Anais da XII Mostra de Pesquisa do APERS

Deixe um comentário

2015.11.25 Anais XII Mostra de PesquisaBLOG   É com muita alegria que finalmente lançamos os anais da XII Mostra de Pesquisa do APERS, em formato de livro eletrônico! O evento, que foi realizado em setembro do ano passado, contou com a apresentação de dez pôsteres e vinte e seis artigos, que foram debatidos nas mesas do encontro e agora são difundidos ao público através do e-book que pode ser baixado aqui, e pode ser lido pelo Issuu aqui.

   Agradecemos a cada participante por ter compartilhado os resultados de seu trabalho com o Arquivo Público, com os demais pesquisadores e com a sociedade. Desejamos uma excelente leitura, e reafirmamos o compromisso de seguir promovendo a Mostra de forma bianual, como um espaço para troca de conhecimentos e de experiências em pesquisa com fontes arquivísticas. Estejam atentos ao nosso blog para em breve acessar o regulamento da XIII Mostra de Pesquisa, que ocorrerá em 2016!

Lançamento do livro “Primitivos Digitais: uma abordagem arquivística” no APERS

Deixe um comentário

Lancamento Livro Primitivos Digitais

     No dia 03 de dezembro, quinta-feira, o Arquivo Público do Estado, em parceria com a Associação dos Arquivistas do Rio Grande do Sul, realizará o lançamento do livro “Primitivos Digitais: uma abordagem arquivística”, de Charlley Luz.

    O lançamento será composto de uma palestra sobre o tema, às 16 horas e sessão de autógrafos, às 18 horas. O APERS fica localizado na Rua Riachuelo, 1031, no Centro de Porto Alegre. Compareça!

Neste sábado: APERS entre “Os Caminhos da Matriz”!

Deixe um comentário

Ciclo de Cinema e Debates “Mulher, Mulheres: História(S), Gênero(S) e Feminismo(S)” no APERS

Deixe um comentário

Nesta semana, dia 28 de novembro, das 14h às 18h, no Auditório do APERS, Marcus Justo Tramontini, o Ciclo de Cinema e Debate terá sua continuidade com as apresentações de Naiara Rotta Assunção, formada em História pela UFRGS, e Nikelen Witter, escritora e historiadora, doutora em História Contemporânea pela Universidade Federal Fluminense, com a temática “Mulheres e o Oriente”.

Participe!

Cartaz-Mulheres e o Oriente divulgação

Confira abaixo algumas fotos do evento realizado no dia 14 de novembro.

Publicado Decreto sobre o Sistema de Processo Administrativo Eletrônico do Poder Executivo Estadual

2 Comentários

Decreto    No dia 23 de novembro de 2015, foi publicado no Diário Oficial do Estado, o Decreto nº 52.715 que dispõe sobre o Sistema de Processo Administrativo Eletrônico – PROA – no âmbito do Poder Executivo Estadual.

    O SIARQ/RS colaborou na redação do Decreto e, a partir deste documento, se tornou membro oficial do Comitê Gestor do PROA (art. 3º), representado pela Presidente do Comitê Consultivo do SIARQ e Diretora do Arquivo Público do RS, Débora Flores, e o Arquivista Jonas Ferrigolo Melo. O SIARQ levou ao Comitê do PROA assuntos que versavam sobre a gestão arquivística e o principal avanço do Sistema PROA vem explícito em seu artigo 11, onde prevê que o Sistema de Processo Administrativo Eletrônico deve adequar-se ao Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos – e-ARQ Brasil, e às Diretrizes para a Implementação de Repositórios Arquivísticos Digitais Confiáveis – RDC-Arq, mantidos e atualizados pelo Conselho Nacional de Arquivos – CONARQ.

     Isso significa, dentre outras ações de suma importância para a gestão documental, que os expedientes administrativos eletrônicos serão tratados efetivamente como documentos arquivísticos, classificados e temporalizados desde sua produção.

*Post alterado em 26 de novembro de 2015 – data da publicação.

O 20 de Novembro e o APERS

Deixe um comentário

A sexta-feira da semana passada foi marcada por mais um Dia da Consciência Negra, data escolhida pela comunidade para celebrar as lutas, as conquistas, a cultura do povo negro, para discutir e denunciar a permanência de relações racializadas e racistas entre as diferentes etnias que formam a população e para reivindicar mais direitos àqueles que contribuíram decisivamente para a construção do Brasil.

Embora o APERS não tenha conseguido realizar na semana da Consciência Negra um evento sobre as diversas temáticas possíveis e desejáveis de discussão para essa data, há tempos temos problematizado a história da escravidão, da luta por liberdade e das relações étnico-raciais, no decorrer de todo o ano. Nesse, especialmente, realizamos um trabalho de fôlego que, em paralelo à realização de um curso de formação para professores e para nossa equipe sobre tais temas, reformulou a oficina de educação patrimonial Os Tesouros da Família Arquivo, que os aborda a partir de documentos aqui salvaguardados e permite entrar em contato com vestígios do passado que registram a história de pessoas que foram escravizadas no Rio Grande do Sul.

A oficina foi a primeira criada na parceria entre o Arquivo Público e a UFRGS, sendo oferecida desde 2009 no âmbito do Programa de Educação Patrimonial (PEP). Em 2015 dedicamos a ela o primeiro semestre, aprofundando a pesquisa histórica em nosso acervo para escolher novos documentos que deem conta de ressaltar a diversidade de experiências e a resistência cotidiana de sujeitos históricos muitas vezes generalizados pela categoria “escravo” ou “escravizado”.

Hoje, como forma de valorizar e difundir o trabalho realizado, e de celebrar a Consciência Negra, compartilhamos um produto especial desse percurso: as gravuras que representam os personagens presentes na documentação analisada na oficina, que foram produzidas por Bruno Ortiz, professor de história e desenhista contratado pelo PEP. Até 2014 os estudantes recebiam uma silhueta com o perfil de uma mulher ou um homem escravizados, que deveriam caracterizar desenhando e escrevendo informações coletadas na pesquisa documental, buscando dar identidade aos indivíduos, como nestas fotos:

Entretanto, ainda que os estudantes fossem incentivados a personalizar as silhuetas, e a discussão fosse canalizada para a recuperação de histórias que foram conectadas pela experiência do cativeiro, mas que tinham suas singularidades, como utilizar o mesmo perfil para retratar a Maria, identificada como tendo vindo da região do Congo, que recebia sua alforria em 1883, quando tinha “noventa anos, mais ou menos”, e a Jacinta, nascida no Brasil, que estava sendo vendida com seu marido, Vicente, e com seu filho, Fortunato, de 1 aninho? Foi na tentativa de dar identidade a estas pessoas que as novas gravuras foram produzidas, e hoje são parte do material pedagógico utilizado pelas turmas que vivenciam a oficina Tesouros. Aqui estão:

As gravuras foram produzidas a partir da caracterização feita com base na pesquisa documental, transmitida ao artista pela equipe do PEP, e também em pesquisas bibliográficas e iconográficas realizadas por ele. Documentos e imagens possibilitam debates sobre a origem de cada escravizado, condições de vida, formas de resistência e de trabalho, especialização, cultura trazida do continente africano, reorganizada desde o tráfico transatlântico e produzida no Brasil, casamento e formação de famílias, luta pela liberdade e formas de alforria, entre diversos outros temas, que contribuem para que possamos conhecer trajetórias e relações sociais, entender sua complexidade, e nos apropriar de histórias que nos constituem.

Com esta postagem não apenas celebramos o Dia da Consciência Negra, mas especialmente reafirmamos o compromisso do APERS com a difusão de acervos, temáticas e pesquisas relacionadas ao conhecimento e valorização da história de negras e negros em nossa sociedade. Nesse sentido, é oportuno destacar uma recente conquista: a partir do próximo ano 20 de novembro será feriado municipal em Porto Alegre, decisão aprovada recentemente pela Câmara Municipal de Vereadores como resposta a uma reivindicação histórica da comunidade negra dessa cidade.

De nossa parte, assumindo nossa responsabilidade enquanto instituição pública de memória, continuaremos, por meio do desenvolvimento de diversas atividades, valorizando as lutas e o legado do povo negro, e multiplicando os 20 de novembro no APERS.

Atendimento APERS

Deixe um comentário

Realizaremos, no dia 27 de novembro, no turno da manhã, das 8h30min às 12h, Treinamento para Prevenção de Incêndio, para todos os servidores e estagiários do APERS, em nosso Auditório. A atividade será ministrada, de forma voluntária, pelo Senhor Tenente Coronel da Reserva da BM, Sérgio Pastl.

Como o treinamento envolverá todos, o horário de início de atendimento externo, será alterado para as 13h.

Pesquisando no Arquivo: Processos Judiciais de Falência

Deixe um comentário

2015.11.18 Falencia     Neste mês, nossa indicação de pesquisa recai sobre os Processos Judiciais de Falência, que pode ser conceituada de várias formas, ora considerando-se o aspecto econômico, ora o aspecto jurídico.

     Em termos jurídicos, falência é o nome da organização legal e processual destinada à defesa daqueles impossibilitados de receber seus créditos. Trata-se de um processo de execução coletiva dos bens do devedor, decretado judicialmente, ao qual concorrem todos os credores, que buscam no patrimônio disponível saldar o passivo em rateio, observadas as preferências legais.

    Popularmente, interpreta-se falência como a condição daquele que não tenha à disposição um valor suficiente, realizável para saldar suas dívidas, tornando-se a solução judicial da situação jurídica do devedor-comerciante que não paga no vencimento a obrigação líquida.

  • As principais finalidades da falência são:
    A realização da par condicio creditorum, ou seja, fazer com que todos os credores fiquem em uma situação igual, de forma a que todos sejam satisfeitos proporcionalmente aos seus créditos;
  • O saneamento do meio empresarial, já que uma empresa falida é causa de prejuízos a todo o meio social, sendo prejudicial às relações empresariais e à circulação das riquezas;
  • E a proteção não somente do crédito individual de cada credor do devedor em específico, o crédito público, auxiliando e possibilitando o desenvolvimento e a proteção da economia nacional.

     Em nosso acervo, há cerca de 764 registros de Falência, que vão, com algumas variantes de tempo, de 1799 a 1968. Se você tiver interesse em pesquisar estes documentos, envie um e-mail para saladepesquisa@smarh.rs.gov.br e solicite seu atendimento!

.

Fontes:

CRUZ, Samyr. Falência: conceitos, finalidades, natureza jurídica e fases do processo falimentar comum. Disponível em: http://www.direitonet.com.br/artigos/exibir/1542/Falencia-conceitos-finalidades-natureza-juridica-e-fases-do-processo-falimentar-comum . Acesso em: 16 nov. 2015.

SANTIAGO, Emerson. Falência, recuperação judicial e extrajudicial. Disponível em: http://www.infoescola.com/direito/falencia-recuperacao-judicial-e-extrajudicial/ . Acesso em: 16 nov. 2015.

 

Prorrogada Exposição de Banners do Memorial Jesuíta da Unisinos

Deixe um comentário

    A Exposição de Banners, que reproduz parte da Coleção de Obras Raras e Especiais do Memorial Jesuíta da Unisinos foi prorrogada pelo APERS até dia 28 de novembro de 2015.

    Ela está no Espaço Joel Abilio Pinto dos Santos e o horário para visitação é das 8h 30min às 17h, de segunda a sexta. No último dia da exposição, sábado, o horário é das 9h às 13h. A entrada é gratuita, venha prestigiar. Para saber mais sobre a exposição, clique aqui.

APERS participa do Seminário de Ensino de História do Curso de História da UFRGS

Deixe um comentário

Na última terça-feira à noite, dia 10 de novembro, a historiadora do Arquivo Público do RS, Nôva Brando, participou da aula de Seminário de Ensino de História: Teoria e Prática do Curso de História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, a convite do Professor da disciplina, Enrique Padrós. O objetivo da aula, que também contou com a presença do Professor da Rede Municipal de Ensino da cidade de Cachoeirinha, Ramiro Reis, foi apresentar aos futuros professores de história, experiências desenvolvidas na área do ensino e da docência.

SAM_0966

Na primeira parte da aula, o Professor Ramiro compartilhou com os graduandos do curso algumas das atividades que tem desenvolvido com seus alunos do Ensino Fundamental, dentre elas, a construção de um vídeo que problematizou algumas questões ligadas à Ditadura Civil-militar e à atual Democracia.

Logo LaranjaNa segunda parte do encontro, foi a vez de Nôva Brando apresentar algumas das propostas pedagógicas que compõem os três volumes da Coletânea da Iª Edição do projeto APERS? Presente, professor? – Propostas pedagógicas a partir de Fontes Arquivísticas.

Com o objetivo de levar um pouco do Arquivo Público do RS até a escola, por meio desse projeto, o APERS reconhece a importância da divulgação do material em espaços de formação de professores e, com isso, já deixa registrado o agradecimento pelo convite e pela oportunidade.

Acesse abaixo os volumes da Coletânea do Projeto APERS? Presente, professor!:

APERS sedia o Ciclo de Cinema e Debates “Mulher, Mulheres: história(s), gênero(s) e feminismo(s)”

Deixe um comentário

2015.11.11 GT estudos de gêneroNo dia 17 de outubro, na Sede ANPUH-RS, Associação Nacional de História – Seção Rio Grande do Sul, começou um curso com formato de Ciclo de Cinema e Debates que discorre sobre relações de gênero, feminismo e história das mulheres, promovido pelo GT Estudos de Gênero, com a aula-abertura “As histórias que as feministas contam”, de Monica Karawejczyk, doutora em História pela UFRGS (2013), e com participação de Tatiana Vargas Maia, doutoranda do Departamento de Ciência Política da Southern Illinois University at Carbondale.

2015.11.11 cartaz final - GT Genero

O evento, denominado “Mulher, Mulheres: história(s), gênero(s) e feminismo(s)”, continua nos dias 14 e 28 de novembro e 12 de dezembro de 2015, no Auditório Marcus Justo Tramontini, no APERS (Riachuelo, 1031 – Centro Histórico), com as participações de: Leticia Matos, estudante de Ciências Sociais da UFRGS, integrante da rede “Eu sou pelas Mulheres Indígenas”, e Elisa Fauth da Motta, mestranda em História pela Unisinos e integrante da Coordenação Temporária do GT Estudos de Gênero da ANPUH-RS, com a temática “Mulheres indígenas”; Aline Silveira, integrante do Programa de Ações Afirmativas da UFRGS, e Negralisi, militante do Movimento Negro, coletivo Alicerce, com a temática “Mulheres negras”; Naiara Rotta Assunção, formada em História pela UFRGS, e Nikelen Witter, escritora e historiadora, doutora em História Contemporânea pela Universidade Federal Fluminense, com a temática “Mulheres e o Oriente”; Marcelli Cipriani, Cientista Social pela UFRGS, e Sophia Starosta, integrante do Nupsex e voluntária do CRDH da UFRGS, com a temática “Mulheres trans”. O encerramento, no dia 12 de dezembro, às 17h30, será com a mestranda em História pela UFRGS, Camila Albani Petró, que provocará o debate com a questão “Para que(m) serve o(s) gênero(s), a(s) história(s), o(s) feminismo(s)?”

.

Consulte a programação completa e outras informações aqui. Inscreva-se e participe!

Acervo da Justiça e Pesquisa Histórica IV

1 Comentário

Chegamos à última postagem sobre o acervo da Secretaria da Justiça do Estado do Rio Grande do Sul (1975-1991). Para ela, selecionamos um conjunto de documentos produzidos pela Superintendência dos Serviços Penitenciários (SUSEPE), órgão subordinado aquela Secretaria. Elegemos seis processos administrativos, cuja produção tenha passado pela SUSEPE, em meio a um conjunto relativamente extenso de documentos de guarda permanente.

Imagem Documentos
O primeiro deles, produzido em 1980, diz respeito a dados sobre estabelecimentos prisionais. Nele, a Secretaria da Justiça solicita à Superintendência dos Serviços Penitenciários alguns dados para fins de organização de um fichário. Dentre eles, área física, tipo de presídio, área construída, população carcerária, atividades desenvolvidas, cursos ministrados aos apenados, localização dos presídios e melhorias realizadas na instituição. Como resposta a essa solicitação, encontramos em anexo uma tabela com as seguintes informações: denominação do estabelecimento, localização, capacidade, lotação atual, tipo de atividade, categoria, área, data do início do funcionamento como prisão. Ao total, encontramos dados sobre 92 estabelecimentos, dos quais 21 estavam com lotação maior que a capacidade. Também encontramos informações fornecidas pela Unidade de Atendimento Educacional e Social a respeito de cursos (para pintor, encadernador, barbeiro, atendente de enfermagem, tipógrafo, reparador de TV, marceneiro, calceiro, estofador, eletricista, olericultor, artesanato em couro, pedreiro, sapateiro e horticultor), que aconteciam em quatorze cidades, para qualificação de mão de obra, e sobre a quantidade de alunos atendidos. Além dos profissionalizantes, também são citados cursos de alfabetização (MOBRAL), de educação integrada e de supletivos para exames do 1º e 2º graus em 58 estabelecimentos.

Em outro processo, de setembro de 1982, com informações elaboradas pela Equipe de Pesquisa e Planejamento da Unidade de Serviços Especiais da SUSEPE, encontramos um quadro com dados de despesa média, custo por preso e gastos em alimentação. Em cruzeiros são apresentadas os valores da despesa total, da média mensal, do custo mensal e diário por preso e, em separado, as despesas com alimentação.

No terceiro, protocolado em 1980 na Secretaria de Justiça, temos a disposição informações sobre uma proposta para reestruturação da rede penitenciária do estado, elaborada por Grupos de Trabalho constituídos na SUSEPE que diagnosticaram a situação das instituições prisionais e apontaram alguns caminhos para a reorganização da rede penitenciária. Dentre as propostas, encontramos aquela que sugere a criação de Institutos Agro-Pastoris e Industriais (ITAs) e por conta dela, muitas informações são disponibilizadas sobre as instituições que seriam transformadas em ITAs (Colônia Penal Agrícola Gal. Daltro Filho, e Presídios de Sarandi, Pelotas, Erechim, Santa Rosa, Bagé, Caçapava do Sul e Caxias do Sul). São elas: área territorial, área construída, produção agropecuária atual (em sua maioria pra consumo interno), disponibilidade real de vagas, ocupação nominal por sexo (homens, mulheres e clientes estranhos), faixa etária, estado civil, escolaridade, ocupação habitual antes de ser recolhido, situação jurídica (primários ou reincidentes), artigos nos quais foram incursos. Depois disso seguem algumas tabelas com as produções dos municípios (avicultura, produção agrícola, produção extrativista vegetal, produção extrativista animal, pecuária) e uma pequena análise das potencialidades de produção agropecuária.

Anexo ao processo encontramos a minuta-anteprojeto para reestruturação da rede penitenciária estadual e o projeto de decreto que propõe os seguintes estabelecimentos para comporem a rede prisional da Superintendência dos Serviços Penitenciárias: Penitenciária da Região Metropolitana (estabelecimento penitenciário especial); Instituto de Avaliação Psiquiátrica e Instituto de Biotipologia Criminal (Estabelecimento de Classificação e Triagem); Penitenciária Estadual do Jacuí, Penitenciária Estadual de Pedras Brancas, Penitenciária Feminina Madre Pelletier, Instituto Agro-Pastoril de Mariante, Institutos de Trabalho Agro-Pastoril e Industrial, de Reeducação e Ensino Profissional (ITA), Institutos para Jovens-Adultos, Instituto para Idosos, Presídios Regionais, Presídios Municipais, Cadeias Municipais (estabelecimentos penitenciários); Instituto Médico Penal, Hospital Penitenciário, Instituto Psiquiátrico Forense “Maurício Cardoso” (estabelecimentos médicos-penais). Nele podemos notar que estavam previstos às instituições que separassem jovens, adultos, idosos, dependentes químicos e pessoas consideradas de alta peliculosidade. A justificativa para o projeto era a de concentração da política penitenciária na pessoa do preso, no caráter educativo da pena e na preparação para o retorno à liberdade.

Um curso para monitores é o assunto do quarto processo selecionado. Resultado de um convênio entre o Ministério da Justiça e o Estado do Rio Grande do Sul, o curso aconteceu em três etapas: (1) Ciclo Básico – humanas e comunicação, estudos sócio-jurídicos, ciências biológicas; (2) Ciclo Profissional – área de atividades técnicas; e (3) Estágio supervisionado – administração penitenciária, recreação e lazer e relações humanas. Com duração de quatro meses, na primeira edição o curso atendeu a cinquenta alunos e, na segunda, a 120 alunos. O Estado foi responsável pelas contratações, pagamentos e fiscalizações ao longo do curso e pela elaboração de um relatório final.

Encaminhado, da SUSEPE para SJ, exemplar do Jornal “Semanário”, editado no Município de Bento Gonçalves e que contém um editorial e uma reportagem sobre o Presídio daquele município. Esse é o material que consta no quinto processo administrativo, produzido no ano de 1982. Conforme o conteúdo do Jornal, o diretor do presídio solicita apoio para reformas interna e externa na instituição. Financiado pelas Prefeituras de Garibaldi, Carlos Barbosa e Bento Gonçalves, pareceu, pelas informações contidas na reportagem, que a comunidade contribuía com o funcionamento do presídio e que estava sendo convidada a ajudar no processo de reforma.

Por fim, temos um processo de 1981 que trata do adiamento da inauguração do Presídio de Santiago, devido à falta de verbas para compra de utensílios essenciais para o funcionamento da instituição. Nele encontramos muitas fotografias que ilustram uma estrutura completa, com celas, cozinha, oficina, enfermaria, dentre outros locais nos quais faltam somente mobiliários e equipamentos para a ocupação. Por isso, a solicitação de adiamento feita à Secretaria da Justiça, uma vez que a suplementação da verba solicitada para equipar o presídio ainda não havia sido liberada.

Composto por jornais, fotografias, mapas, plantas, memorandos, ofícios, minutas, esses processos fazem parte de um conjunto documental capaz de auxiliar no entendimento do período no qual a responsabilidade pelo funcionamento de instituições prisionais era compartilhada por municípios e estado. Tratam-se de fonte com grande potencial para pesquisas históricas e sociológicas a respeito das políticas de segurança pública, sobretudo de investigações cuja intenção seja a problematização do direito à segurança, a integridade física e psicológica e a possibilidade de reinserção social de pessoas condenadas a penas de reclusão por diferentes motivos.

Clique aqui para ler outros artigos relacionados.

*Acervo em tratamento técnico.

APERS em Números – Outubro 2015

Deixe um comentário

Confira alguns dados referentes aos serviços realizados no APERS durante o mês de outubro:

  • Usuários atendidos: 512
  • Atendimentos aos usuários: 961
  • Indexação Sistema AAP: 2.165
  • Oficinas de educação patrimonial: 20 oficinas com a participação de 350 alunos
  • Visitas guiadas: 08
  • Visualizações blog institucional: 11.216

Veja abaixo gráfico com os quantitativos diários de atendimento aos usuários referente ao mês de outubro:2015.11.11 APERS em Números
Clique aqui e saiba mais sobre os serviços que o APERS presta a comunidade.

Oficinas de educação patrimonial – Outubro 2015

Deixe um comentário

Imagem para post Oficinas

Confira as escolas que participaram das Oficinas de Educação Patrimonial oferecidas pelo APERS durante o mês de outubro:

Dia 01: os alunos do Colégio Romano Senhor Bom Jesus participaram da oficina “Os Tesouros da Família Arquivo”, no turno da manhã, acompanhados do professor Jairo Brum. Clique aqui para acessar o álbum de fotos.

Dia 01: alguns participantes da III Jornada de Estudos sobre Ditaduras e Direitos Humanos, promovida pelo APERS em parceria com a UFRGS, vivenciaram a oficina “Resistência em Arquivo: Patrimônio, Ditadura e Direitos Humanos” acompanhados pela historiadora Clarissa Alves. Clique aqui para acessar o álbum de fotos.

Dia 06: os alunos do Escola Técnica Estadual Frederico G. Schmidt participaram da oficina “Resistência em Arquivo: Patrimônio, Ditadura e Direitos Humanos”, no turno da manhã, acompanhados do professor Marcos Freire. Clique aqui para acessar o álbum de fotos.

Dia 07: os alunos da Turma 81 da Escola Baltazar de Oliveira Garcia participaram da oficina “Desvendando o Arquivo Público: historiador por um dia”, no turno da manhã, acompanhados da professora Sandra V. Amaral. Clique aqui para acessar o álbum de fotos.

Dia 07: os alunos do 6º ano da Escola SESI (Viamão) participaram da oficina “Os Tesouros da Família Arquivo”, no turno da tarde, acompanhados da professora Márcia Ebarck. Clique aqui para acessar o álbum de fotos.

Dia 08: os alunos da Turma 82 da Escola Baltazar de Oliveira Garcia participaram da oficina “Desvendando o Arquivo Público: historiador por um dia”, no turno da manhã, acompanhados da professora Sandra V. Amaral. Clique aqui para acessar o álbum de fotos.

Dia 08: os alunos do 6º e 7º Ano da Escola Municipal de Ensino Fundamental Justino Camboin (Sapucaia do Sul) participaram da oficina “Os Tesouros da Família Arquivo”, no turno da tarde, acompanhados pela professora Ana Paula Madruga. Clique aqui para acessar o álbum de fotos.

Dia 14: os alunos da Turma 83 da Escola Baltazar de Oliveira Garcia participaram da oficina “Desvendando o Arquivo Público: historiador por um dia”, no turno da manhã, acompanhados da professora Sandra V. Amaral. Clique aqui para acessar o álbum de fotos.

Dia 14: os alunos do 9º Ano do Colégio Estadual Carlos Fagundes de Mello participaram da oficina “Desvendando o Arquivo Público: historiador por um dia”, no turno da tarde, acompanhados da professora Fabiane Viecilli. Clique aqui para acessar o álbum de fotos.

Dia 15: os alunos da Turma 84 da Escola Baltazar de Oliveira Garcia participaram da oficina “Desvendando o Arquivo Público: historiador por um dia”, no turno da manhã, acompanhados da professora Sandra V. Amaral. Clique aqui para acessar o álbum de fotos.

Dia 17: os alunos da Disciplina de Ensino de História, do Curso de História da UFRGS vivenciaram a oficina “Os Tesouros da Família Arquivo”, no sábado pela manhã, acompanhados do professor Enrique Padrós. Clique aqui para acessar o álbum de fotos.

Dia 19: os alunos do 1º e 2º Anos do Instituto Estadual Madre Benícia participaram da oficina “Resistência em Arquivo: Patrimônio, Ditadura e Direitos Humanos”, no turno da manhã, acompanhados do professor Jefferson Amaral. Clique aqui para acessar o álbum de fotos.

Dia 20: os alunos da turma 91 da Escola Estadual Baltazar de Oliveira Garcia participaram da oficina “Desvendando o Arquivo Público: historiador por um dia”, no turno da manhã, acompanhados da professora Sandra V. Amaral. Clique aqui para acessar o álbum de fotos.

Dia 21: os alunos das turmas 92 e 93 da Escola Estadual Baltazar de Oliveira Garcia participaram da oficina “Desvendando o Arquivo Público: historiador por um dia”, no turno da manhã, acompanhados da professora Sandra V. Amaral. Clique aqui para acessar o álbum de fotos.

Dia 22: os alunos do 1º ano, turma A, do Colégio Sinodal Gustavo Adolfo de Lajeado/RS participaram da oficina “Resistência em Arquivo: Patrimônio, Ditadura e Direitos Humanos”, no turno da manhã, acompanhados da professora Mara Forneck. Clique aqui para acessar o álbum de fotos.

Dia 22: os alunos do 1º ano, turma B, do Colégio Sinodal Gustavo Adolfo de Lajeado/RS participaram da oficina “Resistência em Arquivo: Patrimônio, Ditadura e Direitos Humanos”, no turno da tarde, acompanhados da professora Mara Forneck. Clique aqui para acessar o álbum de fotos.

Dia 26: os alunos do 1º ano do Colégio Estadual Paraná participaram da oficina “Resistência em Arquivo: Patrimônio, Ditadura e Direitos Humanos” no turno da tarde, acompanhados pelo professor Carlos Reni. Clique aqui para acessar o álbum de fotos.

Dia 27: os alunos do 6º ano, turma 162, do Colégio Romano Senhor Bom Jesus participaram da oficina “Os Tesouros da Família Arquivo” no turno da manhã, acompanhados pela professora Priscila Pereira. Clique aqui para acessar o álbum de fotos.

Dia 27: os alunos do 7º ano, turma 72, da Escola Cesi Viamão participaram da oficina “Os Tesouros da Família Arquivo” no turno da tarde, acompanhados pelo professor Jonas Crestani. Clique aqui para acessar o álbum de fotos.

Dia 28: os alunos do 3º ano da Escola Estadual de Ensino Médio Professora Célia Flores participaram da oficina “Resistência em Arquivo: Patrimônio, Ditadura e Direitos Humanos” no turno da manhã, acompanhados pela professora Geila Freitas. Clique aqui para acessar o álbum de fotos.

Dia 29: os alunos do 6º ano, turma 163, do Colégio Romano Senhor Bom Jesus participaram da oficina “Os Tesouros da Família Arquivo” no turno da manhã, acompanhados pelo professor Gustavo Barcelos. Clique aqui para acessar o álbum de fotos.

Para saber mais sobre nossas oficinas acesse: http://goo.gl/Jkzihw

Bolsistas do PEP UFRGS-APERS recebem prêmio e reconhecimento de destaque no XI Salão de Ensino da UFRGS

1 Comentário

foto apresentacaoNo dia 21 de outubro integrantes do Programa de Educação Patrimonial do APERS vinculado pela ProExt com a UFRGS, apresentaram o relato de experiência no XI Salão de Ensino da UFRGS. O Salão oferece espaços de apresentação de trabalhos voltados para o ensino, a pesquisa e a extensão e aconteceu de 19 a 23 de outubro.

Com o título “Do Patacho ao Panxo: o uso de processos crime em oficinas de educação patrimonial sobre escravidão e liberdade.” Amanda Ramos e Guilherme Palermo, bolsistas do PEP, apresentaram o planejamento e o processo de adequação do material documental do Arquivo Público do RS utilizado para a oficina de educação patrimonial denominada “Tesouros da Família Arquivo”. Recebendo a premiação e o reconhecimento de destaque da sessão com este trabalho.

foto salao ensino destaque

Sábado de funcionamento da Sala de Pesquisa do APERS – mês de novembro

Deixe um comentário

Para melhor atender aos seus pesquisadores, a Sala de Pesquisa do APERS abre um sábado por mês, das 9 às 13 horas, mediante solicitação prévia da documentação.

No mês de novembro a Sala de Pesquisa abrirá no sábado 28.

Os pesquisadores interessados em realizar suas pesquisas podem solicitar previamente os documentos no balcão de atendimento presencial ou por email (saladepesquisa@smarh.rs.gov.br), telefone (51 3288 9104) ou, ainda, através do Balcão Virtual.

Agende sua pesquisa!

Atividades SIARQ/RS – Outubro 2015

Deixe um comentário

Durante o mês de outubro os arquivistas participaram das seguintes reuniões e assessorias técnicas:

  • 2015.10.20 Reuniao FPEDias 01, 16 e 29/10 o SIARQ/RS se reuniu com as servidoras da Fundação de Proteção Especial para tratar da gestão documental da FPE. Os assuntos tratados nas reuniões foram a organização dos Prontuários Sociais, a metodologia do treinamento dos servidores da Fundação e a formalização do Grupo de Trabalho. Participantes: Andréa Palliano, Daniela Fernandes, Maira de Faria Neves, Rossana Ramos, Soraia Naibert, Vitiana Witti (FPE), Jonas Ferrigolo, Maria Cristina Fernandes, Renata Vasconcellos, Silvia Soares (APERS).
  • Dias 01 e 23/10: o Grupo de Trabalho Prontuário Eletrônico, reuniu-se para dar continuidade ao projeto que objetiva a implantação de prontuário eletrônico no Departamento de Perícia Médica e Saúde do Trabalhador (DMEST). O assunto dos encontros foi o alinhamento de solicitações à PROCERGS. O grupo é composto por Débora Flores, Jonas Ferrigolo Melo (APERS); Fabio Nobre Zimmer, Carmen Renina Mendonça Colman, José Gonçalves de Araújo, Kleber da Silva Rocha, Sidêmia Kleber e Antônio Henrique Abrahao Ribeiro (DMEST).
  • No dia 05/10: o SIARQ/RS, representado pela arquivista Iara Gomide, participou da reunião da Comissão Interdisciplinar de Processos Aptos a Descarte (COMINTER), que teve como pauta a apreciação de processos judiciais aptos à eliminação.
  • Durante as quartas-feiras (dias 07, 14, e 21/10), reuniu-se, na Sala de Gestão da SMARH, o Comitê PROA para tratar de assuntos referentes a implantação do Sistema de Processos Eletrônicos. Nos encontros deste mês foram debatidos os treinamentos presenciais e a flexibilização da data final de implantação do Sistema.
  • Dia 08/10: realizado o Encontro dos Arquivistas do RS 2015/03, que teve como pauta o Sistema PROA: com apresentações sobre a implantação do sistema, feita por Fábio Pinheiro dos Santos – Presidente Comitê Gestor PROA, e sobre classificação documental por Débora Flores – Diretora do APERS. Estiveram presentes as arquivistas do Tribunal de Justiça do RS: Luciane Adolfo, Tárcia Possebon, os arquivistas do Poder Executivo Estadual: Aerta Grazzioli Moscon, Alfredo Ribeiro Estima, Ana Karina Uberti, Anabel Schmidt, Anderson Bandeira, Carlos Alberto Lucena dos Santos, Carlos Dinarte de Oliveira Keppler, Carmen Colman de Morais, Cléo Belício Lopes, Débora Flores, Fabio Nobre Zimmer, Iara Gomide Machado, Jonas Ferrigolo Melo, Juliana Junges Subtil Perotoni, Lívia Oliveira Job, Mari Menezes, Maria Cristina Kneipp Fernandes, Marta Helena de Araújo, Priscila Garcia Nunes, Renata Vasconcellos, Samantha Signor, Silvia de Freitas Soares, Viviane de Portella, e os servidores da SMARH: Michel Cury e Rosilane Conceição.
  • Dia 23/10: as arquivistas prestaram assessoria técnica na Secretaria do Planejamento e Desenvolvimento Regional (SEPLAN), dirimindo dúvidas quanto à classificação de expedientes administrativos, de acordo com o Plano de Classificação de Documentos. Participantes: Maria Cristina Fernandes, Silvia de Freitas Soares (APERS), Bianca Pereira Zotti, Leocadia Nunes Jung (SEPLAN).

Acesse as normativas e instrumentos arquivístico do Sistema de Arquivos clicando aqui. E para solicitar assessoria ao SIARQ/RS, visando implementar a gestão documental, pode entrar em contato pelo e-mail siarq-apers@smarh.rs.gov.br ou telefone (51) 3288-9114.

Visitas guiadas ao APERS – Outubro 2015

Deixe um comentário

No mês de setembro foram realizadas 08 visitas guiadas ao conjunto arquitetônico do Arquivo Público do RS. Visitaram nossa instituição:

Dia 05: Lúcia Andreia de N. de O. Nunes e Claudia Daniela da Silva Vieira, estudantes do curso de Arquivologia/UFRGS e Rachel Pomatti, do curso de Biblioteconomia/UFRGS.

Dia 07: 36 alunos do Curso de Arquivologia/UFSM acompanhados dos professores Jorge Cruz e Raone Somavilla.

Dia 14: No turno da manhã, 18 alunos do Centro de Promoção da Infância e da Juventude (CPIJ), acompanhados pelos professores Cristiana, Gislaina, Angela, Gabriel e Luiz. Os alunos estão cursando a disciplina de Relações Humanas e o objetivo da visita foi introduzir a temática da violência, traçando um paralelo com outras épocas da história do Rio Grande do Sul.

Dia 14: No turno da tarde, 18 alunos do Centro de Promoção da Infância e da Juventude (CPIJ), acompanhados pelos professores Cristiana, Gislaina, Angela, Gabriel e Luiz. Os alunos estão cursando a disciplina de Relações Humanas e o objetivo da visita foi introduzir a temática da violência, traçando um paralelo com outras épocas da história do Rio Grande do Sul.

Dia 15: 6 alunos dos Cursos de Gestão Pública e Administração em Saúde, da UERGS, acompanhados pelo professor Mauro Mastella. O objetivo da visita foi relacionar o conteúdo abordado em sala de aula, como, por exemplo, a Gestão do Conhecimento, com o trabalho desenvolvido pelo Arquivo Público.

Dia 16: Os professores Alessandro Batisttella, Marcos Gerhardt e Rosane M. Neumann e 28 alunos dos níveis IV e VII do curso de História da Universidade de Passo Fundo/RS.

Dia 21: 17 alunos da disciplina Cultura, Esporte e Lazer do Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS), campus Restinga, e a professora Carina Abreu.

Dia 29: Os servidores Sandro Escobar da SDECT, Juliana Silva e Paola Silva da SMARH, e Marilez Prestes do DAER participaram da visita guiada oferecida durante a Semana do Servidor Público.

Guias: Carlos Henrique Armani Nery, Giglioli Rodrigues, Nôva Brando, Viviane Portella de Portella.

Oferecemos, semanalmente, visitas guiadas ao conjunto arquitetônico, com duração de 1h30min, nas segundas-feiras às 14h30min e nas sextas-feiras às 10h. Também é possível agendar sua Visita Guiada pelo e-mail visitas@smarh.rs.gov.br ou ligue para (51) 3288 9112. Estamos esperando sua visita!

%d blogueiros gostam disto: