Conhecendo Arquivos Públicos Estaduais pelo Brasil: região Nordeste, parte I.

2 Comentários

Retomando nossa série de postagens sobre os arquivos públicos estaduais do Brasil, iniciamos o compartilhamento de informações que contribuem para refletir sobre a realidade encontrada nos estados da região Nordeste, composta por nove unidades federativas, todas elas com arquivos legalmente criados porém em diferentes estágios de institucionalização ou com diferentes dinâmicas de funcionamento. Para evitar uma leitura extenuante, trazemos dados gerais e em seguida mais detalhes a respeito dos  arquivos nos estados, o que será feito em duas partes – com sequência do texto na próxima semana.

A tabela a seguir traz um panorama das nove instituições, com seu ano de fundação, vinculação administrativa, endereço e contatos:

Tabela Arquivos Nordeste

Clique na imagem para ampliar.

Observa-se que a região agrega instituições arquivísticas criadas em distintos contextos históricos, desde o Arquivo Público do Estado da Bahia (1890), segundo arquivo estadual criado no país, atrás apenas do Arquivo Público do Paraná (1855), passando por instituições criadas ao longo de todo o século XX até chegarmos ao Arquivo mais recente, criado em dezembro de 2018 no estado da Paraíba, que ainda está em fase de implementação.

Cinco dos nove arquivos estão vinculados à área da Cultura (BA, CE, MA, PI e SE), sendo o Arquivo baiano um departamento da Fundação Pedro Calmon, e não um equipamento cultural diretamente vinculado à estrutura do Poder Executivo. Três deles são vinculados à esfera de Governo/Casa Civil (AL, PB e PE), e um à Administração (RN). Se na área de arquivos costuma-se defender que a vinculação a esfera de Governo é a mais adequada por uma questão de hierarquia dentro da Administração Pública, a partir da observação que foi possível realizar à distância, por meio de sites, redes sociais, trocas de e-mails, reportagens, entre outros conteúdos na internet, é complexo afirmar que isso determine diretamente as condições estruturais, a visibilidade social ou a inserção estratégica de tais instituições junto ao Estado, especialmente quando se trata de tentar entender o enraizamento dos processos de gestão documental.

Com exceção do estado do Piauí, para o qual não foi possível obter informação a respeito, todos os Arquivos dos demais estados em questão são oficialmente reconhecidos como órgãos centrais dos respectivos Sistemas de Arquivo estaduais. No caso do estado de Pernambuco, o Arquivo Público é identificado como responsável pela “Política Estadual de Gestão Documental”. Porém, existe pouca e esparsa produção identificada via internet que nos permita dimensionar o impacto da atuação na área, transparecendo que em alguns casos há dificuldades para a consecução dos objetivos traçados a partir da legislação.

A pesquisa que embasou essa série de postagens – realizada pela servidora Clarissa Sommer para sua dissertação de mestrado – contou com a resposta a mapeamentos e questionários enviados para os Arquivos Estaduais de todo o país, retornos esses que não foram obtidos em todos os estados da região Nordeste, dificultando a construção de uma análise mais precisa. Entretanto, alguns apontamentos podem ser compartilhados, começando hoje pelos cinco primeiros estados da região em ordem alfabética:

Fotos arquivos Nordeste

Arquivo Público de Alagoas – mesmo contato com uma equipe pequena, nove pessoas entre servidores e bolsistas, o APA busca manter um perfil de instituição cultural atuante por meio das redes sociais e da realizando exposições e eventos periódicos, como os promovidos por meio do projeto “Chá de Memória”, que objetiva socializar o acervo do APA a partir de atividades mensais como palestras e mesas redondas sobre os mais variados temas. Possui um moderno laboratório de conservação e restauração de documentos considerado referência no Nordeste (para notícia a respeito, clique aqui), assim como salas climatizadas com controle de temperatura e umidade. Também promovem visitas técnicas e cursos com orientações quanto à gestão e preservação de documentos nos órgãos do estado. Clique aqui para saber mais.

Arquivo Público da Bahia – espaço tradicional de pesquisas, possui acervo riquíssimo que remete ao período inicial de colonização do Brasil, o que coloca o APEB entre as principais instituições arquivísticas do país. Ao que foi possível levantar, conta com equipe de cerca de 30 pessoas. Seu acervo começou a ser descrito por meio do ICAAtoM, que pode ser acessado aqui. Embora não tenha sido possível um contato mais próximo com servidores por meio da resposta aos questionários, percebe-se que sua equipe mantém-se atuante junto aos fóruns da área de arquivos, participando de eventos e publicações. A instituição lutou ao longo de anos pela reforça de sua sede, o Solar da Quinta do Tanque, conquistada que vem sendo alcançada por etapas desde 2012. Atualmente o espaço está em obras que visam sua requalificação – para a notícia a respeito, clique aqui.

Arquivo Público do Ceará – sua sede passou por restauração recente: pintura externa e interna, reforma de banheiros, recuperação e pintura de esquadrias em madeira e vidro, reforma da coberta, duplicação da estrutura do mezanino para acondicionamento dos documentos que compõem o acervo. Vem desenvolvendo projetos de digitalização de documentos (notícia aqui) para ampliar o acesso ao acervo, assim como atividades na área de gestão documental, como o Encontro de Arquivos Públicos e Privados do Ceará, realizado em outubro de 2018 (para saber mais, clique aqui) e uma série de audiências públicas no intuito de sensibilizar para a criação de arquivos municipais.

Arquivo Público do Maranhão – além da direção, a equipe de cerca de 30 pessoas, entre elas seis estagiários e três vigias, distribui-se entre os serviços de Apoio Técnico, Processamento e Informática, Gestão do Sistema de Arquivo, Apoio Administrativo, Biblioteca de Apoio, Laboratório de Conservação e Restauração de Papéis e Laboratório de Digitalização. Vem promovendo uma série de exposições para difusão do acervo (como esta aqui), oficinas na área de conservação preventiva e preservação de documentos (como esta aqui), além de reuniões com órgãos setoriais para promover a implantação de uma política de arquivos.

Arquivo Público da Paraíba – como já referido, a instituição está em fase de implementação, mas ao que tudo indica nasceu de um processo de mobilização e diálogo entre instituições culturais, universidades e poder público. Até o momento, não havia um Sistema de Arquivos e a documentação produzida na esfera estadual estava segmentada em três arquivos desarticulados e não institucionalizados: Arquivo Histórico Waldemar Duarte (Secretaria de Cultura do Estado), Gerência Operacional de Arquivo e Documentação (Secretaria de Administração do Estado), e Arquivo dos Governadores (Diretora do Departamento de Documentação e Arquivo da Fundação Casa de José Américo – FCJA, também subordinada à Cultura). A Lei 11.263/2018 cria o Arquivo Público, o Sistema Estadual de Arquivos e define as diretrizes da política estadual de arquivos. Talvez por ter sido promulgada tão contemporaneamente, e em um contexto de debate com múltiplos agentes da área de arquivos, apresenta-se como uma legislação bastante atual e completa. A última informação a que tivemos acesso (aqui) refere a nomeação do quadro diretivo do APEPB.

Até a próxima quarta-feira!

Participe junto com o APERS da II Semana Acadêmica de História da PUC

Deixe um comentário

Imagem

Já estão abertas as inscrições para participação no minicurso Historiadores em Arquivos: por quê?. Nessa atividade, serão apresentados trabalhos que foram realizados por historiadores no Arquivo Público do Rio Grande do Sul, a partir do acervo da instituição, na perspectiva das problematizações da história pública e no contexto de atuação das Comissões Nacional e Estadual da Verdade. Além disso, tendo como ponto de partida reproduções de documentos do APERS, serão propostas atividades e provocadas reflexões acerca da importância da presença de historiadores em instituições de guarda de acervo, sobretudo públicas; da importância dos arquivos para a preservação, organização e garantia de acesso aos documentos; e das funções sociais que guardam consigo os arquivos, naquilo que diz respeito a ampliação do espaço de produção, do público que elabora e acessa informações e dos usos do conhecimento histórico.

A programação completa do evento pode ser acessada em II Semana Acadêmica do Curso de História, local no qual também são realizadas gratuitamente as inscrições. Faça já a sua e participe!

Exposição virtual “Caminhos dos Arquivos – Nossas História, Nossas Heranças”: arquivos de Porto Alegre

Deixe um comentário

Dando continuidade à série de postagens mensais que tem por objetivo compartilhar experiências e conhecimentos sobre o Programa Caminhos dos Arquivos, no qual encontra-se incluído o projeto de exposição, em módulos virtual e presencial, denominada “Caminhos dos Arquivos: Nossas Histórias, Nossas Heranças”. Este Programa faz parte das ações do APERS na Semana Nacional de Arquivos (SNA), em parceria com outras instituições arquivísticas gaúchas, com o objetivo de expor acervos e informações sobre as instituições e seus serviços, promover a consciência da importância dos arquivos, como um referencial, um guia de arquivos, na preservação do passado e valorização do patrimônio histórico.

Como destaca LOMBARDI (2004), “as fontes resultam da ação histórica do homem e, mesmo que não tenham sido produzidas com a intencionalidade de registrar a sua vida e o seu mundo, acabam testemunhando o mundo dos homens em suas relações com outros homens e com o mundo circundante” (p.155). Assim, falaremos, neste mês, sobre instituições de Porto Alegre:

Colégio Farroupilha

Memorial Deutscher Hilfsverein ao Colégio Farroupilha – fundado em 05 de junho de 2002, caracteriza-se como um espaço museológico, pedagógico e de pesquisa, que possibilita uma variedade de temas e objetos para analisar a trajetória de uma instituição de mais de 150 anos, configurando-se como patrimônio cultural escolar do Colégio Farroupilha de sua fundação até os nossos dias, exemplar e emblemático da história da educação de Porto Alegre e do RS. Tem como prêmio o Certificado de Menção Honrosa no 10º Prêmio em Responsabilidade Cultural – Categoria Desenvolvimento Cultural (2015) e a publicação de dois livros (2013 e 2015) do grupo de pesquisa coordenado pela Dra. Maria Helena Camara Bastos “Do Deutscher Hilfsverein ao Colégio Farroupilha/RS: entre memórias e histórias (1858-2008)” (PUCRS, CNPq, FAPERGS), organizados por Maria Helena, Dra. Alice Rigoni Jacques e Dra. Dóris Bittencourt Almeida. A unidade de Gestão Documental tem por finalidade preservar e divulgar o patrimônio histórico escolar da instituição e de sua mantenedora – a Associação Beneficente Educacional (ABE – 1858), fundada por imigrantes alemães há 161 anos. Promove, assim, o acesso à pesquisa, além de exposições, oficinas e aulas temáticas.

Endereço: Rua Carlos Huber, 425, bairro Três Figueiras, Porto Alegre/RS

Horário de funcionamento: 8h às 12h (2ª à 6ª Feira) – 14h às 17h (2ª, 3ª e 4ª feira)

Contatos: (51) 3455-1858 e 3455.1875 memorial@colegiofarroupilha.com.brSite Facebook 

DAER

Biblioteca Eng.º Darcy Gonçalves Teixeira/Escola de Gestão Daeriana (EGD)/ DAER-RS – vinculada à Diretoria Técnica, em 1937 foi criada a Biblioteca Eng.º Darcy Gonçalves Teixeira pelo engenheiro Alfredo M. Waldeck no Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem. O Eng.º Clóvis Pestana, diretor da Diretoria Técnica, assim descreveu o feito na época: “Conquistas mais recentes da técnica moderna: Laboratório, Biblioteca e Boletim do DAER”. Inicialmente voltada às obras de engenharia, o local foi referência para servidores e estudantes na realização de pesquisas, além de formação e atualização profissional por mais de sete décadas, tendo sido fechada em 2010. Teve sua reabertura no ano de 2015, alinhada à nova estratégia de modernização da autarquia que instituiu o Programa de Educação Profissional do Departamento (Escola de Gestão Daeriana) e a disseminação da produção teórica e prática do corpo técnico. Atualmente, detém o acervo de, aproximadamente, 20 mil itens, entre eles 5 mil fotografias, no espaço que tem o nome do primeiro diretor da Divisão de Estudos e Projetos do Daer, Eng.º Darcy Gonçalves Teixeira, grande incentivador da biblioteca. Possui características de um Centro de Documentação, pois reúne seu acervo pelo assunto de Engenharia Rodoviária. O acervo é composto de livros, relatórios, periódicos, manuais, mapas e fotografias da construção e conservação de rodovias e obras de arte especiais (pontes e viadutos) no Estado do Rio Grande do Sul. Possui raridades como: Plano de Viação do Rio Grande do Sul de 1931, Tratado de Marcenaria de 1871 (obra em francês), Livros manuscritos de Hidráulica, Livros em alemão sobre Matemática/Astronomia (189-), Livros de História do RS (19-?) e possuía Projetos da Diretoria de Obras (a partir de 1865) – Doados ao Arquivo SEP. Destacamos também o Boletim do DAER (1938-1972) que continha além da construção de rodovias e pontes (com descrição das técnicas, cálculos e métodos utilizados), informações das cidades e características dos locais onde as rodovias eram construídas. Há, por exemplo, um artigo do jornalista Glênio Peres abordando o Turismo no Rio Grande do Sul com ricas descrições e fotografias dos locais. Hoje, a Biblioteca é referência como fonte de pesquisa para estudantes, engenheiros, historiadores, entre outras formações, auxiliando a diversos órgãos e universidades como o DNIT, a UFRGS, a PUC-RS, a USP, a UNB, entre outros. Serviços Prestados: Consulta local; empréstimo mediante cadastro (apenas para servidores e estagiários do Daer); orientação na utilização dos recursos de informação da biblioteca; levantamento bibliográfico e auxílio à pesquisa, e visita guiada.

Endereço: Av. Borges de Medeiros, nº 1555, 3º andar, Bairro Praia de Belas, Porto Alegre/RS

Horário de Funcionamento: das 13h30 às 18h | de segunda a sexta-feira

Contatos: (51) 3210-5090 – biblioteca@daer.rs.gov.br – Site

IPE-PREV

Arquivo do IPE-PREV – A Previdência brasileira como a concebemos hoje teve origem em 1923, com a Lei Eloy Chaves. A partir desta Lei, a proteção social no Brasil passou a contar com uma instituição que oferecia pensão, aposentadoria, assistência médica e auxílio farmacêutico. Até o ano de 1923, as instituições concediam apenas um ou outro benefício. Hoje, a pensão e a aposentadoria são benefícios indispensáveis para que se caracterize uma instituição previdenciária. Na década de 30, o sistema previdenciário reestruturou-se, mantendo as bases corporativas. A relação entre Estado e classe operária foi organizada, mediante a interligação de três sistemas: sindicatos, Justiça do Trabalho e política previdenciária. Ao final da década de 40, tínhamos dez vezes mais segurados do que em 1934. O IPERGS foi criado a oito de agosto de 1931, por meio do Decreto nº 4.842, pelo então interventor federal no estado General José Antonio Flores da Cunha. Sua primeira sede localizava-se na Praça da Alfândega, atual Edifício Imperial. O primeiro presidente do IPERGS foi o Engenheiro Egydio Hervê. O Arquivo permanente está em fase de organização para disponibilizar o acesso à fontes que contam a história da Instituição no contexto político e social do Estado e do País.

Endereço: Avenida Borges de Medeiros, 1945, bairro Praia de Belas, Porto Alegre/RS

Horário de Funcionamento: Seg. – Sex. 08:00 – 17:00

Contatos: (51) 3210-5623 – planejamento-gestao@ipe.rs.gov.brSite – Facebook

Servidores do APERS participam de eventos do Dia Estadual do Patrimônio Cultural

Deixe um comentário

2019.08.22 Dia do patrimonio cultural

No dia 17 de agosto foi comemorado o Dia do Patrimônio Cultural. A celebração estadual foi promulgada em 2019 pelo atual governador, Eduardo Leite. A data foi criada por meio do decreto nº 54.608, de 25 de abril deste ano, institui o Dia Estadual do Patrimônio Cultural e sua comemoração no terceiro final de semana de agosto. Em âmbito nacional, a data já é comemorada em 17 de agosto – nascimento de Rodrigo Melo Franco de Andrade, fundador do IPHAN e diretor da instituição por 30 anos.

Sexta-feira, dia 16 de agosto, o Ministério Público do Rio Grande de sul, em alusão à data, comemorou no evento “Patrimônio Cultural: Encontro de Reflexão” através de palestras com vários representantes de diferentes órgãos que protegem e difundem o patrimônio estadual. Cleo Lopes, Maria Cristina Fernandes, Ana Karina Uberti e Juliano Balbon estiveram presentes e prestigiaram o evento e a instituição. Para mais informações sobre o encontro acesse aqui.

No sábado, dia 17 de agosto, Maria Cristina Fernandes e Juliano Balbon participaram do “Percurso do Patrimônio Cultural da Saúde”, promovido pela Unimed Federação em Porto Alegre. Neste evento foram visitados o Museu da História da Medicina do Rio Grande do Sul – MUHM, o Centro Histórico Santa Casa, o Centro de Documentação da AMRIGS e para finalizar a recepção no Memória e Cultura Unimed Federação do RS. No espaço havia, além da visitação ao local de memória da empresa, a exposição do artista Paulo Favalli.

Servidor do Arquivo Público participa de exame de qualificação na UFRGS

Deixe um comentário

2019.08.22 Cartaz Banca Taiane LopesNo dia 14 de agosto de 2019, o servidor Rodrigo de Azevedo Weimer, junto com a historiadora Fernanda Oliveira da Silva e a professora orientadora Regina Weber, participou da banca de qualificação da mestranda Taiane Naressi Lopes, cujo trabalho intitula-se A “Vila África” na perspectiva de mulheres negras: território, racialização e memória em Taquara (RS).

Foi uma tarde muito produtiva, com ricas discussões e possibilidades de encaminhamento de sua dissertação!

Que tal uma foto sua em nosso Instagram?

Deixe um comentário

2019.08.14 Chamada Imagem do Pesquisador

O Instagram do APERS já nasceu convidando à interação! A categoria de postagens “Imagem do Pesquisador” foi pensada para ampliar nosso diálogo com a sociedade, abrindo a possibilidade de que nossas usuárias e usuários façam parte de nossa história também nas redes sociais! Você que conhece o APERS e realizou algum registro fotográfico atual dos documentos de sua pesquisa, ou possui registros antigos da instituição (como gravura, recorte de jornal, folheto, etc), convidamos a nos enviá-lo para que, se selecionado, seja compartilhado na rede social.

Para participar, escolha uma imagem autoral dos prédios, acervos ou documentos e mande para o e-mail divulga-apers@planejamento.rs.gov.br com o título “Imagem do Pesquisador”. A fotografia deve vir com descrição, por exemplo: se for de um documento, breve conteúdo do mesmo, seu número, de qual acervo faz parte, temática de pesquisa, etc, assim podemos contextualizá-lo na postagem, e claro, o nome completo do autor ou autora da fotografia.

Todo último dia de postagem do mês, o APERS escolherá uma “imagem do pesquisador” para compartilhar no perfil, e dar os créditos especiais ao usuário participante. Em agosto essa postagem especial acontecerá dia 29. Participe!

Ainda não nos segue no Insta? Acesse nosso perfil pesquisando por @arquivopublicors ou clique aqui. Nos vemos lá!

APERS lança perfil no Instagram e abre espaço para pesquisadores

Deixe um comentário

No dia 1º de agosto, comemorando os 8 anos do Divulga APERS, seu serviço de difusão virtual, o Arquivo Público do RS lançou sua conta no Instagram, rede social online de compartilhamento de fotos e vídeos entre seus usuários.

2019.08.07 Lançamento Instagram

Desde 1º de agosto de 2011 o APERS mantém o Divulga APERS, criado a partir da compreensão de que seria importante acolher as novas ferramentas de comunicação para ampliar a visibilidade da instituição e divulgar suas ações; estimular a pesquisa em seus acervos e fidelizar seus usuários; aproximar a sociedade e incentivar a sua participação nos eventos promovidos. À época, após estudo das mídias em meio eletrônico utilizadas por instituições públicas afins, em 2011 optou-se por criar o blogue livre (plataforma WordPress), e o microblogue Twitter. Em março de 2012 criou-se também a fanpage do APERS junto ao Facebook.

Passados alguns anos dessa rica experiência, após 1.445 postagens, mais de 900 mil visitantes e uma média diária de 330 visualização no blog, 1.794 seguidores no Twitter e 6.258 curtidas no Facebook, acreditamos que é tempo de renovar. Acompanhando os desdobramentos dos usos das mídias sociais e percebendo o crescimento do Instagram enquanto ferramenta de conexão entre pessoas, propusemos que o APERS passasse a fazer parte dessa rede com o objetivo de ampliar a interação com a sociedade por meio de uma rede social visual e dinâmica, assim como de celebrar mais um aniversário do Divulga.

Serão quatro categorias de postagem: Conjunto Arquitetônico, enaltecendo seus prédios com fotos antigas e atuais os prédios, tanto externas quanto internas, de suas estantes/prateleiras, escadarias, iluminação, janelas, portas, jardim, ou seja, toda estrutura patrimonial do APERS; Acervo Documental, divulgando acervos e documentos do Arquivo, aqueles mais acessados, mais pesquisados, ou até mesmo aqueles fundos que ainda não são conhecidos pelo grande público/pesquisadores, também documentos relativos a datas importantes do estado, ou aqueles que remetem a temas e acontecimentos presentes no imaginário e nas memórias afetivas dos gaúchos; e por fim, Conservação e Preservação, categoria em que apresentamos processos de conservação preventiva e restauro, materiais e maquinários utilizados nessas atividades. As postagens acontecerão todas as segundas e quintas-feiras.

A última das categorias é um convite à interação: chama-se Imagem do Pesquisador, e foi pensada para aumentar nosso diálogo com as e os usuários do APERS, abrindo a possibilidade destes fazerem parte da nossa história também nas redes sociais! Você que conhece o APERS e realizou algum registro fotográfico atual dos prédios, acervos ou documentos de sua pesquisa, ou possui registros antigos da instituição (com gravura, recorte de jornal, folheto, etc), convidamos a nos enviá-lo para que, se selecionado, seja compartilhado na rede social.

Para participar, você pode escolher uma imagem autoral dos prédios, acervos ou documentos e mandar para o e-mail divulga-apers@planejamento.rs.gov.br com o título “Imagem do Pesquisador”. A fotografia deve vir com uma breve descrição, por exemplo, se for de um documento, breve conteúdo do mesmo, seu número, de qual acervo faz parte, temática de pesquisa, etc, assim podemos contextualizá-lo na postagem, e claro, o nome completo do autor da fotografia.

Todo último dia de postagem do mês, o APERS escolherá uma “imagem do pesquisador” para compartilhar no perfil, e dar os créditos especiais ao usuário participante. Neste mês de Agosto, essa postagem especial acontecerá dia 29.

Se você ainda não nos segue, poderá acessar nosso perfil no Instagram pesquisando por @arquivopublicors ou acessando o link. Nos vemos lá 😉

Vem ai o 8º Curso de Formação para Professores do PEP UFRGS-APERS!

Deixe um comentário

Desde 2011 nosso Programa de Educação Patrimonial UFRGS-APERS promove, anualmente, um curso de formação para professores que relaciona o mundo do patrimônio documental, a educação patrimonial e temáticas sensíveis à educação no tempo presente.

Em 2018, devido a outras atividades, realizamos um evento especial de encerramento do ano voltado ao público de professores e estudantes, mas não foi possível oferecer uma edição do curso em si. Mas para 2019 temos novidades: realizaremos, em parceria com o Núcleo de Pesquisa em História (NPH/UFRGS) e o Departamento de Educação e Desenvolvimento Social (DEDS/UFRGS), o Simpósio Curso Questões para a História Negra do RS  &  8º Curso de Formação para Professores PEP UFRGS-APERS.

2019.08.07 Cartaz Curso História Negra PEP UFRGS APERS 2019

As atividades ocorrerão nos dias 01, 02 e 03 de outubro, nas dependências do Arquivo Público (Rua Riachuelo, 1031, Centro Histórico de Porto Alegre/RS). As inscrições, no valor de R$10,00, garantem certificado de 30h, e serão feitas entre os dias 19 de agosto e 30 de setembro – em breve divulgaremos o link para isso. As vagas são limitadas e a inscrição de professores da Educação Básica será priorizada.

Acesse a programação e mais informações clicando aqui. Agende-se e participe!

Entrevista com Paulo Roberto Staudt Moreira – parte 4 de 4

Deixe um comentário

logo apers entrevista

Hoje compartilhamos a última parte da entrevista com o professor Paulo Roberto Staudt Moreira. Na semana anterior, parte 3, o entrevistado observava o vigor e a riqueza da pesquisa empírica no Rio Grande do Sul.

Rodrigo:

– Mas ao mesmo tempo a gente percebe, não tem nenhum estudo mais consistente sobre isso, mas a gente percebe, a intuição que se tem muito claramente e tem a mesma intuição de outros arquivos, é a diminuição, talvez, do número de frequentadores nas salas de pesquisa, diminuição dos frequentadores dos arquivos. A gente tem alguns movimentos contrários, a gente tem essa renovação e esse enriquecimento da historiografia, mas a gente tem uma diminuição, um recuo ao período anterior do número de historiadores que tem essa pesquisa empírica. Então, a gente queria perguntar se tu acha que tem um risco de um empobrecimento da produção historiográfica com esse recuo por procura aos arquivos, ao mesmo tempo em que existem profissionais da História que meio que exortam a abrir mão da pesquisa empírica, secundarizar, como se não fosse tão importante assim…?

2019.08.07 PauloPaulo:

– Eu acho que a gente teve um crescimento, assim, geracional da questão empírica. Quer dizer, a minha geração sentiu direto isso, era uma empolgação de ir para arquivo e pesquisar documentação de arquivo de uma forma intensa, muito quantitativa e tal, a gente foi muito para arquivo e foram gerações nesse sentido. Eu não consigo ainda avaliar direito, não sei se a gente pode nesse momento avaliar se a diminuição do público de arquivo ela está diretamente ligada a uma diminuição da utilização de fontes primárias na pesquisa histórica ou se é um pouco do impacto da tecnologia. Porque hoje em dia a gente tem várias fontes primárias que estão disponíveis na internet, por exemplo, quem já caiu na Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional sabe disso, a gente enlouquece lá. Então tu tem muitos jornais a disposição, tu tem muitos acervos que estão ligados a essa questão. Acho que também as pessoas que vem para o Arquivo, muitas vezes, é uma frequência rápida, a máquina digital possibilita isso, então, as pessoas vão para os arquivos e fotografam e levam para casa pesquisar. Os tempos de mestrado e doutorado são muito exíguos, um mestrado de dois anos, cara, é muito pouco tempo. Então as pessoas têm que otimizar muito isso. Eu ainda não estou vendo essa questão muito de um recuo da empiria, assim, eu acho que a gente ainda está numa certa onda mais empírica que eu espero que se mantenha, só que eu acho que os próprios prazos estão prejudicando que o pessoal faça pesquisas mais exaustivas. É por isso que normalmente o cara que vai fazer uma boa pesquisa no mestrado, ele já vem com essa pesquisa como bolsista de iniciação científica, ele já está inserido num projeto, então, eu acho que nesse sentido a gente vai verificar isso. O que eu sinto como historiador é que a gente perdeu um pouco dessa sociabilidade arquivística, assim, sabe? A gente tem frequentado muito pouco arquivo. Às vezes eu acho que certas iniciativas dos arquivos, como eu tenho visto aqui, me parece muito positiva, por exemplo, a Mostra do Arquivo Público eu acho muito legal, não tenho vindo nas últimas, mas as primeiras que a gente teve era muito bom. Era a gente vir para arquivo para discutir pesquisas entre pessoas que frequentavam o Arquivo, então, isso era um ambiente que saía um pouco das disputas institucionais e tal, e o Arquivo aparecia como tipo um oásis, assim, “Venham aqui discutir as suas pesquisas”. Então eu não sei, eu ainda não consigo avaliar direito que a gente está tendo um recuo do empírico, eu acho que a gente ainda tem que pensar um pouco a respeito disso, um pouco esse impacto tecnológico, as fontes sendo disponibilizadas pela internet e tal, não sei ainda como é que isso vai impactar. O que eu vejo é que há um certo desânimo com as ciências humanas em geral, eu acho que tenho visto muita gente deprimida na pós-graduação, doente mesmo pelo clima político que se instalou no país nos últimos tempos, de agressividade a determinados temas, temas mais reivindicatórios que dialogam com a contemporaneidade, questão de gênero e também, assim, tenho visto pessoas que sentem muito o impacto da própria profissão de professor, porque tu termina um mestrado, tu vai ser professor, doutorado, tu vai ser professor, então, o impacto disso, assim, negativamente dentro do nosso ethos profissional, a gente tem sido muito achincalhado. Eu vejo muito isso, as pessoas se sentindo muito tocadas por essa questão. Mas eu continuo achando que a investigação empírica é muito importante para nós. Acho que é um pouco da coisa do campo, que é de você sair da Academia e ir para campo, seja tu fazer história oral, seja tu frequentar arquivo, isso mexe com a tua sensibilidade. Produzir uma investigação que tenha esse contato com fontes, seja elas de que origem for, eu acho que acaba modificando a tua sensibilidade ou aprimorando a tua sensibilidade com relação aos projetos de pesquisa e também os objetos de pesquisa.

Rodrigo:

Mas tu não achas que de parte [da academia], de dentro, não vem, por alguns setores, um questionamento à pesquisa empírica?

Paulo:

Pode ser, e eu acho também que, uma coisa que eu vejo e percebo em alguns colegas, a gente hoje em dia está numa onda que não sei como vai sair, porque somos corresponsáveis disso: nós estamos numa superprodutividade, a gente é obrigado a produzir muito em termos de artigo, não só de produção técnica, de dar parecer, mas de produção bibliográfica, escrever artigo, capítulo de livro e tal. E a pesquisa empírica, ela não é algo rápido de fazer, então, se você pensa um projeto de pesquisa e tem como lastro a pesquisa empírica, tu pensa em algo que tem um tempo de maturação mais longo e que, muitas vezes, tu não consegue durante esse tempo produzir coisas, mesmo que sejam resultados parciais. Hoje em dia a gente tem produzido muitos resultados parciais, a gente não está dando tempo de a pesquisa terminar. Então, eu vejo em alguns colegas de que se você faz um projeto de pesquisa cujo lastro é a documentação empírica, a fonte primária, é a frequência em instituições que custodiam, quer dizer, a frequência a lugares de memória propriamente dito, isso demanda que o tempo que tu tem de produção bibliográfica e de produção intelectual é um tempo maior. Então, nesse sentido, talvez sim. Talvez o que eu tenho percebido, as vezes, é um acréscimo ou um desvio para projetos de discussão mais historiográfica. Mas eu acho que isso está muito ligado a essa armadilha que a gente se colocou que é da superprodução, de que a gente tem que produzir. Hoje em dia o mundo acadêmico não permite que tu termine teu projeto para produzir alguma coisa, tu é demandado a, durante o projeto, ir produzindo produtos ocasionais, subprodutos daquilo. Então, trabalhar com documentação empírica tem isso, tu está alicerçando o teu projeto numa potencial produção de no mínimo médio prazo, é no mínimo médio prazo, ninguém vai se jogar numa pesquisa empírica e produzir a curto prazo. Isso pode gerar uma certa timidez dos historiadores de pensar uma pesquisa que – os colegas não empiristas não vão gostar – mas de uma pesquisa mais cômoda, talvez, uma pesquisa que tu realize de forma historiográfica e tal. Acho que a gente perde o prazer da pesquisa, acho que quem faz isso não sabe o que está perdendo. Porque nada como sentar a bunda num arquivo e saborear um processo-crime… (risos) é genial isso, é muito bom.

Rodrigo:

– Bom, uma última questão. Em um mundo de pós-verdades, de narrativas autovalidadoras, como tu percebe a importância dos arquivos para a historiografia?

Paulo:

– Eu acho que o Arquivo, quando eu digo que o arquivo ele tem sentido para mim, que é sentido político, para mim dialoga diretamente com essa questão mais profissional, mais historiográfica. Eu acho que o documento, a fonte primária, a frequência em arquivo, para mim, ela representa um pouco, não vou dizer a garantia porque isso me parece muito empirista e positivista, mas eu acho que é um certo investimento quanto historiador numa história que não desiste de ser explicativa, de uma história que não desiste de ser interpretativa, de montar um discurso historiográfico. Às vezes, eu sinto um certo receio das pessoas de construírem essa verdade histórica com medo de virar vitrine, com medo de receber pedrada e fazerem críticas. Mas eu acho que o acesso a esses documentos de experiência humana no passado nos ajudam a pensar essa ideia de que a história pode construir, pode elaborar um discurso explicativo e sempre um discurso que dialoga entre passado e presente. É um discurso que, as vezes, é muito cheio de ansiedade, né? Quando o presente nos oprime e nos enche de ansiedade, mas é também um discurso que nos enche de esperança, porque a gente sabe que vai passar. Então, eu acho que a possibilidade de construção de um discurso histórico explicativo, para mim, eu sei que tem historiadores que não estão nessa perspectiva, mas eu acho que eles ajudam a gente pensar numa história que construa algo, um discurso do entendimento do passado, assim como um diálogo com o presente. Para mim é um pouco essa questão.

********

A partir do mês de setembro, voltamos com o “APERS Entrevista” sempre na primeira e na segunda quarta-feira de cada mês. Nos acompanhe. Até lá!

Atividades SIARQ/RS – Julho 2019

Deixe um comentário

SIARQ 30 Anos para Notícia Mensal

O Arquivo Público do RS, enquanto Órgão Gestor do Sistema de Arquivos do Estado do Rio Grande do Sul – SIARQ/RS, atua para efetivar a gestão documental nos órgãos do Poder Executivo. Durante o mês de julho os servidores participaram de reuniões de assessoria técnica, reuniões de comitês e grupos de trabalho, que listamos abaixo:

Dia 01 a 31: Na Companhia Rio-Grandense de Artes Gráficas (CORAG), os arquivistas do APERS Juliano Balbon e Maria Cristina Fernandes realizaram onze (11) visitas de assessoria técnica, para orientações e verificação das atividades de gestão documental para transferência e recolhimento de documentos.

Dia 02: os arquivistas Maria Cristina Fernandes e Juliano Balbon receberam no APERS o funcionário da Fundação Gaúcha de Trabalho e Assistência Social – FGTAS, Evandro Pires, em reunião sobre orientações para fins de criação da Comissão Permanente de Avaliação de Documentos e demais informações sobre o SIARQ/RS.

Dias 04, 11, 18 e 25: os arquivistas Cléo Belicio Lopes e Jonas Ferrigo Melo participaram das reuniões do Comitê Gestor do PROA, realizadas na Sala de Gestão da SEPLAG, onde foram analisadas as demandas recebidas dos órgãos usuários e outros temas relacionados à implantação do Sistema.

Dia 05: os arquivistas Juliano Balbon e Cléo Belicio receberam, no APERS, os funcionários do IPE-Saúde, em reunião sobre atualização e alterações no Plano de Classificação e Tabela de Temporalidade de Documentos do Instituto. Participaram: Bárbara Veleda, Carlos Dinarte Keppler, Thais Silva e Thiago Gomes.

Dia 09: os arquivistas Maria Cristina Fernandes e Juliano estiveram na Secretaria da Fazenda – SEFAZ, em reunião para prestarem orientações sobre eliminação de documentos, conforme as normativas do SIARQ/RS. Participaram pela SEFAZ: Luís Carlos Brundo, Luis Antônio Medina Gomez, Cristiane Costa da Rosa e Diego da Silveira Perecchi de Barcellos.

Dia 17: o Comitê Gestor do SIARQ/RS esteve reunido no APERS, tendo com pautas a recomposição do grupo, a partir da publicação da Portaria 124/2019/SEPLAG, de 14 de junho de 2019, e a definição de prazos de guarda de documentos da CORAG e FDRH. Participantes: Aerta Moscon, Cléo Belicio, Jonas Melo, Renata Vasconcellos, Maria Cristina Fernandes, Juliano Balbon, Nôva Brando e Clarissa Sommer Alves (APERS); Celso Aramis Garcia (PROCERGS); Luís Otávio Silveira (SEFAZ); Priscila Garcia Nunes (SSP); Luiz Carlos Larratéa e José Marcos Carvalho (TCE); Ernesto José Toniolo e Maria Carla Garcia (PGE); e Miguelângelo Ferreira (SCC).

Dias 19 e 30: os arquivistas Aerta Grazzioli Moscon, Cléo Belicio Lopes, Maria Cristina Fernandes e Juliano Balbon e a historiadora Nôva Brando estiveram na Fundação de Ciência e Tecnologia – CIENTEC, em reuniões para prestarem orientações sobre gestão documental do acervo da Instituição. Participante pela CIENTEC: Rodrigo Saraiva.

Dia 30: os arquivistas Maria Cristina Fernandes e Juliano Balbon estiveram na Secretaria de Logísticas e Transportes – SLT, em reunião para prestarem orientações sobre eliminação de documentos, conforme as normativas do SIARQ/RS. Participaram pela SLT: Mauro Rogério Jardins Flores, Rosane Mello dos Santos e Lucas Rocha de Lima.

Dia 30: os arquivistas Maria Cristina Fernandes e Juliano Balbon estiveram na Divisão de Protocolo, Arquivo e Informações do Departamento Administrativo da Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão – DIPRO/DA/SEPLAG, em reunião com a arquivista Samantha Signor, para esclarecimentos sobre classificação.

Em julho, o Arquivo Público analisou seis (06) Listagens de Eliminação de Documentos visando a aprovação, recebidos por processos administrativos, conforme estabelecido pelo Decreto 52.808/2015, em seu Art. 6º, parágrafo V.

E, neste mês, foram recebidos na caixa do e-mail assuntos-proa@planejamento.rs.gov.br, vinte e sete (27) mensagens de diversos órgãos, referentes a solicitações, esclarecimentos de dúvidas com relação à atribuição de assuntos no Sistema PROA. Além desses, na caixa de correio do SIARQ/RS foram recebidos cinco (05) e-mails com questões sobre gestão documental.

Para solicitar assessoria ao SIARQ/RS, visando implementar as normativas e os instrumentos de gestão documental, pode entrar em contato pelo e-mail siarq-apers@planejamento.rs.gov.br ou telefone (51) 3288-9114.

Visitas guiadas ao APERS – Julho 2019

Deixe um comentário

Visitas Guiadas APERS

No mês de julho foram realizadas 05 visitas guiadas ao Arquivo Público do RS. Visitaram nossa instituição:

Dia 10: 13 alunos do curso Técnico em Biblioteconomia do Instituto Federal do Rio Grande do Sul -IFRS/Campus Porto Alegre, acompanhados pelo professor William Gontijo.

Dia 24: 52 alunos da Escola Estadual de Ensino Médio Bento Gonçalves, cidade de Canoas, acompanhados pela professora Patricia Pires.

Dia 25: 28 alunos do Programa Jovem Aprendiz do Instituto Leonardo Murialdo, acompanhados pelo professor Marcelo Silva.

Dia 29: pela manhã 15 alunos do curso de Administração da Unitec Escola Técnica, acompanhados pela professora Cintia Rebelo.

Dia 29: à tarde 10 alunos do curso de Administração da Unitec Escola Técnica, acompanhados pela professora Cintia Rebelo.

Guia: Iara Gomide.

Confira as fotos das visitas realizadas no mês de julho! Recordamos que nas segundas e sextas-feiras são ofertadas…

Posted by Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul on Wednesday, August 7, 2019

Lembramos que oferecemos, semanalmente, visitas guiadas ao conjunto arquitetônico, com duração de 1h30min, nas segundas-feiras às 14h30min e nas sextas-feiras às 10h. Agende sua visita pelo e-mail visitas@smarh.rs.gov.br ou ligue para (51) 3288 9134.

APERS em Números – Julho 2019

Deixe um comentário

Confira alguns dados referentes aos serviços realizados no APERS durante o mês de julho:

– Assessorias SIARQ/RS: 23

– Usuários atendidos: 410

Cidadão: 291

Usuários internos: 09

Pesquisadores: 110

Novos pesquisadores: 39

– Atendimentos aos usuários: 1.197

– Cidadão: 373

– Usuários internos: 56

– Pesquisadores: 768

– Indexação Sistema AAP: 1.549

– Visitas guiadas: 05

– Visualizações blog institucional: 10.499

Veja abaixo gráfico com os quantitativos diários de atendimento aos usuários referente ao mês de julho:

2019.08.07 Gráficos APERS em números
Clique aqui e saiba mais sobre os serviços que o APERS presta a comunidade.

%d blogueiros gostam disto: