou recursos para exposições presenciais em seus locais de trabalho, ou que estão geograficamente afastadas das demais participantes. Os caminhos são uma forma de guiar o público para percorrer e conhecer os acervos e serviços de cada Instituição, assim como uma forma de estímulo à visitação das mesmas, interligando esses locais.

A partir deste propósito, o APERS e seus parceiros reforçam a iniciativa e a sua relevância no Estado, aglutinando instituições arquivísticas e de memória, estimulando a mobilização das mesmas, potencializando-as em suas localidades – onde muitas têm poucos espaços de divulgação para sua comunidade – e ampliando a visibilidade dos trabalhos desenvolvidos em seus espaços.

Assim, a exposição consiste em um site, onde são exibidos a identificação das instituições com fotos, serviços prestados, contatos e os documentos selecionados a serem compartilhados, que remetem ao imaginário e pertencimento do local em que a Instituição se situa, junto com sua contextualização. O site “Caminhos dos Arquivos: Nossas Histórias, Nossas Heranças“, patrocinado pela Associação dos Amigos do Arquivo Público do Estado do RS – AAAP trará evidência para as instituições parceiras e de seus apoiadores ao longo do ano.

Esta experiência, iniciada no ano passado (2018) com uma rede de 25 instituições, está sendo muito gratificante, principalmente por agregar um número expressivo de parceiros e pela receptividade dos mesmos, de acolhimento imediato ao convite recebido. Em 2019, a quantidade de instituições aumentou para 43 entidades detentoras de acervo.

No entanto, apesar do crescimento do projeto, infelizmente muitas instituições potenciais não aderiram, por vários motivos, entre os quais: falta de recursos humanos, tecnológicos e apoio de seus administradores. Desejamos que no próximo período mais arquivos e centros de documentação possam somar-se à iniciativa.

Além do site, a divulgação do projeto e das instituições será realizada em mídias e veículos de comunicação social até a próxima edição da Semana Nacional de Arquivos. Para 2020, pretende-se ampliar o número de participantes e incentivar a importância das adesões para visibilidade e divulgação dos acervos. Caso conheça alguma instituição que ainda não seja participante do projeto, entre em contato conosco pelo e-mail sna.apers@yahoo.com ou pelo telefone (51) 3288-9134.

3ª Semana Nacional de Arquivos do APERS: aconteceu por aqui!

Deixe um comentário

O Arquivo Nacional (AN) e a Fundação Casa de Rui Barbosa (FCRB) promovem, desde 2007, a “Semana Nacional de Arquivos – SNA”, que se insere no calendário internacional de celebração do dia Internacional dos Arquivos (09 de junho). Essa é uma das ações previstas no Plano Setorial de Arquivos (2017-2027), elaborado pelo Colegiado Setorial de Arquivos do Conselho Nacional de Política Cultural (CNPC): uma Semana como um período dedicado a eventos de cunho acadêmico ou artístico-cultural relacionados aos arquivos de todo o país. Seu objetivo é aproximar as instituições de acervo arquivístico, ampliar a visibilidade, divulgar e inserir na sociedade os valiosos trabalhos por elas desenvolvidos.

O Arquivo Público do RS, pensando na proposta da SNA, como gestor do Sistema de Arquivos do Estado do Rio Grande do Sul – SIARQ/RS, colocou-se a missão de multiplicador desta proposta, na esfera estadual, reafirmando seu compromisso como agente arquivístico junto à comunidade gaúcha e no cenário nacional. Para concretização deste compromisso idealizado, projetou parcerias com diversas instituições detentoras de arquivos, acervos de natureza pública ou privada, para efetivação de ações e atividades que incentivassem e potencializassem a visibilidade e difusão de seus acervos documentais, na promoção de cultura, pesquisa e conhecimento à comunidade em geral.

Em 2019 o APERS inseriu-se na Semana Nacional de Arquivos com ações próprias e como articulador de inúmeras outras que ocorreram na capital e no interior, como oficinas, visitas técnicas e guiadas, sessões de cinema, palestras, mesas redondas, rota turística, júri simulado, apresentações musicais, encontros e exposições, com o propósito de agregar a participação de diversas instituições arquivísticas.

Dentro das propostas de atividades do APERS, nesse ano foram realizadas:

1- Exposições “Caminhos dos Arquivos: Nossas Histórias, Nossas Heranças”, lançada no dia 3 de junho em formatos presencial e virtual, com o objetivo de despertar no público a curiosidade de conhecer acervos arquivísticos importantes, custodiados por instituições públicas e/ou privadas, difundindo memórias, serviços, espaços de cultura e pesquisas na valorização do patrimônio documental, institucional e sociocultural. O módulo virtual conta com o site www.caminhosdosarquivos.com, composto por 43 instituições, como referencial de acervos no RS.

2- Oficina “Genealogia” – ministrada no dia 8 de junho por Caroline Acco Baseggio, historiadora do APERS, e Adriana Weber, genealogista, com o objetivo de fornecer ferramentas e metodologias necessárias ao trabalho de pesquisa, assim como o interesse no conhecimento das raízes familiares, construção de árvores genealógicas e processos para fins de obtenção de segunda cidadania;

3- “Júri Simulado: Processo Joanna Eiras realizado no dia 3 de junho em parceria entre o APERS e o Grupo de Estudos e Intervenção em matéria Penal do Serviço de Assistência Jurídica Universitária – GEIP-SAJU, do Curso de Direito da UFRGS. A iniciativa consiste na simulação de julgamento da ré Joanna Eiras, com base nos processos criminais que fazem parte de nosso acervo e do imaginário porto-alegrense e gaúcho;

4- “Rota Turística Caminhos dos Arquivos” – uma caminhada realizada em parceria com o Sindicato Estadual dos Guias de Turismo Rio Grande do Sul -SINDEGTUR/RS. A rota partiu do APERS com visita guiada, seguindo em direção à Praça Marechal Deodoro (Praça da Matriz), com explanação sobre sua história e das demais instituições arquivísticas do entorno. A caminhada seguiu em visita aos memoriais do Legislativo e do Judiciário, parceiros do APERS. Saindo da Praça, à rua Riachuelo, o próximo ponto foi o Instituto Histórico e Geográfico do RS. Descendo a rua Caldas Júnior, em direção à Praça da Alfândega, foram apresentados o Arquivo Histórico do RS e o Arquivo Municipal de Porto Alegre, finalizando em frente à Prefeitura Municipal de Porto Alegre.

Agradecemos ao Sport Club Internacional pela doação de brindes, que foram sorteados sempre ao final das atividades.

Chegamos ao final da III SNA contabilizando a participação de 43 instituições na Exposição Virtual Caminhos dos Arquivos: Nossas Histórias, Nossas Heranças, e satisfeitos pela adesão de mais de 100 pessoas que prestigiaram os eventos Júri Simulado, Rota Turística e Oficina de Genealogia. Mantêm-se para o próximo ano nosso compromisso com a preservação da memória, despertando no público o interesse pelos acervos e pela história do RS.

Acesse fotos das atividades presenciais realizadas pelo APERS dentro da III Semana Nacional de Arquivos!

Posted by Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul on Wednesday, June 12, 2019

%d blogueiros gostam disto: