APERS no Projeto Os Caminhos da Matriz. Participe!

1 Comentário

   No próximo sábado, dia 28 de abril, o APERS retoma sua participação no projeto Os Caminhos da Matriz, que está em seu 4º ano de realização e é uma parceria com Palácio Piratini, Solar dos Câmara, Memorial do Judiciário, Memorial do Ministério Público e Museu Julio de Castilhos.

   Neste sábado será oferecido o Roteiro 1, que inclui visita ao Palácio Piratini, Solar dos Câmara e Arquivo Público. O ponto de encontro é a Praça da Matriz, às 14h. A atividade é gratuita e não é necessário agendamento prévio. Participe!

Seminário Internacional Carlos Alberto Minhoca Tejera de Ré

Deixe um comentário

  O Seminário Internacional Carlos Alberto Minhoca Tejera de Ré: ditaduras do Cone Sul, repressão e resistência, foi  organizado pela UFRGS com o apoio do APERS, da Associação dos Amigos do APERS e de outras instituições. Será um espaço de reflexão sobre a temática e uma homenagem ao militante Carlos de Ré, conhecido como “Minhoca”, que lutou contra a ditadura militar no Brasil e faleceu há um ano.

   As inscrições podem ser feitas através do email projetocultural@sarh.rs.gov.br ou pelo fone (51)3288-9117. O custo é de R$10,00, com certificado de 20h. Participe!

APERS oferece Curso de Educação Patrimonial e Cidadania

Deixe um comentário

   Desde 2009 o APERS vem desenvolvendo na instituição um Programa de Educação Patrimonial, que conta com a parceria da UFRGS através da extensão universitária. Dentre as ações desenvolvidas a partir deste Programa está a capacitação de professores para o trabalho com a metodologia da Educação Patrimonial e qualificação profissional continuada.

   Nesta perspectiva, a partir de 05 de maio será oferecida a 2ª Edição do Curso de Educação Patrimonial e Cidadania, voltado a professores da rede pública de ensino. O curso é gratuito, com certificação de 30h. Mais informações e inscrições podem ser realizadas através do email acaoeducativa.apers@gmail.com ou pelo fone (51)3288-9117.

APERS Entrevista: Joana Peregrina Hernandes

1 Comentário

 Joana Peregrina

Joana Peregrina Hernandes é arquivista formada pela UFRGS em 2011/2. Trabalha no arquivo de um escritório de advocacia há três anos. Pesquisou sobre os “Sistemas de arquivos públicos: implantação dos instrumentos arquivísticos pelo Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul”, em seu Trabalho de Conclusão de Curso. Confira a entrevista de Joana:

Blog do APERS: Joana, você poderia comentar um pouco sobre como surgiu a ideia de pesquisar sobre a implementação dos instrumentos arquivísticas o elaborados pela equipe do APERS?

Joana: no começo do sétimo semestre, quando tive de elaborar o meu projeto, ainda tinha muitas dúvidas. Queria pesquisar sobre documentação açoriana, mas é muito limitada a pesquisa. Aqui no APERS não tinha muitas fontes, e no Arquivo Histórico também não. Então esta ideia foi se fechando e eu comecei a pensar sobre o que eu poderia fazer. E a professora Marlise, da Universidade, começou a me dar dicas, e disse para eu trabalhar com o Arquivo Público. Depois de muito pensar no que eu faria, pensei em trabalhar com os dois lados profissionais: do arquivista e do não arquivista. Então, desenvolvi todo o meu trabalho tendo por base os questionamentos que envolvem o papel do arquivista, e como o não arquivista vê este profissional. Achei importante, porque praticamente não achei bibliografia que falasse. Foi bem difícil para mim. Eu tive que ler até livros de Biblioteconomia, de marketing, porque na Arquivologia as publicações sobre esta temática são poucas. Além de referenciais sobre como podemos abordar para as pessoas que não são do meio da Arquivologia, como devemos pensar em elaborar perguntas, não pensando só na parte técnica, mas pensando nos usuários. Foi pensando nisto que comecei a elaborar este projeto. Entrevistei três pessoas que não são arquivistas, e foi ótimo, porque são pessoas abertas, que me deram todo o apoio para a entrevista. E ainda consegui identificar que tem pessoas que são interessadas e que não são da Arquivologia. Foi bem interessante e bem importante para mim, que vou trabalhar como profissional da Arquivologia.

Blog do APERS: como se deu a sua aproximação com este tema?

Joana: trabalhei com o Plano de Classificação e a Tabela de Temporalidade da UFRGS, então já tinha contato com os instrumentos. Só que, claro, cada instituição funciona diferente. Então na época pensei que era importante mostrar esta visão do Arquivo Público, porque é uma instituição sobre a qual sabia pouco. Depois que pesquisei sobre a parte do histórico, comecei a entender como tudo isto começou. E esta questão dos instrumentos arquivísticos, aprendemos de uma maneira muito superficial na Universidade. Quando comecei a conversar com as pessoas, inclusive os não arquivistas, eles disseram que para eles o processo foi demorado, até que pudessem entender.

Blog do APERS: qual a importância desta vivência para tua atuação enquanto profissional?

Joana: eu queria analisar o entendimento dos não arquivistas sobre o nosso trabalho. Queria aprender a melhor forma de trabalhar com as pessoas que não são da área, os nossos clientes. Fiquei impressionada com o interesse e comprometimento dos servidores não arquivistas que entrevistei. Mesmo não sendo da área, eles têm interesse em aprender e implementar as políticas de gestão documental. Este trabalho me ensinou que eles têm dificuldade, mas que existem pessoas que gostam, que entendem a importância de preservar a documentação, que não é apenas separar por cinco anos e descartar, que não é só rasgar os papéis. Esse trabalho foi além daquilo que eu esperava.

Blog do APERS: qual a sua dica para os pesquisadores que estão começando agora a lidar com fontes primárias?

Joana: A primeira coisa é “tenha persistência”, porque às vezes temos que ter uma dose de paciência. Tu não podes desistir! Porque acaba ficando um trabalho tão legal! E a outra dica é tentar interagir com os profissionais da tua área. Não querer competir com eles, ser amigo deles, agregar. Se eu quisesse ficar competindo com alguém talvez ninguém quisesse me dar a entrevista. Ser amistoso com as pessoas, porque no final o que sobra é a tua relação profissional com aquela pessoa. Eu tive dificuldade em achar literatura, mas as pessoas com quem falei sempre me davam uma dica. Até pessoas que não estavam fazendo parte do meu trabalho me ajudaram. Então é isto: tem que ser persistente, perseverante, e tem que ter paciência, ainda mais com as pessoas que já estão há muitos anos trabalhando. Para elas muitas vezes aquele trabalho já virou uma rotina, e queremos que elas se aprofundem mais, mas elas têm medo de fazer isso, porque não te conhecem, não sabem quanto do teu trabalho aquilo vai afetar, ou vai parecer que “estou falando mal da instituição em que eu trabalho”, e não é isso. Todos os lugares têm defeitos.

Blog do APERS: nas suas horas vagas, quando não estás pesquisando, quais são os teus hobbies ou tuas atividades preferidas de lazer?

Joana: Eu gosto muito de ler, de ir ao cinema, de escutar música, coisas variadas. Não gosto de ficar muito parada dentro de casa. Acho que temos que desopilar um pouco, porque ficar só em casa ou pensando no trabalho não dá! A leitura é algo que sempre foi bom pra mim, gosto de romance policial. Sou fã da Agatha Christie, leio todos que eu posso. Sempre tive dificuldade para escrever, mas a leitura me ajudou. Até na questão do vocabulário, que vamos aperfeiçoando com a leitura. Aprender a ler é importante, porque aprendemos a interpretar.

Atividades APERS – Administração

Deixe um comentário

    Desde o dia oito de fevereiro estamos fazendo postagens sobre as principais atividades desenvolvidas no Arquivo Público do RS, através do “Atividades APERS”. Hoje apresentamos as nossas gestoras: a diretora Isabel Oliveira Perna Almeida, a chefe da DIPEP Maria Cristina Kneipp Fernandes, e a chefe da DIDOC Elizabeth Terezinha Martins de Lima.

   Possuem a responsabilidade de planejar e gerenciar as ações da Instituição e desempenham seu trabalho no sentido de que as atividades desenvolvidas contemplem as competências do Arquivo e das Divisões de Pesquisa e Projetos e Documentação.

Maria Cristina, Isabel e Elizabeth

Reunião do Comitê Consultivo do SIARQ/RS

Deixe um comentário

     Na tarde desta terça-feira realizou-se, no Arquivo Público do RS, a segunda reunião da atual composição do Comitê Consultivo do SIARQ/RS, com a participação de 14 membros. Este Comitê Consultivo é formado por servidores de diferentes órgãos, sendo que a atual composição foi designada pela Portaria 096/2011.

     Esta reunião teve como pauta os instrumentos arquivísticos: Plano de Classificação de Documentos e Tabela de Temporalidade de Documentos. Foram apresentadas pelos representantes do APERS as definições, histórico da elaboração, atual estrutura, forma de utilização dos instrumentos e, a partir disto, iniciaram-se as discussões que visam sua atualização e aprimoramento. Assim na próxima reunião, 15 de maio, será discutido o Plano de Classificação de Documentos.

     Conheça os atos legais que normatizam o Comitê Consultivo:

Decreto nº 47.022 / 2010 – Reorganiza o SIARQ/RS

Regimento Interno do Comitê Consultivo do SIARQ/RS

X Mostra de Pesquisa do APERS

Deixe um comentário

Para participar deste evento CLIQUE AQUI.

Para encaminhar seu trabalho CLIQUE AQUI.

Outras notícias sobre a Mostra de Pesquisa do APERS.

Older Entries

%d blogueiros gostam disto: